fbpx

1 a cada 4 crianças está desnutrida nos países em desenvolvimento

Postado em 4 de maio de 2006 | Autor: Patricia Logullo

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) acaba de divulgar seu relatório sobre nutrição no mundo, Progress for Children: a Report Card on Nutrition, cobrindo 110 países do mundo. O principal achado do estudo, realizado entre 1996 e 2005, é de que muito há que se fazer para se atingir o Segundo Objetivo de Desenvolvimento do Milênio, estabelecido pelas Nações Unidas: reduzir a desnutrição infantil pela metade até 2015. “Este relatório mostra claramente que o mundo deve alterar suas prioridades para alcançar a meta. Mas mostra também de forma clara que reduzir a desnutrição é possível se as lições dos últimos 15 anos forem aplicadas. O objetivo não poderia ser mais importante: um mundo no qual as crianças vivem livres da pobeza e da fome”, afirma Ann M. Veneman, diretora executiva do Unicef. “Quando a nutrição é pouca, o dano atinge os indivíduos e a sociedade”.

América Latina e Brasil

O relatório cobre 98% da população de crianças de até cinco anos dos países em desenvolvimento. A boa notícia é que a América Latina e o Brasil têm mostrado boas taxas de recuperação, principalmente se comparados com Ásia e África. O Brasil é apontado como um país com chances de atingir a meta. O progresso é calculado comparando-se a taxa anual de redução média no período de 1994 a 2004 com a taxa necessária para atingir o objetivo em 2015. Para todos os países em conjunto, essa taxa terá de ser de 2,8% por ano, pois até o momento atingiu apenas 1,7% (média de todos os países). O Brasil, tomando-se por base o último rastreamento levado em consideração pelo Unicef (realizado em 1996), tem apresentado taxa de 2,6%, e prevalência de desnutrição infantil (indicada por baixo peso) é de 6% ou menos. A taxa na América Latina tem sido de 3,8%.

Por outro lado, se está próximo de atingir a meta global de redução da desnutrição, o Brasil precisa reduzir também a distância entre mais ricos e mais pobres. O País tem a quarta maior disparidade na América Latina de taxa de desnutrição entre crianças ricas e crianças pobres (a taxa de desnutrição em uma dividida pela outra resulta em 3,8). A maior disparidade está no Paraguai: 7,3. “O Objetivo do Milênio 1 é erradicar a extrema pobreza e fome, reafirmando a fundamental inter-relação entre as duas: a fome é freqüentemente conseqüência e causa da pobreza”, descreve o relatório.

Mundo e fome

O relatório aponta que 146 milhões de crianças de até 5 anos de idade no mundo estão abaixo do peso, e três quartos delas (73%) vivem em 10 países em desenvolvimento. Uma cada quatro crianças (23%) nesses países está desnutrida, metade delas está no sul da Ásia. A Índia é o país que abriga o maior número de crianças desnutridas: 57 milhões.

Definições

Desnutrição, para o relatório, significa ingestão insuficiente de comida (fome) e infecções em repetição. O termo inclui baixo peso para a idade, baixa altura para a idade, grave perda de peso e deficiência de vitaminas e mineirais. “Desnutrição” especificamente se refere à porcentagem de crianças de 0 a 59 meses de idade que se encontram a menos dois desvios-padrão (- 2 DP) da média de peso para idade na população em que se encontra.

Crianças desnutridas nos 10 países com maior prevalência no mundo

India

57 milhões

Bangladesh

8 milhões

Paquistão

8 milhões

China

7 milhões

Nigéria

6 milhões

Etiópia

6 milhões

Indonésia

6 milhões

Congo

3 milhões

Filipinas

3 milhões

Vietnã

2 milhões

Outros países em desenvolvimento

40 milhões

Referência (s)

http://www.unicef.org/brazil/

http://www.unicef.org/progressforchildren/2006n4/index.html

Leia também