Quais são os nutrientes importantes para o processo de cicatrização?

Postado em 1 de junho de 2020 | Autor: Natália Lopes

Veja os principais nutrientes que se destacam no processo de cicatrização

O processo de cicatrização é uma resposta a um dano tecidual, com o objetivo de restaurar a sua continuidade anatômica, estrutural e funcional. Devemos considerar que a cicatrização pode ocorrer por primeira intenção, quando as extremidades da ferida estão próximas, existe perda mínima de tecido e não há infecção; por segunda intenção, quando há perdas significativas de tecido e infecção; ou por terceira intenção, quando há necessidade de fechamento secundário da ferida, com utilização de sutura.

Além disso, é importante entender que este é um processo complexo, com participação de eventos celulares e bioquímicos, e embora ocorram simultaneamente, didaticamente esse processo pode ser dividido em três fases: inflamatória, proliferativa e de remodelamento. Resumidamente, a fase inflamatória ocorre logo após a ocorrência da lesão e é caracterizada por homeostasia, formação de coágulo de fibrina e migração de células imunológicas; a fase proliferativa envolve secreção de fatores de crescimento, proliferação de células, como fibroblastos, endotélio e queratinócitos, e maior presença e participação de colágeno; já a fase de remodelamento é a mais longa do processo de cicatrização e envolve depósito de colágeno na ferida, redução da inflamação e restauração da circulação sanguínea.

Esses processos são influenciados por vários fatores, como idade do indivíduo, presença de diabetes ou obesidade, tabagismo, medicamentos em uso, local da ferida, tipo de lesão, duração dos processos inflamatórios e proliferativos e estado nutricional. A desnutrição afeta significativamente o processo de cicatrização, pois a energia utilizada para construção de novas células origina-se das reservas corporais. O aporte energético deve atender as necessidades do paciente, no entanto, deve-se evitar excesso de carboidrato, visto que ocorrência de hiperglicemia pode prejudicar o processo de cicatrização. Embora popularmente conhecido, o uso de açúcar ou mel em feridas é ainda contraditório na literatura. A deficiência de proteína prolonga a fase de inflamação, diminui a proliferação, compromete a produção de colágeno e, consequentemente, está relacionada a menor regeneração de tecido. Além disso, a deficiência de proteína combinada com a deficiência de vitaminas e minerais compromete também a resposta imunológica.

Entre os nutrientes mais importantes para o processo de cicatrização destacam-se:

– Ácidos graxos essenciais, ômega 3 e ômega 6, por serem constituintes das membranas celulares e serem utilizados como fonte de energia;

– Proteínas, como mencionado, por participarem do processo de reparação tecidual e síntese de células imunológica;

– Arginina, aminoácido condicionalmente essencial, está envolvida na síntese de substâncias que promovem crescimento celular, além de participar também da resposta imunológica;

– Glutamina, outro aminoácido condicionalmente essencial, envolvido no aumento da síntese e redução da degradação proteica, parece ter ação também sobre a síntese e deposição de colágeno;

– Vitamina A, associada a melhor resposta imunológica, sobretudo na fase de inflamação. Participa também da síntese de fibroblastos e de colágeno;

– Vitamina C, além da função antioxidante e de melhorar a função imunológica, é cofator para síntese de colágeno e de outros componentes necessários para formação de novos tecidos;

– Vitamina E é antioxidante e importante agente estabilizador da membrana, também participa dos processos de reparo e regeneração tecidual;

– Cobre é utilizado na formação de eritrócitos, polimerização do colágeno e fortalecimento da cicatriz

– Zinco é cofator para mais de 300 reações enzimáticas, estando envolvido na síntese de DNA e RNA, elasticidade tecidual, atividade do sistema imunológico e fortalecimento das células de cicatrização,

– Selênio é antioxidante e participa da formação de fibroblastos e de vasos sanguíneos no tecido.

Assim, podemos concluir que a porte nutricional adequado, bem como a suplementação de nutrientes específicos quando necessário, é de extrema importância para o sucesso do processo de cicatrização.

Confira vídeos publicados recentemente pelo Nutritotal Pro sobre o tema cicatrização, clicando aqui.

Referência:

GUO, S.; DIPIETRO, L.a.. Factors Affecting Wound Healing. Journal Of Dental Research, [s.l.], v. 89, n. 3, p. 219-229, 5 fev. 2010. SAGE Publications.

ORYAN, Ahmad; ALEMZADEH, Esmat; MOSHIRI, Ali. Role of sugar-based compounds on cutaneous wound healing: what is the evidence?. : what is the evidence?. Journal Of Wound Care, [s.l.], v. 28, n. 3, p. 13-24, 2 mar. 2019. Mark Allen Group.

Waitzberg, Dan L. Nutrição Oral, enteral e parenteral na prática clínica. 5ed. Rio de Janeiro? Atheneu, 2017.

ZENG, Ruijie; LIN, Chuangqiang; LIN, Zehuo; CHEN, Hong; LU, Weiye; LIN, Changmin; LI, Haihong. Approaches to cutaneous wound healing: basics and future directions. : basics and future directions. Cell And Tissue Research, [s.l.], v. 374, n. 2, p. 217-232, 10 abr. 2018. Springer Science and Business Media LLC. http://dx.doi.org/10.1007/s00441-018-2830-1.

Leia também