Caldo de osso pode ajudar a proteger o coração

Postado em 30 de março de 2019 | Autor: Redação Nutritotal

Pesquisadores nos EUA descobriram que o colágeno presente nas carnes desse tipo de sopa pode afastar o risco de doenças cardíacas

Caldo de osso sendo servido

Qualquer tipo de carne serve para o prato | Imagem: Shutterstock

Beber caldo de osso – prato que pode ser feito com um osso bovino, de frango ou de porco – pode até soar estranho à primeira vista, mas essa novidade na cozinha pode ser bem mais do que uma simples moda. Um estudo publicado pelo Journal of Agricultural and Food Chemistry, nos EUA, descobriu que tomar essa bebida salgada é capaz de ter um impacto positivo para a saúde do coração.

Isso acontece devido à fervura dos ossos de animais, que, na água, liberam colágeno e outras proteínas que os pesquisadores acreditam trazer benefícios para a saúde cardíaca, embora ainda sejam necessárias mais pesquisas para validar todas as vantagens encontradas.

O estudo em questão focou o cozimento de um osso de presunto suíno. Um processo de digestão foi simulado em laboratório e as proteínas dos ossos dos animais puderam ser quebradas em pedaços menores, os chamados peptídeos, que possuem propriedades diferentes da proteína intacta. Assim, por meio do consumo do caldo de osso, alguns peptídeos do colágeno atuaram como antioxidantes ou inibiram enzimas relacionadas às doenças cardíacas.

Moderação no caldo de osso

Para comprovar se os ossos de presunto curado poderiam ser uma fonte de peptídeos benéficos, os organizadores do estudo trituraram os ossos e simularam condições de cozimento e digestão humana. Em seguida, examinaram se as amostras de osso poderiam bloquear a atividade de enzimas envolvidas na doença cardiovascular. Os pesquisadores descobriram que os peptídeos ósseos, a maioria derivados de proteínas de colágeno, inibiam essas enzimas mesmo após o aquecimento. Assim como o caldo de osso suíno, pratos feitos com ossos bovinos e de aves também são benéficos para a saúde, sendo capazes até de servirem como alimentos anti-inflamatórios e reforçarem a imunidade do corpo.

É importante ressaltar, porém, que os próprios autores do estudo afirmam que são necessários estudos em humanos para verificar se esses efeitos encontrados em laboratórios para ser extrapolados para a população, avaliando se os peptídeos obtidos do caldo do osso seriam aproveitados pelos humanos (seriam biodisponíveis) e quais efeitos teriam no organismo.

E para preparar em casa um caldo de osso à base de uma carne ou mesmo uma sopa, basta cozinhar os ossos da proteína que preferir com alguns legumes e um meio ácido, podendo ser vinagre ou vinho, em uma panela de pressão.

Este conteúdo não substitui a orientação de um especialista. Agende uma consulta com o nutricionista de sua confiança.

Referência bibliográfica:

Gallego M. et al. Peptides with Potential Cardioprotective Effects Derived from Dry-Cured Ham Byproducts. J Agric Food Chem. 2019.

Leia também