fbpx

Grupo colaborativo sobre fatores hormonais em câncer de mama

Postado em 7 de fevereiro de 2003 | Autor: Patricia Logullo

Embora ter filhos seja um fator conhecido de proteção contra o câncer de mama, ainda não está claro se amamentar ou não contribui para este efeito. Dados individuais de 47 estudos epidemiológicos em 30 países que incluíram informações sobre padrões de amamentação e outros aspectos de gerar foram coletados, checados e analisados em amostra de 50.302 mulheres com câncer de mama invasivo e 96.973 controles. Estimativas do risco relativo para o câncer de mama associado com amamentação em mulheres puérperes foram obtidas após estratificação por idade, paridade e idade das mulheres quando do nascimento do primeiro filho, assim como estado pós-menopausal. Os resultados mostraram que mulheres com câncer de mama tinham, em média, menos filhos que os controles que já haviam amamentado alguma vez (71% versus 79%) e a duração da amamentação foi menor (9,8 contra 15,6 meses). O risco relativo de ter câncer de mama diminuiu 4,3% (intervalo de confiança de 2,9 a 5,8, p < 0,0001) para cada 12 meses de amamentação em adição a uma diminuição de 7% (5 a 9, p < 0,0001) para cada nascimento. O tamanho da diminuição no risco relativo para câncer de mama associado com amamentação não diferiu significativamente para mulheres em países desenvolvidos e em desenvolvimento e não variou conforme idade, menopausa, origem étnica, número de partos por mulher, idade no nascimento do primeiro filho ou qualquer outro fator examinado. Estima-se que a incidência cumulativa para câncer de mama em países desenvolvidos poderia ser reduzida mais de 50% de 6,3 para 2,7 por 100 mulheres aos 70 anos, se as mulheres tivessem o número de filhos e amamentassem pelo período prevalente entre as mulheres dos países em desenvolvimento. Amamentação é responsável por quase dois terços desta redução estimada na incidência do câncer de mama. Em conclusão, quanto mais tempo a mulher amamenta, mais está protegida contra o câncer de mama. A recusa em amamentar ou a amamentação por curto período, típica dos países desenvolvidos, contribuem para a maior incidência de câncer de mama nessas nações.

Referência (s)

Groer MW, Davis MW, Hemphill J. Postpartum stress: current concepts and the possible protective role of breastfeeding. J Obstet Gynecol Neonatal Nurs. 2002;31(4):411-7.

Leia também