fbpx

NUTRIÇÃO PARENTERAL DOMICILIAR X QUALIDADE DE VIDA Como a nutrição parenteral domiciliar pode afetar a qualidade de vida?

Postado em 10 de fevereiro de 2002

Long-term follow-up of home parenteral nutrition at a general hospital: complications and quality of life. Cuerda C, Camblor M, Breton I, Garcia-Peris P. Nutr Hosp 2002; 17(1); 15-21.

OBJETIVO: avaliar as complicações sépticas, trombóticas e hepáticas e a qualidade de vida de pacientes submetidos à nutrição parenteral domiciliar (NPD). MÉTODO: foram estudados 20 pacientes (idade média de 48 +/- 14 anos) tratados com NPD durante cinco anos. Estes pacientes apresentaram 16.292 dias totais de permanência de cateter. As principais causas de falência intestinal foram isquemia mesentérica e enteritie. A qualidade de vida foi avaliada pelo perfil de impacto da doença e índice de Karnofsky. RESULTADOS: foi observado taxa de infecção relacionada ao cateter de 0,42 por 100 dias de permanência de cateter, sendo que a Staphylococci coagulase negativa foi responsável por 63% dos casos. A remoção do cateter foi necessária em 30% dos casos, incluindo todos os casos causados por Candida. A taxa de oclusão foi 0,05 por 100 dias de permanência de cateter. Cinco pacientes apresentaram aumento da transaminase e fosfatase alcalina e um paciente do sexo feminino desenvolveu colestase. Dois pacientes faleceram devidos a fatores relacionados a NPD. O perfil de impacto da doença e o índice de Karnofsky mostraram que a qualidade vida dos pacientes submetidos a NPD foi moderadamente afetada. CONCLUSÕES: NPD permite maior sobrevida em pacientes com falência intestinal. A complicação mais freqüente foi a infecção relacionada ao cateter. A qualidade de vida foi moderadamente afetada pela NPD.

Quality of life in patients receiving home parenteral nutrition. Jeppesen PB, Langholz E, Mortensen PB. Gut 1999; 44(6): 844-52.

OBJETIVO: avaliar a qualidade de vida de pacientes submetidos a nutrição parenteral domiciliar (NPD). MÉTODO: qualidade de vida de 49 pacientes submetidos a NPD foi avaliada por meio de perfil de impacto de doença não específica e questionário doença específica para doença inflamatória intestinal. Os resultados foram comparados com 36 pacientes não submetidos a NPD, mas que apresentavam a mesma característica anatômica e funcional de intestino curto (< 200 cm). RESULTADOS: pacientes submetidos a NPD apresentaram pior índice pelo perfil de impacto de doença (p < 0,001) quando comparados com aqueles não submetidos a NPD. A mesma piora da qualidade de vida também foi observada pelo questionário de doença inflamatória intestinal (p < 0,05). No entanto, as variáveis apenas tenderam a ser piores na presença de sintomas intestinais (p = 0,08). A NPD também reduziu a qualidade de vida nos pacientes que apresentaram ostomia, apesar de que a presença de ostomia não reduziu a qualidade de vida entre os pacientes não submetidos a NPD. Os pacientes do sexo feminino submetidos a NPD e aqueles com idade maior que 45 anos apresentaram pior índice. CONCLUSÕES: qualidade de vida manifesta-se reduzida em pacientes submetidos a NPD quando comparados com aqueles não submetidos a NPD com as mesmas características anatômicas e funcionais de intestino curto.

COMENTÁRIOS

Nutrição parenteral (NP) em longo prazo tem sido indicado para pacientes portadores de insuficiência intestinal por perda anatômica ou funcional de grande parte do intestino delgado. Nesta edição de Newsletter Nutritotal, apresentam-se resultados de dois trabalhos que averiguaram o impacto de NP domiciliar em síndrome de intestino curto sobre a qualidade de vida dos doentes.

Ambos concluem que a qualidade de vida é afetada negativamente pelo uso de NP. As razões que poderiam explicar esta manifestação dos doentes incluem complicação infecciosas e trombóticas do cateter, restrição à vida privada em termos de atividades físicas e liberdade de deslocamento. Existe também percepção de dependência vital de NP.

Estes achados servem como estímulo para a busca de alternativas clínicas à NP em longo prazo. A exploração mais intensa do trato gastrintestinal com terapia nutricional enteral noturna cíclica pode ser alternativa útil em casos selecionados. De outro lado, novos esquemas de drogas imunossupressoras vem contribuindo para trazer mais perto da realidade hospitalar, o transplante de intestino delgado.

Por: Dr. Dan L. Waitzberg
Professor Associado do Departamento de Gastroenterologia da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo – FMUSP e Diretor do Grupo de Nutrição Humana – GANEP

Leia também