fbpx


7 formas de substituir o açúcar nas receitas

Postado em 11 de abril de 2019 | Autor: Redação Nutritotal

Veja alguns ingredientes naturais que trazem mais sabor e nutrientes para a sua comida do que a versão refinada

Ele está em todos lugares, mesmo que você não perceba. Nas geleias e sucos pela manhã, no molho da salada e nas tortas do almoço, nos iogurtes e bolos do café da tarde e no refrigerante do jantar. Trata-se do açúcar, uma substância que cada dia mais precisa ser diminuída do cardápio. Mas você sabia que substituir o açúcar nos pratos é mais fácil do que se imagina?

O consumo excessivo desse ingrediente tem sido apontado como uma das principais causas de muitas doenças crônicas, como, a obesidade e o diabetes. No Brasil, o número de pacientes com a doença cresceu 61,8% em 10 anos, o que totaliza mais de 13 milhões de pessoas vivendo com diabetes, segundo dados do Ministério da Saúde.

Se você quer evitar o consumo exagerado no seu dia a dia, existem opções para todos os gostos, mais naturais e saudáveis. Confira a seguir uma lista com 7 dicas de ingredientes para substituir o açúcar e como utilizá-los.

Como substituir o açúcar: 7 dicas

Não é preciso abrir mão de alimentos naturais para adoçar receitas com sabor

Potes com açúcares

Ingredientes mais saudáveis adoçam tanto como o açúcar | Imagem: Shutterstock

Mel

É uma alternativa natural feita pelas abelhas para quem busca, aos poucos, ir diminuindo o açúcar na dieta. Conta com propriedades antibacterianas, anti-inflamatórias e antioxidantes, sendo capaz de adoçar leites, cafés, tortas, entre outros pratos. Porém, o mel é um tipo de frutose, e apesar de menos agressivo que o açúcar, também faz a glicose do sangue subir. Outro ponto de atenção é que o mel também deve ser evitado por pacientes diabéticos – A Sociedade Brasileira de Diabetes recomenda que, para esses pacientes, a frutose não deve ser adicionada aos alimentos. Além disso, seu consumo é associado à mais calorias – 1 colher de sopa tem 63 Kcal.

Stevia

Trata-se de um adoçante de origem natural, com sabor um pouco amargo, mas com poder adoçante até 300 vezes maior que o açúcar. Pode ser adicionado em receitas, como bolos, e bebidas, como sucos e café. Estudos destacam que a stevia mostra-se promissora como uma ferramenta para auxiliar na redução do consumo do açúcar refinado, o que pode levar à redução e prevenção da obesidade. Por outro lado, outras pesquisas apontam que o consumo excessivo pode causar disbiose intestinal.

Melaço

Assim como o mel, é uma alternativa se o foco for diminuir o açúcar aos poucos na dieta, mas não deve ser usada como substituta permanente no consumo diário. Similar a um xarope, o melaço pode ser feito a partir da cana de açúcar ou do suco de beterraba. Um estudo da American Dietetic Association descobriu que o melaço possui mais antioxidantes do que o mel e o xarope de bordo, além de um alto teor de potássio. E como também se trata de um carboidrato de alto índice glicêmico, não deve ser consumido por portadores de diabetes. Também apresenta alguns minerais, como ferro e magnésio (em pouca quantidade).

Tâmara

Fruta tradicional do Oriente Médio, ela pode ser uma alternativa viável para o preparo de sobremesas e assados para diabéticos. Um estudo feito pela Universidade dos Emirados Árabes Unidos mostrou que em cinco diferentes variedades da fruta, todas possuíam índice glicêmico baixo comparadas ao açúcar refinado. O único problema é o preço, que no Brasil, é mais caro devido à exportação.

Veja também: Doce sem açúcar para a criançada (aprenda a fazer!)

Xilitol

Com uma doçura similar ao açúcar, é uma espécie de álcool que pode ser extraído das paredes de vegetais como cana, sorgo, trigo, aveia, arroz, milho, eucalipto e pinus, e usado no preparo de bolos, tortas e assados. Tem menos calorias que o açúcar, contudo, deve ser usado em poucas quantidades, pois seu excesso pode causar gases e náuseas. Além disso, os estudos ainda são inconclusivos sobre a real eficácia de sua utilização como alternativa para ajudar a controlar os níveis de insulina e de glicose no sangue.

Eritritol

É um adoçante naturalmente abundante, amplamente utilizado como adoçante em alimentos com baixo teor calórico, doces ou produtos de panificação. Ele é rapidamente absorvido, pouco metabolizado e facilmente eliminado na urina, o que pode fazer dele um bom ingrediente para substituir o açúcar.

Açúcar de coco

Extraído da seiva do coqueiro, seu uso é igual ao do açúcar convencional, podendo ser incluído em bolos, bebidas e sobremesas. Porém, tem índice glicêmico menor e mais vitaminas e minerais do que o açúcar refinado. Ainda assim, é preciso ter cuidado com seu uso, já que tem a mesma quantidade de calorias que o tradicional. Por ser um produto com frutose e sacarose na composição, o consumo por pacientes diabéticos deve ser feito sob orientação de um profissional de saúde.

Independentemente do substituto do açúcar escolhido por você, ainda é muito importante tomar cuidado com o excesso de consumo.

Este conteúdo não substitui a orientação de um especialista. Agende uma consulta com o nutricionista de sua confiança.

Referências bibliográficas:

Arrigoni E. Human gut microbiota does not ferment erythritol. British Journal of Nutrition, 2005.

Ashwell M. Stevia, Nature’s Zero-Calorie Sustainable Sweetener. Nutrition Today, 2015.

Bahrami M. et. Effects of natural honey consumption in diabetic patients: an 8-week randomized clinical trial. International Journal of Food Sciences and Nutrition, 2009.

Pesquisa amplia escala de produção tecnológica do xilitol. Agencia Fapesp, 2013.

Forough K. Yacon (Smallanthus sonchifolius Poepp. & Endl.) as a Novel Source of Health Promoting Compounds: Antioxidant Activity, Phytochemicals and Sugar Content in Flesh, Peel, and Whole Tubers of Seven Cultivars. Molecules, 2018.

Iara Waitzberg, nutricionista e membro do Comitê Científico Nutritotal.

Juma M A. Glycemic indices of five varieties of dates in healthy and diabetic subjects. Nutr J., 2011.

Khongsak S. Effects of sugarcane, palm sugar, coconut sugar and sorbitol on starch digestibility and physicochemical properties of wheat based foods. International Food Research Journal, 2015.

Ministério da Saúde. Acesso em 27 de março de 2019.

Phillips KM. et. Total antioxidant content of alternatives to refined sugar. Journal of the American Dietetic Association, 2009.

Regnat K. Erythritol as sweetener—wherefrom and whereto? Appl Microbiol Biotechnol, 2018.

Samarghandian S. et. Honey and Health: A Review of Recent Clinical Research. Pharmacognosy Res., 2017.

Toews I. et. Association between intake of non-sugar sweeteners and health outcomes: systematic review and meta-analyses of randomised and non-randomised controlled trials and observational studies. BMJ, 2019.

Wiebe N. A systematic review on the effect of sweeteners on glycemic response and clinically relevant outcomes. BMC Med, 2011.

-

Assine nossa newsletter: