fbpx


NUTRIÇÃO PARENTERAL X ANEMIA FERROPRIVA A suplementação de ferro traz benefícios para pacientes submetidos a longos períodos de nutrição parenteral?

Postado em 15 de dezembro de 2002

Tolerance and efficacy of intravenous iron saccharate for iron deficiency anemia in children and adolescents receiving long-term parenteral nutrition. Michaud L, Guimber D, Mention K, Neuville S, Froger H, Gottrand F, Turck D. Clin Nutr 2002; 21(5): 403.

OBJETIVO: avaliar a segurança e a eficácia da administração intravenosa de ferro sacarato em crianças com anemia ferropriva, sob nutrição parenteral de longo prazo, incapazes de tolerar a suplementação oral de ferro, não-responsivas à suplementação oral de ferro por apresentarem disfunção gastrintestinal ou má absorção de ferro. MÉTODOS: participaram deste estudo 22 crianças e adolescentes com idades entre 5 meses e 17 anos (média: 38 meses), recebendo nutrição parenteral de longo prazo e apresentando anemia por deficiência de ferro. A administração de ferro total foi determinada pela fórmula: ferro total (mg) = 0.6 x P (100 – Hb x 100/12) (P: peso, Hb: hemoglobina sérica). O ferro sacarato intravenoso foi administrado em hospital. Cada paciente recebeu uma dose teste de 25 mg de ferro sacarato antes de iniciar a infusão. Os valores para hemoglobina, contagem de reticulócitos, ferro sérico e ferritina sérica foram determinados antes da administração de ferro (Dia 1), 15 e 45 dias após. RESULTADOS: tolerância do ferro sacarato intravenoso foi satisfatória exceto em um paciente que desenvolveu exantema passageiro e hipotensão após completar a última infusão de ferro sacarato. O ferro intravenoso conferiu um aumento significativo na concentração de hemoglobina de 2,2 g/dl em 45 dias (variação: 0,4-4,3 g/dl). CONCLUSÃO: suplementação intravenosa com ferro sacarato mostrou ser um procedimento eficaz, suprindo os estoques orgânicos de ferro e aumentando significativamente a concentração de hemoglobina. A possível ocorrência de reações alérgicas enfatiza a necessidade de uma supervisão médica cuidadosa.

Iron deficiency anemia in patients receiving home total parenteral nutrition. Khaodhiar L, Keane-Ellison M, Tawa NE, Thibault A, Burke PA, Bistrian BR. JPEN J Parenter Enteral Nutr 2002; 26(2): 114-9.

HISTÓRICO: determinados pacientes recebendo nutrição parenteral total domiciliar (HPN home total parenteral nutrition) desenvolveram anemia provavelmente associada à deficiência de ferro em razão de absorção inadequada ou perda crônica de ferro por lesões gastrintestinais. O objetivo deste estudo foi avaliar a incidência e a prevalência da anemia por deficiência de ferro em pacientes sob HPN a longo prazo (mais que seis meses) e pesquisar tanto a eficácia quanto os índices de reações adversas da terapia parenteral de dextran de ferro. MÉTODOS: avaliaram-se os dados de 55 pacientes tratados com HPN durante um período maior que seis meses, entre 1o de Janeiro de 1994 e 31 de Dezembro de 1999. RESULTADOS: trinta pacientes (55%) apresentaram evidência de anemia associada ao ferro: 10 diagnosticadas no início da HPN e 20 em pacientes que desenvolveram deficiência de ferro depois de receber HPN. O intervalo entre a iniciação da HPN e o desenvolvimento da anemia variou de 2 a 97 meses (média 28,8+/-26,2 meses). A perda moderada de ferro pelo trato gastrintestinal pareceu ser a razão predominante da deficiência de ferro. O tratamento regular com pequenas quantidades de ferro em HPN mostrou-se seguro e eficaz, com nenhum caso de efeito colateral reportado. A dose total de infusão de ferro esteve associada a reações adversas em aproximadamente 25% desses pacientes, embora todas as reações observadas tenham sido leves e autolimitadas. CONCLUSÕES: anemia por deficiência de ferro é comum em pacientes que recebem HPN crônica. A administração de doses pequenas e regulares de ferro na dieta HPN, preferível à dose de infusão total, é o tratamento de escolha.

Effect of iron-supplemented total parenteral nutrition in patients with iron deficiency anemia. Burns DL, Mascioli EA, Bistrian BR. Nutrition 1996; 12(6): 411-5.

A anemia por deficiência de ferro é comum entre pacientes hospitalizados e as perdas de sangue por flebotomia aumentam a probabilidade de um balanço negativo de ferro. O papel da suplementação de ferro da nutrição parenteral total (NPT) nestes pacientes é obscuro. Foram identificados vinte e três pacientes com anemia ferropriva. Doze pacientes foram sorteados para receber NPT sem ferro (Grupo 1) e 11 receberam TPN suplementado com 10 mg de dextran de ferro diariamente (Grupo 2). Ambos os grupos foram pareados para idade, resultados de exames de medida do ferro sérico, índices de hemácias e hemograma. Depois de um período de sete dias, a média de ferro sérico no Grupo 2 aumentou de 10 para 26 microgramas/dl, com uma saturação aumentada de transferrina de 7,3 para 15,3% (p < 0,05). Nenhuma alteração na capacidade de ligação do ferro total, na ferritina, na contagem de reticulócitos, na hemoglobina, no hematócrito ou no volume corpuscular médio foi observada nos dois grupos. A incidência de complicações infecciosas não foi diferente entre os grupos. Concluímos que a suplementação de ferro da NPT parece segura e eficaz no aumento dos índices séricos de ferro. A suplementação de ferro a curto prazo em NPT precisa ser melhor estudada para confirmar a não-alteração nos índices de hemácias, hemoglobina, hematócrito ou a necessidade de transfusão.

COMENTÁRIOS

A suplementação de ferro na nutrição parenteral total (NPT) é um assunto complexo. A suplementação pode ser contra-indicada, a menos que a deficiência, intolerância e/ou incapacidade de absorção de ferro oral esteja bem estabelecida.

Geralmente, bebês normais nascem com reservas de ferro suficientes para três a seis meses de crescimento e expansão de hemáceas, mas bebês prematuros se beneficiam da suplementação. O estudo de Michaud e col. mostrou que a suplementação intravenosa de ferro pode ser um procedimento eficaz, suprindo os estoques orgânicos de ferro e aumentando a concentração de hemoglobina em crianças e adolescentes.

Já a monitoração do ferro durante a nutrição parenteral domiciliar (NPD) é extremamente importante, pois a anemia por deficiência de ferro é comum em pacientes que recebem NPD crônica. Nesses casos, Khaodhiar e col. demostraram que a administração de doses pequenas e regulares de ferro na NPD é preferível à dose de infusão total.

Por fim, Burns e col. chamam a atenção para a necessidade de mais estudos sobre a suplementação de ferro em NPT a curto prazo para confirmar a não-alteração dos índices de hemácias, hemoglobina, hematócrito ou a necessidade de transfusão. Embora, a longo prazo, a suplementação parece ser necessária e eficaz para reverter quadros de anemia ferropriva.

Por: Denise Marco
Especialista em terapia nutricional parenteral e enteral pela Sociedade Brasileira de Nutrição Parenteral e Enteral – SBNPE e nutricionista do Grupo de Nutrição Humana – GANEP

Assine nossa newsletter: