Como hidratar na infância, velhice e na desnutrição grave

Postado em 25 de maio de 2009 | Autor: Melina Gouveia Castro

melinacastro@globo.com

Objetivos

A água é a substância mais abundante na Terra e em nosso organismo. Formada por oxigênio e hidrogênio, água é também essencial para vida, afinal todos os processos metabólicos ocorrem em meio aquoso. A aula tem a finalidade de discutir as funções da água e capacitar quanto a melhor forma de realizar reposições nas crianças, idosos e desnutridos.

Funções da Água

• Transportadora

• Solvente

• Lubrificante e fluidificadora

• Regulação térmica

• Estrutural

Distribuição Corpórea da Água

Em um organismo, denomina-se de água corpórea total (ACT), o volume inteiro de água contido neste corpo. A ACT varia de acordo com a idade, sexo, quantidade de tecido muscular e adiposo, na saúde e na doença1. Em indivíduos saudáveis há pouca variação da quantidade de água corpórea durante a vida, exceto em situações como: crescimento, gravidez e lactação, e envelhecimento.

Balanço Hídrico

Consiste no equilíbrio entre a oferta e a perda de água. Em condições normais em indivíduos saudáveis o ganho é igual a perda o balanço é zerado e a condição hídrica está mantida.

Perdas de Água

Em indivíduos sedentários e moderadamente ativos, hígidos, as principais formas de perda de água são: urina, fezes, respiração e evaporação.

Ganhos de Água

Em indivíduos saudáveis que se alimentam exclusivamente por boca existem duas formas de ganho de água: consumo oral e água metabolica.

• Processos metabólicos: a água produzida pela oxidação de macronutrientes é proporcional a ingestão energética. Assim, quanto mais energia alimentar for consumida, maior será o volume de água produzido

• Ingestão: estima-se que cerca de 20 a 25% da água ingerida seja proveniente de alimentos e 75 a 80% de bebidas.

Desbalanço Hídrico

Toxicidade hídrica e desidratação são definidas com base na quantidade de sal e água perdidos ou ganhos. A desidratação é classificada dependendo da quantidade de sal perdido em relação à água perdida, podendo ser de 3 tipos: isotônica, hipertônica e hipotônica.

Princípios da Terapia de Reposição de Fluidos

O objetivo da reposição de fluidos é trazer o paciente para um estado de osmolaridade e hemodinâmica corporais normais. Os principais pontos a serem observados neste tipo de terapia são: identificar os déficits já existentes e sana-los, fornecer as necessidades basais de água e eletrólitos e identificar as perdas vigentes e atentar para sua reposição.

A necessidade basal de água é estabelecida pela média da ingestão de indivíduos saudáveis em condições normais. Vale lembrar que condições ambientais, nível de atividade física e variações metabólicas influenciam na necessidade hídrica.

• Lactentes (0 a 12 meses): a recomendação de ingestão hídrica é de 150 ml/kg/dia, quantidade bem maior que a recomendada para adultos.

• Crianças: após o primeiro ano de vida há uma rápida e significativa mudança na quantidade de água corpórea e no turnover de água. A quantidade total de água cai gradualmente.

• Adultos: a recomendação para ingestão hídrica em adultos é baseada na ingestão média de água proveniente de bebidas e alimentos em indivíduos sedentários em climas temperados.

As perdas pela sudorese variam com a intensidade e duração da atividade, idade, sexo, condicionamento, temperatura e umidade ambiental, aclimatação e vestimentas. Podem ser observadas taxas de sudorese de até 15 litros por dia Idosos: após os 18 anos a recomendação de ingestão hídrica mantém-se constante com o aumento da idade, variando apenas quanto ao sexo. Apesar disto é importante ter em mente que o idoso apresenta prejuízo do mecanismo de sede, maior freqüência de doenças que levam a alteração da cognição e uma taxa bem maior de desidratação. A desidratação é o distúrbio mais comum de idosos institucionalizados e pode ser atribuída à redução do estado funcional, mobilidade, restrição hídrica voluntária para minimizar incontinência, déficit da habilidade de concentração renal, efeito de drogas, entre outros. A desidratação nesta faixa etária está associada ao aumento do risco de quedas, infecções do trato urinário, alterações pulmonares, nefrolitíase, constipação, sendo ainda um preditor independente de mortalidade. Assim, deve ser prevenida, prontamente reconhecida e tratada.

Considerações finais:

A água é o principal constituinte do corpo e fundamental para grande parte das funções vitais. Como o organismo não é capaz de produzir quantidade adequada e necessária de água, sua suplementação pela dieta deve ser feita de maneira adequada.

Desidratação ocorre quando água não é reposta na mesma proporção que perdida. É importante diagnosticar o tipo específico de desidratação para garantir seu tratamento adequado. Especial atenção deve ser devotada a crianças e idosos por apresentarem maior frequência de desidratação.

O conhecimento da importância da água, das implicações de seu déficit e manejo da sua reposição faz-se fundamental para todo profissional da saúde.

Referências Bibliográficas

1. Kenney WL, Chiu P. Influence of age on thirst and fluid intake. Med Sci Sports Exerc 2001:33:1524-1532.

2. Schoeller DA. Hidrometry. In: Roche AF, Heymsfield SB, Lohman TG, eds. Human Body Composition. Campaign: Human Kinetics,199625-43.

3. Food and Nutrition Board of the Institute of Medicine. Dietary Reference Intakes for Water, Potassium, Sodium, Chloride, and Sulfate. Washington, DC: National Academies Press, 2004.

Leia também