4 verdades sobre transtornos alimentares que você precisa conhecer

Postado em 15 de julho de 2019 | Autor: Redação Nutritotal

Saiba mais sobre como lidar com a bulimia, anorexia e compulsão alimentar

A hora do almoço pode até ser um momento gostoso para grande parte das pessoas, mas não para quem sofre com os chamados transtornos alimentares, como a anorexia, a bulimia e a compulsão alimentar. Todos esses quadros estão ligados a transtornos psicológicos que alteraram a rotina alimentar, podendo afetar a saúde física e piorar o estado mental da pessoa. Assim, há muito mitos que precisam ser desmentidos de uma vez por todas para ajudar o tratamento dos pacientes.

Uma pesquisadora que trabalha no National Institute of Mental Health, na Universidade da Carolina do Norte (EUA), destacou que os principais mitos acerca de doenças como bulimia e anorexia (quadros em que o paciente recusa se alimentar e tem uma visão distorcida sobre sua imagem corporal) e da compulsão alimentar (em que o paciente pode comer excesso de calorias em um período determinado de tempo) encontram-se nas relações familiares.

A seguir, confira quatro verdades sobre os distúrbios alimentares que podem te ajudar a compreender melhor como eles funcionam.

Entenda os transtornos alimentares

Aprender a lidar com a pessoa que possui o quadro é fundamental para ajudá-la no tratamento.

Mulher no banheiro comendo, com cara de preocupada

Pessoas que sofrem com esse tipo de problema precisam de suporte e tratamento | Imagem: Shutterstock

Transtornos alimentares nunca são benignos

Verdade. Independentemente de eles serem responsáveis por aumentar ou diminuir o peso corporal, os transtornos alimentares nunca fazem bem para a saúde. Dentre as consequências mais comuns destacadas pelo National Institute of Mental Health, estão as altas taxas de suicídio entre pessoas com bulimia, anorexia e compulsão alimentar, além de isolamento social, depressão, ansiedade e outros problemas que afetam a saúde mental.

Além disso, as consequências nutricionais também são frequentes e preocupantes e podem incluir quadros de desnutrição extrema e alterações na concentração de nutrientes corporais, que podem estar relacionadas a consequências graves como problemas cardiovasculares, pulmonares, renais, entre outros.

A família não tem culpa

Verdade. Aliás, o principal pilar para ajudar na recuperação e no tratamento de uma pessoa com distúrbio alimentar é a família. Pais/responsáveis e seus filhos não devem ter medo de confiarem uns nos outros para lidar com esse tipo de doença. É importante destacar que a doença pode estar associada a fatores genéticos e ambientais (hábitos de vida), o que reforça a questão da família como apoio e não causa do problema.

Os transtornos alimentares podem atingir qualquer pessoa

Verdade. Para a pesquisadora do National Institute of Mental Health, o distúrbio alimentar não tem raça, gênero ou idade para acontecer. Qualquer um pode estar sujeito a ter um transtorno desse tipo. E engana-se quem pensa que uma pessoa com um peso adequado para sua altura e idade esteja livre da doença. Tanto quem está com sobrepeso e obesos quanto quem está abaixo do peso também pode sofrer com os transtornos.

Os distúrbios alimentares são tratáveis

Verdade. Diferentemente de muitas doenças crônicas que ainda não tem cura, a anorexia, a bulimia e a compulsão alimentar têm solução. Mas para isso acontecer, é preciso que o paciente esteja disposto a encarar o problema, contando com a ajuda dos familiares e amigos, e sempre recebendo acompanhamento de um profissional de saúde. Procure por centros que trabalham especificamente com transtornos alimentares, como o AMBULIM da USP, por exemplo.

 

Este conteúdo não substitui a orientação de um especialista. Agende uma consulta com o nutricionista de sua confiança.

Referência bibliográfica:

Cynthia B. 9 Eating Disorders Myths Busted. National Institute of Mental Health, na Universidade da Carolina do Norte, 2014.

 

Leia também