fbpx

Comprovada eficácia da glutamina parenteral

Postado em 8 de janeiro de 2007 | Autor: Patricia Logullo

Acaba de ser publicada no World Journal of Gastroenterology uma metanálise que elimina, se ainda havia, qualquer dúvida a respeito da eficácia da glutamina em melhorar o estado nutricional de pacientes operados. Basta fornecê-la ao paciente operado na forma do dipeptídeo L-alanil-L-glutamina para que ela contribua significativamente para a redução do tempo de internação hospitalar, a diminuição da taxa de infecções após cirurgia abdominal e a melhora do balanço de nitrogênio.

O trabalho de revisão conseguiu recuperar 454 artigos sobre glutamina na literatura, mas utilizou apenas os 9 trabalhos clínicos randomizados, 5 da Europa e 4 da Ásia, que tratavam de L-alanil-L-glutamina. “Glutamina livre tem pouca estabilidade na solução para administração intravenosa”, explicam os autores. “O dipeptídeo pode também ser usado na terapia nutricional parenteral e hidrolizado novamente em glutamina na circulação”.

As doenças que exigem cirurgia abdominal freqüentemente levam a deficiência de glutamina, e após a operação a necessidade de glutamina aumenta. A deficiência de glutamina pode levar a sérios problemas metabólicos relacionados com o sistema imune. “A metanálise indica que o uso do dipeptídeo da glutamina pode aumentar o balanço nitrogenado de forma mais eficiente que a solução parenteral padrão”, comentam os autores.

Nenhum efeito adverso grave foi detectado em nenhum dos artigos incluídos na metanálise, o que atesta, segundo os pesquisadores, a segurança do uso da glutamina entre doentes operados do abdômen.

Referência (s)

Zheng YM, Li F, Zhang MM, Wu XT. Glutamine dipeptide for parenteral nutrition in abdominal surgery: a meta-analysis of randomized controlled trials. World J Gastroenterol. 2006;12(46):7537-41.

Leia também