Mitos e verdades sobre a dieta paleolítica

Postado em 6 de abril de 2020 | Autor: Redação Nutritotal

Conheça os riscos e benefícios da alimentação ancestral

Baseada na alimentação dos nossos ancestrais, a chamada dieta paleolítica é uma opção que muitas pessoas recorrem com o intuito de perder peso. Em linhas gerais, ela é baseada no corte de carboidratos e aumento da ingestão de proteínas, oleaginosas e sementes na alimentação diária. O modelo fez tanto sucesso que até idealizou outras vertentes, como é o caso da “alimentação forte”, por exemplo.

Contudo, a dieta paleolítica também tem suas controvérsias. Estudos têm mostrado, por exemplo, que por trás dessa troca de alimentos que dão energia como os carboidratos por outras opções, podem existir problemas capazes de afetar a saúde de maneira geral.

Para esclarecer melhor como esse tipo de alimentação funciona, confira a seguir alguns mitos e verdades sobre ela:

4 mitos e verdades sobre a dieta paleolítica

Ela recebe esse nome porque tenta resgatar a alimentação na Era Paleolítica, período em que ainda não havia agricultura.

dieta-paleolítica

O consumo de carne é alto nessa alimentação, remetendo à época em que caçávamos para comer | Imagem: Shutterstock

Nossos ancestrais não consumiam carboidratos

Mito. Um estudo publicado pelo University of Chicago Press Journals mostrou que o consumo de carboidratos, particularmente na forma de amido, foi fundamental para a expansão acelerada do cérebro humano nos últimos milhões de anos. Segundo os pesquisadores, comer carne pode ter desencadeado a evolução de cérebros maiores, mas alimentos ricos em amido, nos tornaram mais inteligentes.

A dieta paleolítica pode ajudar a diminuir a circunferência da cintura

Verdade. Uma pesquisa postada pelo Nutrition Journal apontou que a dieta paleolítica pode auxiliar em um efeito significativo no peso e na circunferência da cintura, se seguida com o auxílio e supervisão de um nutricionista. No entanto, são necessários mais estudos clínicos para comprovar os verdadeiros benefícios à saúde.

Ela faz bem para o coração

Mito. De acordo com um estudo do European Journal of Nutrition, a dieta paleolítica seguida a longo prazo está associada a diferentes efeitos na microbiota intestinal. Entre eles está o aumento de um metabólito que pode estar associado ao surgimento de doenças do coração. Segundo os cientistas, pode ser necessária uma variedade de componentes de fibra, incluindo fontes de grãos integrais, para manter a saúde intestinal e cardiovascular.

Esse tipo de alimentação pode auxiliar no controle de síndromes metabólicas

Parcialmente verdade. Segundo uma pesquisa do American Journal of Clinical Nutrition, de fato, a dieta paleolítica pode resultar em melhorias de curto prazo nos componentes da síndrome metabólica se comparada a outras dietas de controle baseadas em diretrizes. Mas são necessários mais estudos para esclarecer os benefícios e riscos desse tipo de alimentação.

 

Este conteúdo não substitui a orientação de um especialista. Agende uma consulta com o nutricionista de sua confiança.

Referências bibliográficas:

Paleo diet: Big brains needed carbs. University of Chicago Press Journals, 2015.

Menezes E. et al. Influence of Paleolithic diet on anthropometric markers in chronic diseases: systematic review and meta-analysis. Nutrition Journal, 2019.

Genoni A. et al. Long-term Paleolithic diet is associated with lower resistant starch intake, different gut microbiota composition and increased serum TMAO concentrations. European Journal of Nutrition, 2019.

Manheimer EW. et al. Paleolithic nutrition for metabolic syndrome: systematic review and meta-analysis. American Journal of Clinical Nutrition, 2015.

Leia também



Assine nossa newsletter: