Ameixa funciona contra a prisão de ventre?

Postado em 8 de abril de 2019 | Autor: Redação Nutritotal

Além da fruta, outros alimentos como a chia e o kiwi também podem ser usados para facilitar o bem-estar intestinal

Seca ou in natura, a ameixa é uma fruta versátil, que combina com uma série de receitas tradicionais, como os iogurtes e leites no café da manhã até o manjar de coco e olho de sogra na hora da sobremesa. E, além de saborosa, a frutinha tem fama de ser benéfica quando o assunto é regular o intestino, sendo considerada um remédio natural para prisão de ventre. Mas será que é verdade?

Os cientistas ainda pesquisam seus reais efeitos na saúde do corpo como um todo, entretanto, alguns estudos já apontam caminhos para entender melhor a ação da ameixa na saúde intestinal. Veja a seguir cinco mitos e verdades sobre alimentos e como eles funcionam no intestino:

A verdade sobre a ameixa (e outros alimentos) e a prisão de ventre

Conheça os ingredientes que realmente melhoram a saúde intestinal

Ameixas servidas em tigela

A fruta é um remédio natural contra prisão de ventre | Imagem: Shutterstock

A ameixa funciona contra a prisão de ventre

Verdade. Um estudo feito na Universidade de Londres (Reino Unido) descobriu que, em indivíduos saudáveis ​e que possuem baixo consumo de fibras, as ameixas aumentaram significativamente o peso e a frequência das fezes, sendo bem toleradas, servindo como facilitador do trânsito intestinal e de uma microbiota saudável.

Kiwis são proibidos para quem tem problemas gastrointestinais.

Mito. Ao contrário! Em adultos, o kiwi pode aumentar significativamente a frequência de defecação, o volume de fezes, o movimento intestinal e a facilidade para defecar. Com cerca de 2 g a 3 g de fibra em 100g, a fruta desempenha um papel semelhante ao da ameixa, provocando uma melhora na função intestinal.

Probióticos ajudam na microbiota intestinal

Verdade. Os probióticos são micro-organismos vivos que trazem benefícios à saúde gastrointestinal quando administrados em quantidades adequadas e receitados por um especialista. Eles atuam diretamente na microbiota favorecendo a boa colonização e consequentemente auxiliando no processo de digestão e absorção dos alimentos. Porém, é preciso ficar de olho na quantidade correta a ser administrada para adultos e crianças, que serão diferentes.

Cascas de frutas, se consumidas, causam dores na barriga

Mito. Pelo contrário, comer a casca da maçã, por exemplo, pode provocar uma ação antioxidante e anti-inflamatória no intestino e está associada à regulação da microbiota, de acordo com um estudo feito pela Universidade de Montreal, no Canadá. E é possível aproveitar essas cascas em outros tipos de receitas, como bolos e tortas, ao invés de apenas optar pelo consumo in natura. Mas é importante ressaltar que, se o consumo de fibra for em excesso (independente de ser casca de frutas ou outra fonte), o paciente pode ter distensão abdominal e dor. Ou seja, aqui a questão de ser mito e verdade pode ser dependente da quantidade ingerida.

Chia é eficaz no combate a dores no intestino

Verdade. Um estudo feito por pesquisadores brasileiros descobriu que a semente de chia foi capaz de reverter o quadro da constipação intestinal, verificando a melhora em todos os fatores da doença. Importante ressaltar apenas que deve-se aumentar o consumo de água sempre que consumir mais fibras na dieta.

 

Este conteúdo não substitui a orientação de um especialista. Agende uma consulta com o nutricionista de sua confiança.

Referências bibliográficas:

Bae S. Diets for Constipation. Pediatry Gastroenterology Hepatology Nutrition Journal, 2014.

Caetité R. et. Efeito da chia sobre a função intestinal, parâmetros antropométricos e hemodinâmicos em idosas. O Mundo da Saúde, 2017.

Denis MC. Apple peel polyphenols: a key player in the prevention and treatment of experimental inflammatory bowel disease. Clin Sci (Lond), 2016.

Lever E. et. The effect of prunes on stool output, gut transit time and gastrointestinal microbiota: A randomised controlled trial. Clin Nutr., 2019.

Leia também



Assine nossa newsletter: