fbpx

ESTUDO DOS EFEITOS CARDIOVASCULARES E BIOQUÍMICOS DO TRATAMENTO CRÔNICO COM SOJA EM ANIMAIS OBESOS

Postado em 25 de março de 2009 | Autor: Cunha ARH, et al.

Autores: Cunha ARH; Cunha MRH; Júnior EW; Vassallo DV; Pretti F; Morais AAC; Mauad H

Instituição: UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO

Objetivos

Comparar os efeitos do tratamento crônico com dietas à base de proteína animal e da soja em animais induzidos à obesidade hipotalâmica através do Glutamato Monossódico sobre diferentes parâmetros bioquímicos e cardiovasculares.

Materiais e métodos

Obesidade experimental: os ratos Wistar neonatos foram submetidos a injeções de Glutamato Monossódico (MSG, 4mg/mL/g/dia, SC) no dorso do animal por um período de dez dias, a partir do 2º dia de vida. O grupo controle (SAL) foi submetido ao mesmo procedimento com injeções de salina hipertônica (1,25%). Os animais receberam as dietas contendo soja e proteína animal durante nove semanas, e os mesmos foram divididos nos seguintes grupos, de acordo com a ração recebida: SAL/animal e MSG/animal, SAL/soja e SAL/animal. Foram observados efeitos sobre os parâmetros bioquímicos e cardiovasculares dos animais. Na análise estatística utilizou-se Média±E.P.M., ANOVA, Pos hoc de Tukey/Teste t-Student, (p<0,05 e p<0,01).

Resultado

Houve aumento normal de peso corporal entre os grupos MSG e SAL durante as nove semanas de tratamento e este não foi diferente entre os grupos. Os valores de glicemia do grupo obeso foram significativamente aumentados (MSG/soja: 111±6,64 vs MSG/animal: 91,4±8,33 mg/dL) quando comparados com o grupo SAL (SAL/animal: 68±6 vs MSG/soja: 70±4,5 mg/dL). A soja modificou o colestrol do grupo SAL onde se verificou diminuição significativa em relação ao SAL/animal (SAL/soja: 81,2±3,5 vs SAL/animal: 93,5±2,1 mg/dL), ao mesmo tempo houve aumento significativo deste parâmetro no grupo MSG/animal se comparado aos grupos SAL/animal e SAL/soja (MSG/animal: S115,1±6,1 mg/dL). O tratamento com soja normalizou os níveis de colesterol se comparado ao grupo MSG/animal (MSG/soja: 94,3±10,5 mg/dL). Houve redução significativa do HDL do grupo SAL/soja quando comparado ao Sal/animal (SAL/soja: 29,7±1,1 vs SAL/animal: 36,5±1,1 mg/dL). Não houve diferença significativa nos valores de LDL entre os grupos. Nos valores séricos de VLDL não houve diferença significativa entre os grupos SAL (SAL/soja: 16,5±0,6 vs SAL/animal: 14,5±0,8 mg/dL), entretanto o grupo MSG/animal apresentou valores significativamente maiores se comparado ao SAL/animal e SAL/soja (35,4 ±6,8 mg/dL). O tratamento com soja no grupo MSG não promoveu redução significativa nos níveis de VLDL se comparado ao grupo MSG/animal (28,1±6,5 mg/dL). Com relação aos triglicerídeos plasmáticos, o modelo MSG apresentou níveis superiores (MSG/animal: 178,0±33,9 vs MSG/soja: 138,5±13,5 mg/dL) ao grupo SAL (SAL/animal: 74,3±13,9 vs SAL/soja: 79,5±2,5 mg/dL). Em relação ao grupo MSG/animal o grupo MSG/soja não apresentou alteração. A Proteína C reativa mostrou-se sem reatividade em todas as amostras analisadas. Não houveram alterações nos níveis basais de Pressão Arterial Média e Freqüência Cardíaca, bem como nas respostas cardiovasculares do barorreflexo entre os grupos estudados MSG e SAL.

Conclusão

Nossos resultados mostram que a proteína de soja teve influência benéfica sobre o perfil lipídico dos animais estudados contribuindo para a diminuição do colesterol.

Unitermos

Soja, obesidade experimental, perfil lipídico

Leia também