fbpx


O que a ciência já sabe sobre alimentos e componentes que podem auxiliar o tratamento do câncer?

Postado em 13 de agosto de 2021 | Autor: Juliana Pastore

Veja alguns mitos e verdades sobre nutrientes capazes de ajudar no tratamento da doença

A boa nutrição é muito importante para a manutenção da saúde e é essencial ao tratamento de doenças, como o câncer. Os cuidados com a escolha dos alimentos e dos nutrientes a serem ingeridos precisam começar logo após o diagnóstico, conforme indicam suficientes evidências científicas. Isso porque o tratamento nutricional deve ocorrer em paralelo aos tratamentos médicos contra o tumor, sejam eles medicamentosos e/ou sessões de quimio e radioterapia. É que manter uma alimentação adequada contribui para o sucesso dessas terapias e para maior tolerância aos medicamentos.

Mas convém tomar cuidado antes de adotar uma nova dieta contra o câncer. Nem tudo que encontramos na internet é real e confiável. Muitas vezes, as informações são confusas, conflitantes ou restritivas, sem que hajam evidências científicas para comprová-las.

Por isso, reunimos agora as informações mais confiáveis sobre nutrição e câncer. Queremos apresentar a vocês o que a ciência já sabe sobre alimentos e componentes que podem auxiliar o tratamento do câncer, além de deixar claro o que é mito e o que é verdade sobre o assunto. Vamos nessa?

Mulher em tratamento de câncer tomando café com uma amiga

Imagem: Freepik

1. Todas as pessoas com câncer devem consumir a mesma quantidade de calorias diárias.

Mito. A ingestão diária de calorias e demais nutrientes é uma questão muito individual, já que leva em consideração fatores como o sexo, idade, peso, tipo de tumor e tratamentos realizados, dentre outras informações relevantes. Por isso, o profissional de saúde deve ser consultado para traçar as necessidades específicas de cada paciente. É esse profissional que avaliará a presença de  distúrbios nutricionais, a ingestão nutricional atual, mudanças de peso e índice de massa corporal (IMC), perda de massa muscular, desempenho físico e presença de inflamação*1. Após essa avaliação, o profissional poderá decidir a conduta nutricional mais adequada, definindo quantidade de ingestão energética energia e grupos de alimentos e nutrientes que serão necessários. É importante ressaltar que, pacientes oncológicos frequentemente apresentam aumento do gasto energético*2, portanto, eles precisam consumir uma maior quantidade de alimentos e nutrientes para não perderem peso e/ou massa muscular.

2. Consumir o total de calorias indicadas pelo profissional de saúde garante um bom estado nutricional.

Mito. Não basta atingir a meta diária na ingestão de calorias. Você deve, também, se preocupar com o consumo adequado de alguns nutrientes, principalmente proteínas. Alimentos fonte de proteínas incluem carnes, laticínios e ovos. Diretrizes nacionais e internacionais orientam que pacientes com câncer devem consumir mais desse nutriente do que pessoas não doentes*1, o que previne a perda de músculo*3*4 e diminui o risco de desnutrição, que pode ser mais grave nos pacientes oncológicos, resultando em um importante comprometimento da qualidade de vida do paciente.*4

3. Existe um tipo de proteína que ajuda mais durante o tratamento do câncer.

Parcialmente verdade. Existe um tipo de proteína que ajuda mais durante o tratamento do câncer. Parcialmente verdade. Para que a produção de músculo aconteça, é importante ingerir proteína e uma variedade de aminoácidos (moléculas que formam as proteínas). Estudos indicam que consumir um tipo específico de aminoácidos, os de cadeia ramificada e, especificamente, a leucina, pode potencializar essa síntese muscular. A leucina é um aminoácido encontrado em alimentos de origem animal ou suplementos alimentares que age combatendo a dificuldade que pacientes com câncer desnutridos e com caquexia têm de produzir músculo.*6*7 No entanto, esses benefícios parecem não ser tão relevantes em pacientes com câncer avançado*8.

4. Não comer carboidratos ajuda o tratamento.

Parcialmente verdade. O consumo exagerado de carboidrato refinado, como o açúcar, é um dos principais responsáveis pelo aumento da gordura no corpo e a obesidade está associada ao aumento no risco de vários tipos de câncer*11. O elevado consumo de açúcar também contribui para aumento da inflamação, o que é prejudicial aos pacientes doentes. Dessa forma, é possível afirmar que o alto consumo de açúcares aumenta o risco de câncer, especialmente o de mama*10. Considerando isso, seu consumo elevado deve ser evitado por todos, independentemente do diagnóstico de câncer. No entanto, com exceção do açúcar, não há recomendação para reduzir ou eliminar o consumo de alimentos saudáveis que sejam fontes de carboidratos durante o tratamento oncológico.*9 Uma dieta low carb pode ser avaliada de forma individualizada e pode ser adequada a alguns pacientes oncológicos específicos, mas só devem ser instituídas sob orientação e acompanhamento de profissionais de saúde.*1

5. O consumo de ômega-3 é importante para o tratamento.

Mito. Vários estudos sugerem benefícios adicionais ao associar ácidos graxos ômega-3 à dieta durante o tratamento do câncer, tais como a melhora no apetite, aumento do peso corporal, diminuição das complicações após cirurgias e melhora da qualidade de vida em pacientes oncológicos com perda de peso. *1*12 Mas a dose a ser suplementada precisa ser definida e orientada pelo profissional de saúde*12.

6. Todas as pessoas com câncer devem consumir suplementos de vitaminas e minerais.

Verdade. Pacientes com câncer devem ingerir vitaminas e minerais em quantidades aproximadamente iguais às recomendadas a indivíduos saudáveis. O uso de superdoses não é indicado. Porém, devido à perda de apetite e alterações relacionadas ao tratamento, muitas pessoas com câncer não conseguem seguir uma alimentação equilibrada e variada, o que faz com que a ingestão de vitaminas e minerais fique abaixo de suas necessidades diárias. Nesse caso, adaptações da dieta, suplementos nutricionais e suplementação de vitaminas e minerais podem ser necessários para complementar a alimentação, evitar e corrigir deficiências. Lembrando mais uma vez que o consumo deve ser feito apenas sob orientação de um profissional de saúde. *1

Texto elaborado pela nutricionista Juliana Pastore

Patrocínio:

logo nestlé

 

 

 

 

Referências bibliográficas:

*1 ESPEN practical guideline: Clinical Nutrition in cancer . Clinical Nutrition 40 (2021) 2898e2913

*2 Cao DX. et al. Resting energy expenditure and body composition in patients with newly detected cancer. Clin Nutr (Edinb) 2010;29:72e7.

*3 Fearon K. et al: Definition and classification of cancer cachexia: An international consensus. Lancet Oncol 12:489-495, 2011

*4 Roeland EJ. et al. Management of cancer cachexia: ASCO Guideline. J Clin Oncol 38:2438-2453, 2020

*5 Bozzetti F. et al. Is the intravenous supplementation of amino acid to cancer patients adequate? A critical appraisal of literature. Clin Nutr. 2013;32(1):142-146.

*6 Deutz NE, Safar A. et al. Muscle protein synthesis in cancer patients can be stimulated with a specially formulated medical food. Clin Nutr 2011;30:759e68.

*7 Pennings B. et al. Whey protein stimulates postprandial muscle protein accretion more effectively than do casein and casein hydrolysate in older men. Am J Clin Nutr 2011;93: 997e1005.

*8 Storck, L. J. et al. Effect of a leucine-rich supplement in combination with nutrition and physical exercise in advanced cancer patients: a randomized controlled intervention trial. Clinical Nutrition. doi:10.1016/j.clnu.2020.04.008

*9 Dietas restritivas e alimentos milagrosos durante o tratamento do câncer: fique fora dessa! INCA, 2018.

*10 Charlotte D. et al. Total and added sugar intakes, sugar types, and cancer risk: results from the prospective NutriNet-Santé cohort. The American Journal of Clinical Nutrition, Volume 112, Issue 5, November 2020, Pages 1267–1279.

*11 WCRF. Body fatness and weight gain and the risk of cancer. 2018. ISBN(pdf) 978-1-912259-26-7.

*12 de Aguiar Pastore Silva J. et al. Omega-3 supplements for patients in chemotherapy and/or radiotherapy: a systematic review. Clin Nutr (Edinb) 2015;34:359e66.

-

Assine nossa newsletter: