fbpx

O femproporex é eficaz no tratamento da obesidade?

Postado em 22 de dezembro de 2006 | Autor: Camila Garcia Marques

O medicamento femproporex (no inglês, fenproporex) é um inibidor do apetite derivado da anfetamina, que atua no sistema nervoso central, sendo utilizado como terapêutica para o tratamento da obesidade. Alguns trabalhos experimentais relatam diminuição ou nenhuma alteração de peso. Em humanos, foi encontrada redução de 7% do peso inicial em voluntárias obesas. Porém, em outro trabalho científico, poucos participantes tiveram diminuição do apetite e conseqüente redução do peso corporal em um curto período de tempo.

Porém, foram encontrados riscos à saúde nos medicamentos anorexígenos, dentre eles o femproporex, de acordo com o relatório da Junta Internacional de Fiscalização de Entorpecentes (JIFE). Segundo esse órgão, houve um aumento de 500% no consumo desses tipos de medicamentos no Brasil desde 1998. O uso irracional deste fármaco e de outros do mesmo grupo ocorre não somente por seu poder de inibir o apetite, mas também como agente de dopagem no esporte e no trabalho, como é o caso de caminhoneiros, devido à sua propriedade de estimulante da vigília. Os efeitos nocivos do femproporex à saúde incluem: excitação neurológica, com possíveis alucinações e delírios, surto psicótico com comportamento violento, idéias suicidas ou homicidas. Além disso, o organismo pode experimentar fadiga e depressão, complicações cardiovasculares, como arritmia cardíaca, colapso cardiovascular, dentre outros.

Para controlar o consumo exagerado, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) informa que todos os medicamentos anorexígenos estão sujeitos a rigorosos controles sanitários com a obrigatoriedade de uma faixa horizontal de cor preta nos rótulos das embalagens e das advertências: “Venda sob Prescrição Médica” e “O Abuso deste Medicamento pode causar Dependência”. A Anvisa proíbe a prescrição simultânea de drogas do tipo anfetamina junto com outros fármacos de uso controlado, como benzodiazepínicos, diuréticos, hormônios ou extratos hormonais e laxantes. O Narcotical Control Board, órgão das Nações Unidas, recomenda quatro meses como prazo máximo de uso do femproporex.

Portanto, é importante saber — e informar ao paciente — que: 1) o tratamento farmacológico da obesidade só se justifica quando associado com orientação dietética e mudanças de estilo de vida, pois essas medicações ajudam a aumentar a aderência dos pacientes a mudanças nutricionais e comportamentais; 2) o tratamento farmacológico da obesidade não cura a obesidade ­quando descontinuado, podendo ocorrer recuperação do peso perdido; 3) medicações anti-obesidade devem ser utilizadas sob supervisão médica contínua; 4) o tratamento e a escolha medicamentosa é moldada para cada paciente. Os riscos associados ao uso de uma droga devem ser avaliados em relação aos riscos da persistência da obesidade; 5) o tratamento deve ser mantido apenas quando considerado seguro e efetivo para o paciente em questão.

A Organização Mundial da Saúde orienta que a utilização de medicamentos para combater a obesidade é indicada para pacientes que tenham índice de massa corporal (IMC) acima de 30 kg/m2 ou, quando o IMC seja 25 kg/m2 associado com comorbidades que permeiam o excesso de peso.

Bibliografia

Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Portaria n.º 344, de 12 de maio de 1998. Disponível em: http://www.anvisa.gov.br/legis/portarias/344_98.htm. Acessado em 18-12-06.

Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC nº 18, de 28 de janeiro de 2003. Publica a atualização do Anexo I, Listas de Substâncias Entorpecentes, Psicotrópicas, Precursoras e Outras sob Controle Especial, da Portaria SVS/MS n.º 344, de 12 de maio de 1998, republicada no Diário Oficial da União de 1º de fevereiro de 1999. Disponível em: http://e-legis.anvisa.gov.br/leisref/public/showAct.php?id=1363&word. Acessado em 18-12-06.

Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC nº 254, de 17 de setembro de 2003. Publica atualização do Anexo I, Listas de Substâncias Entorpecentes, Psicotrópicas, Precursoras e Outras sob Controle Especial, da Portaria SVS/MS nº 344, de 12 de maio de 1998, republicada no Diário Oficial da União de 1º de fevereiro de 1999. Disponível em: http://e-legis.bvs.br/leisref/public/showAct.php?id=8129. Acessado em 18-12-06.

Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Anvisa alerta sobre riscos no uso de anorexígenos. Disponível em:

http://www.anvisa.gov.br/divulga/noticias/2005/030305.htm. Acessado em 18-12-06.

Mariz SR. Aspectos toxicológicos do femproporex. Revista Brasileira de Toxicologia. 2004;17(1):39-47.

Mancini MC, Halpern A. Tratamento farmacológico da obesidade. Arq Bras Endocrinol Metab. 2006;50(2):377-389. Disponível em:

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0004-27302006000200024&lng=pt&nrm=&tlng=en. Acessado em 18-12-06.

Mancini MC. Obesidade: Tratamento. Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia. 2006. p.1-8. Disponível em: http://www.projetodiretrizes.org.br/4_volume/23-ObesidadeTratamento.pdf. Acessado em 18-12-06.

Noto AR, Carlini EA, Mastroianni PC, Alves VC, Galduróz JCF, Kuroiwa W, et al. Análise da prescrição e dispensação de medicamentos psicotrópicos em dois municípios do Estado de São Paulo. Rev. Bras. Psiquiatr. 2002;24(2):68-73. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S1516-44462002000200006&lng=pt&nrm=iso. Acessado em 18-12-06.

Tratamento da Abuso e Dependência – Anfetamina. http://www.projetodiretrizes.org.br/projeto_diretrizes/003.pdf. Acessado em 18-12-06.

Zaragoza RM, López MLP, Villanueva SL, Ortíz RA, Villanueva GL. Eficacia y seguridad de dos formulaciones de fenproporex de liberación lenta como tratamiento de obesidad. Revista Mexicana de Cardiologia. 2005;16(4): 146-54. Disponível em: http://www.medix.com.mx/mini_sitios/fenprorex/Art-Fenproporex.pdf. Acessado em 18-12-06.

Parecer Técnico-Científico do Grupo Assessor de Estudos sobre Medicamentos Anorexígenos.

http://www.abeso.org.br/informes/informe2.htm. Acessado em 18-12-06.

Universidade Federal de Minas Gerais. Boletim Informativo. Consumo de inibidores de apetite em BH é 40 vezes maior que na Europa. Disponível em:

http://www.ufmg.br/boletim/bol1480/terceira.shtml. Acessado em 18-12-06.

Efeitos colaterais dos inibidores de apetite. Disponível em:

http://www.comvisa.bvs.br/tiki-read_article.php?articleId=151#comments. Acessado em 18-12-06.

Obesidade e Síndrome Metabólica. Consumo de Anfetaminas:

A Polêmica Está de Volta.

http://www.abeso.org.br/revista/revista25/anfetaminas.htm. Acessado em 18-12-06.

Leia também