fbpx

Como diagnosticar diabetes melito na gestação?

Postado em 13 de abril de 2006 | Autor: Camila Garcia Marques

Diabetes melito gestacional (DMG) é caracterizado por qualquer grau de alteração na intolerância à glicose diagnosticada pela primeira vez na gravidez, podendo ou não persistir após o parto.

A Associação Americana de Diabetes (ADA) recomenda que todas as gestantes sejam submetidas a rastreamento para detecção do diabetes na primeira consulta do pré-natal, que consiste na análise de alguns fatores de risco para a doença. Se a mulher tiver baixo risco não é necessário que seja testada por exames laboratoriais. Aquelas que apresentam risco moderado devem realizar testes de glicose, como a glicemia de jejum, entre a 24ª e 28ª semanas gestacionais. Já as mulheres com alto risco de desenvolver a doença recomenda-se que sejam realizados testes de glicose o mais breve possível e que sejam reavaliadas entre a 24ª e 28ª semana gestacional.

Os primeiros testes a serem realizados são a glicemia de jejum ou uma glicemia casual (sem jejum, podendo ser realizada a qualquer momento do dia). Se a glicemia de jejum estiver acima de 126 mg/dl, ou se a glicemia casual estiver acima de 200 mg/dl, existe a possibilidade de diabetes, e estes testes precisam ser confirmados no dia subseqüente.

Gestantes em risco moderado e alto para o desenvolvimento da doença têm duas alternativas: 1) realizar um teste oral de tolerância à glicose (TOTG) sem rastreamento glicêmico (plasmático ou sérico) anterior; ou 2) realizar um rastreamento inicial, medindo-se a glicemia uma hora após a ingestão de 50 gramas de glicose oral, em conjunto com o diagnóstico do TOTG. Cerca de 80% das mulheres com DMG são identificadas quando encontrada glicemia, após a ingestão de 50 g de glicose, maior que 140 mg/dl. Caso o ponto de corte seja diminuído para 130 mg/dl, aproximadamente 90% dos casos podem ser diagnosticados.

Em ambos os casos, o TOTG é o teste que concluirá o diagnóstico do DMG. Dois ou mais dos valores mencionados a seguir deverão estar elevados para o diagnóstico positivo do diabetes.

 

TOTG com 75 g de glicose (mg/dl)

TOTG com 100 g de glicose (mg/dl)

jejum

95

95

1 h após ingestão de glicose

180

180

2 h após ingestão de glicose

155

155

3 h após ingestão de glicose

140

Bibliografia

American Diabetes Association. Diabetes Care. 2006;29 Suppl 1:S43-8. Diagnosis and classification of diabetes mellitus. Disponível em: http://care.diabetesjournals.org/cgi/reprint/28/suppl_1/s37. Acessado em 13/04/06.

Sociedade Brasileira de Diabetes. Abordagem diagnóstica e terapêutica do diabetes gestacional. Disponível em: http://www.diabetes.org.br/artigos/art003.php. Acessado em 13/04/06.

Sociedade Brasileira de Diabetes. Como interpretar os testes de glicemia no diagnóstico de diabetes. Disponível em:

http://www.diabetes.org.br/diabeteshoje/index.php?id=136.Acessado em 13/04/06.

Katz L, Amorim M, Coutinho I, et al. Comparison of Diagnostic Tests for Gestational Diabetes. Rev Bras Ginecol Obstet. 2002;24(8):527-533. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-72032002000800005. Acessado em 13/04/06.

Gross JL, Silveiro SP, Camargo JL, et al. Diabetes Melito: Diagnóstico, Classificação e Avaliação do Controle Glicêmico. Arq Bras Endocrinol Metab. 2002;46(1):16-26. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0004-27302002000100004&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt. Acessado em 13/04/06.

Reichelt AJ, Oppermann MLR, Schmidt MI. Guidelines of the 2nd Meeting of The Diabetes and Pregnancy Task Force. Arq Bras Endocrinol Metab. 2002;46(5):574-581. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0004-27302002000500012&lng=es&nrm=iso. Acessado em 13/04/06.

Fleury. Diabetes Gestacional. Disponível em:

http://www.fleury.com.br/site/calandra.nsf/0/B23657E1362D3C0903256DC2004903DB?opendocument&pub=T&proj=site_diabetes&gen=dg_diabetes_medico. Acessado em 13/04/06.

Leia também