fbpx


Jejum intermitente ou restrição de calorias: o que é melhor para perder peso?

Postado em 24 de abril de 2019 | Autor: Cristiane Verotti

Nos últimos anos, o jejum intermitente e suas variedades tornaram-se cada vez mais populares. Essa dieta não serve apenas para reduzir o peso corporal, mas também pode ser usada como um método eficaz de tratamento não farmacológico. No jejum intermitente, deve-se restringir a ingestão de energia em graus variados durante um período de tempo predefinido, e comer à vontade – ou ao menos mais do que durante o período de restrição de energia – em todos os outros momentos.

Nele, a ingestão energética é severamente restringida por curtos períodos. Durante os de maior consumo de energia, pode haver ou não restrições aos tipos e quantidades de alimentos e bebidas consumidos. Já durante o período de jejum intermitente, só é permitido consumir água e bebidas não calóricas, como chás e café sem açúcar. Embora o jejum, de diversas formas, tenha sido utilizado por razões de saúde e religiosas há milhares de anos, ele foi popularizado mais recentemente em um contexto de gerenciamento de peso através de várias maneiras.

O efeito positivo do jejum intermitente foi documentado em pessoas obesas e diabéticas. A quantidade reduzida de alimentos consumidos ao praticar essa dieta resulta na diminuição do peso corporal. Também melhora o metabolismo da glicose e aumenta a sensibilidade dos tecidos à insulina, aumentando as células B das ilhotas pancreáticas, trazendo benefícios importantes para pessoas com diabetes. A dieta também limita a hipertrofia cardíaca, o aumento do músculo do coração. Mas a questão é: esses benefícios acontecem apenas devido à perda de peso ou são mecanismos que levam à perda de peso?

Quando comparados o jejum com uma dieta convencional de restrição calórica, os resultados são muitos parecidos. Uma outra questão que tem sido amplamente abordada é se o jejum intermitente fornece ou não benefícios fisiológicos sobre a restrição de calorias para o controle de peso. Por exemplo, existe uma “vantagem metabólica” associada ao jejum intermitente?

Tanto um quanto outro plano alimentar podem melhorar a composição corporal (diminuir a massa gorda e, ao mesmo tempo, preservar a massa magra), reduzir fatores de risco cardiovasculares (por exemplo, abaixar a pressão arterial, melhorar o perfil lipídico e reduzir o estresse oxidativo) e afetar positivamente o controle glicêmico (por exemplo, diminuindo os níveis elevados de glicose e HbA1c, aumentando a sensibilidade à insulina e melhorando a função das células β). No entanto, os horários de alimentação com restrição de tempo são mais benéficos quando as refeições estão alinhadas com os ritmos circadianos.

Uma revisão sistemática de ensaios clínicos humanos originais envolvendo jejum intermitente e uma dieta com restrição de calorias mostrou que, além de um possível decréscimo no consumo alimentar, provavelmente associado à cetose (processo que acontece quando o corpo usa a gordura como combustível) ou outros fatores similares à restrição energética, não há evidências de que o jejum intermitente, conforme aplicado nos estudos clínicos, reduza as respostas de adaptação à restrição energética dessa maneira.

A recuperação de peso após intervenções alimentares também é uma ocorrência comum. As comparações de vários tipos de dietas com baixas calorias não mostram diferenças notáveis no que diz respeito ao efeito da taxa de perda de peso na manutenção do peso pós-intervenção ou recuperação. Por outro lado, algumas evidências sugerem que a restrição de energia em intervalos pode envolver menores reduções no gasto energético de repouso, possivelmente traduzindo-se em melhor manutenção do peso a longo prazo.

Escolher a dieta ideal de baixa caloria para pessoas com sobrepeso ou obesidade é necessário, exceto pelo tipo de dieta que reduz o peso e pode ser mantida a longo prazo. Assim, o horário da dieta deve ser feito de acordo com as preferências do indivíduo. Em conclusão, o peso corporal, a composição corporal e o perfil lipídico não são afetados pelo número de refeições quando dietas para perda de peso são preparadas com restrições de energia adequadas e nutrição suficiente e balanceada. O jejum intermitente representa, portanto, uma opção válida – embora aparentemente não superior à restrição contínua de calorias para perda de peso. E, novamente, a supervisão de um profissional é fundamental durante qualquer dieta de restrição alimentar.

 

Referências bibliográficas:

Zubrzycki A, Cierpka-Kmiec K, Kmiec Z, Wronska A. The role of low-calorie diets and intermittent fasting in the treatment of obesity and type-2 diabetes. J Physiol Pharmacol. 2018 Oct;69(5). doi: 10.26402/jpp.2018.5.02. Epub 2019 Jan 21.Review.

Yildiran H, Mercanligil SM. Does increasing meal frequency improve weight loss and some biochemical parameters in overweight/obese females? Nutr Hosp. 2019 Mar 7;36(1):66-72. doi: 10.20960/nh.2191.

Seimon RV, Roekenes JA, Zibellini J, Zhu B, Gibson AA, Hills AP, Wood RE, Kin NA, Byrne NM, Sainsbury A. Do intermittent diets provide physiological benefits over continuous diets for weight loss? A systematic review of clinical trials. Mol Cell Endocrinol. 2015 Dec 15;418 Pt 2:153-72.

Malinowski B, Zalewska K, Węsierska A, Sokołowska MM, Socha M, Liczner G,Pawlak-Osińska K, Wiciński M. Intermittent Fasting in Cardiovascular Disorders-An Overview. Nutrients. 2019 Mar 20;11(3).

-

Assine nossa newsletter: