fbpx


O que funciona para diminuir os riscos ao passar por uma cirurgia?

Postado em 26 de outubro de 2021 | Autor: Redação Nutritotal

Veja alguns mitos e verdades durante o período de recuperação

A realização de uma cirurgia sempre envolve riscos, podendo ser estes menores ou maiores. No entanto, existem várias estratégias para reduzir os riscos de uma cirurgia, que vão desde cuidados que o indivíduo deve ter meses antes do processo até procedimentos realizados pelo cirurgião no ato da operação.

Como resposta à cirurgia, o organismo reage com alterações hormonais e imunológicas em cada indivíduo. Essas mudanças estão diretamente relacionadas à recuperação após o procedimento, bem como com infecções, cicatrização da ferida, complicações e tempo de internação no hospital.

Existem muitas ações que o próprio paciente pode realizar para melhorar o pós-operatório e sua recuperação. Além disso, toda equipe de profissionais também tem um papel muito importante na boa evolução após uma cirurgia.

Confira a seguir alguns mitos e verdades sobre como ter mais sucesso após uma cirurgia:

Paciente idosa conversando com médica no leito hospitalar

Imagem: Shutterstock

1. Para o sucesso da operação o que importa é o cirurgião ter uma boa técnica cirúrgica

Parcialmente verdade. O fato de o cirurgião possuir uma boa técnica cirúrgica é um fator muito importante para um bom pós-operatório e sucesso da cirurgia. No entanto, vários outros pontos podem auxiliar em uma boa recuperação cirúrgica e na redução de complicações. Dentre estes, podemos destacar a alimentação, a atividade física e os componentes psicológicos. Ter uma alimentação saudável e tratar as carências nutricionais antes de realizar o procedimento, fazer exercícios regularmente e receber todas as informações sobre a operação e internação antes da cirurgia pode ajudar a reduzir o número de complicações e o tempo de internação hospitalar.

2. Se o paciente estiver desnutrido é melhor cuidar da alimentação antes de realizar a cirurgia

Verdade. Pacientes desnutridos devem recuperar o estado nutricional através de um acompanhamento de profissionais de saúde antes de realizar a cirurgia, mesmo que, quando possível, o procedimento tenha que ser adiado para que isso aconteça.

Para melhorar o estado nutricional, o nutricionista pode lançar mão de algumas estratégias como adaptações da dieta, fracionamento das refeições, alterações de escolhas alimentares, uso de suplementos nutricionais, ou, até mesmo, uso de nutrição artificial, por sonda, (enteral ou parenteral), dependendo do caso do paciente.

Mesmo que não haja desnutrição, quem for passar por uma cirurgia de médio a grande porte, pode se beneficiar de uma suplementação nutricional dia antes do procedimento. Essa suplementação deve acontecer sob supervisão de um profissional de saúde.

O cuidado com a alimentação antes da operação traz benefícios como menos complicações, menos infecções da ferida operatória, um menor tempo de internação e diminuição no risco de mortalidade.

3. Pessoas obesas não precisam se preocupar com peso e alimentação antes da cirurgia

Mito. Indivíduos obesos podem apresentar deficiências nutricionais e possuírem, inclusive, perda de músculo, a qual fica mascarada pelo excesso de gordura. Essa redução da massa muscular pode aumentar o risco de complicações pós-operatórias.

Para prevenir essas complicações, pode ser realizada uma suplementação nutricional perioperatória (antes e após a cirurgia) nesses indivíduos. Ela pode ajudar a reduzir complicações, infecções e tempo de internação hospitalar no pós-operatório.

4. É necessário ficar de jejum absoluto antes da cirurgia por, no mínimo, oito horas

Mito. Para a grande maioria dos pacientes que vão passar por uma cirurgia, é necessário fazer jejum para alimentos sólidos, ao menos, seis horas antes da cirurgia. Líquidos claros como chás e sucos coados podem ser consumidos até duas horas antes da cirurgia. Esses líquidos podem conter maltodextrina, pura ou associada, quando indicado pelo profissional de saúde responsável, a uma fonte proteica ou outros nutrientes, para melhorar a glicemia e diminuir o tempo de internação. Água também pode ser ingerida até duas horas antes da cirurgia. Mas lembre-se sempre de combinar isso com o seu médico antes do procedimento.

5. Quanto mais eu esperar para me alimentar depois da cirurgia, melhor vai ser porque diminuirá o risco de abrir os pontos e facilitará a cicatrização

Mito. Na maioria das cirurgias, a alimentação deve ser retomada o mais rápido possível após a operação, sendo no mesmo dia ou no primeiro dia após o procedimento. Essa alimentação pode começar com líquidos e evoluir para alimentos sólidos dependendo da aceitação e do procedimento realizado. Também, não é necessário esperar soltar gases ou evacuar para começar a se alimentar. Voltar a se alimentar rapidamente após a cirurgia pode ajudar a melhorar a recuperação, diminuir as infecções e o tempo de internação. Esse retorno da alimentação também deve ser combinado com a equipe de saúde.

6. Nutrientes específicos podem ajudar na recuperação pós-operatória

Verdade. Em certas situações, indivíduos desnutridos ou em risco nutricional, submetidos a certos procedimentos (como retirada de um tumor), podem se beneficiar do uso de nutrientes específicos antes da cirurgia. Eles são chamados de nutrientes imunomoduladores e incluem: ômega-3, a arginina e os nucleotídeos. O ideal, também, é que essa suplementação seja mantida após a cirurgia. O médico e o nutricionista que acompanham o paciente no hospital poderão orientar sobre a necessidade, tipo de suplemento mais adequado e tempo de utilização. O uso desses suplementos pode ser feito em casa, e pode estar associado a redução de complicações e do tempo de internação hospitalar.

Seja uma cirurgia simples ou mais complexa, o ideal é que, se possível, a pessoa que passará por ela seja avaliada por um nutricionista antes do procedimento. Este profissional poderá identificar e corrigir possíveis deficiências nutricionais o que pode trazer maiores chances de sucesso na cirurgia. No período pós cirúrgico, a alimentação é igualmente importante e a atenção deve ser redobrada com relação aos nutrientes ingeridos. Sempre que possível, converse com a equipe responsável pela cirurgia sobre os ajustes necessários para seguir uma alimentação de qualidade.

Patrocínio:

logo nestlé

 

 

Gillis C, Carli F. Promoting perioperative metabolic and nutritional care. Anesthesiology 2015;123:1455-72.

Barberan-Garcia A, Ubre M, Roca J, Lacy AM, Burgos F, Risco R, et al. Personalised prehabilitation in high-risk patients undergoing elective major abdominal surgery: a randomized blinded controlled trial. Ann Surg 2018;267:50e6.

Hughes MJ, Hackney RJ, Lamb PJ, Wigmore SJ, Deans DC, Skipworth RJ. Prehabilitation before major abdominal surgery: a systematic review and meta-analysis. World J Surg 2019;43:1661e8.

Lambert JE, Hayes LD, Keegan TJ, Subar DA, Gaffney CJ. The impact of pre-habilitation on patient outcomes in hepatobiliary, colorectal, and upper-gastrointestinal cancer surgery – A PRISMA-accordant meta-analysis. Ann Surg 2020.

Weimann A, et al. ESPEN practical guideline: Clinical nutrition in surgery. Clinical Nutrition 40 (2021);4745-4761.

Simonsen C, de Heer P, Bjerre ED, Suetta C, Hojman P, Pedersen BK, et al. Sarcopenia and postoperative complication risk in gastrointestinal surgical oncology: a meta-analysis. Ann Surg 2018;268:58e69.

Zhang B, Najarali Z, Ruo L, Alhusaini A, Solis N, Valencia M, et al. Effect of perioperative nutritional supplementation on postoperative complications systematic review and meta-analysis. J Gastrointest Surg 2019:1-12.

WIEMANN, A. et al. ESPEN guideline: clinical nutrition in surgery. Clinical Nutrition; v. 36, n. 3, p. 623- 650, 2017.

de Aguilar-Nascimento JE, et al. Diretriz ACERTO de intervenções nutricionais no perioperatório em cirurgia geral eletiva. Rev Col Bras Cir, v. 44, n. 6, p. 633-648, 2017.

Arends J, et al. ESPEN guidelines on nutrition in cancer patients. Clinical Nutrition, v. 36, n. 1, p. 11-48, 2017.

American Society of Anesthesiologists Committee. Practice guidelines for preoperative fasting and the use of pharmacologic agents to reduce the risk of pulmonary aspiration: application to healthy patients undergoing elective procedures: an updated report by the American Society of Anesthesiologists Committee on Standards and Practice Parameters. Anesthesiology 2011;114: 495-511.

Spies CD, Breuer JP, Gust R, Wichmann M, Adolph M, Senkal M, et al. Pre-operative fasting. An update. Anaesthesist 2003;52:1039-45.

de Aguilar-Nascimento JE. Acerto Acelerando a Recuperação Total Pós-Operatória. 2ª ad. Rio de Janeiro: Ed Rubio; 2011.

Greco M, Capretti G, Beretta L, Gemma M, Pecorelli N, Braga M. Enhanced recovery program in colorectal surgery: a meta-analysis of randomized controlled trials. World J Surg 2014;38:1531-41.

Varadhan KK, Neal KR, Dejong CH, Fearon KC, Ljungqvist O, Lobo DN. The enhanced recovery after surgery (ERAS) pathway for patients undergoing major elective open colorectal surgery: a meta-analysis of randomized controlled trials. Clin Nutr 2010;29:434-40.

Spanjersberg W, Van Sambeeck J, Bremers A, Rosman C, Van Laarhoven C. Systematic review and meta-analysis for laparoscopic versus open colon surgery with or without an ERAS programme. Surg Endosc 2015;29: 3443-53.

Horie L M, et al. Diretriz Braspen de Terapia Nutricional no Paciente com Câncer. BRASPEN J, v. 34, supl. 1, p. 2-32, 2019.

Waitzberg DL, et al. Postsurgical infections are reduced with specialized nutrition support. World Journal of Surgery, v. 30, n. 8, p. 1592- 1604, 2006.

Howes N, Atkinson C, Thomas S, Lewis SJ. Immunonutrition for patients undergoing surgery for head and neck cancer. Cochrane Database of Systematic Reviews 2018, Issue 8. Art. No.: CD010954.

Iwase et al. Nutritional Effect of Oral Supplement Enriched in ω-3 Fatty Acids, Arginine, RNA on Immune Response and Leukocyte–platelet Aggregate Formation in Patients Undergoing Cardiac Surgery. Nutrition and Metabolic Insights 2014:7 39–46

Cheng Y, et al. Enteral immunonutrition versus enteral nutrition for gastric cancer patients undergoing a total gastrectomy: a systematic review and meta-analysis. BMC Gastroenterology (2018) 18:11.

-

Assine nossa newsletter: