7 mitos e verdades sobre compulsão alimentar

Postado em 31 de janeiro de 2019 | Autor: Redação Nutritotal

Entenda os sintomas e como tratar o Transtorno de Compulsão Alimentar Periódica (TCAP)

Você já ouviu falar em uma doença chamada transtorno de compulsão alimentar periódica (TCAP)? Ela é caracterizada por momentos de descontrole com a comida, que acontecem com frequência. Quem tem esse tipo de compulsão alimentar ingere uma quantidade enorme e anormal de alimentos em um período curto, de até duas horas, acompanhada da sensação de perda de controle sobre o que ou o quanto se comeu. Porém, nem toda comilança pode ser caracterizada como um TCAP. Por isso, separamos alguns mitos e verdades para você tirar dúvidas a respeito desse transtorno.

Mitos e verdades sobre compulsão alimentar

Quem faz atividade física ataca menos a comida, e os exercícios podem ajudar a tratar a condição. Veja esses e outros fatos sobre o TCAP:

Menina com lanche na mão e boca fechada com fitas em xis

Nem apenas obesos têm TCAP | Imagem: Shutterstock

1. O transtorno de compulsão alimentar não possui sintomas

MITO. À primeira vista, o transtorno de compulsão alimentar periódica (TCAP) pode parecer apenas uma relação caótica com a comida. Mas há inúmeros sintomas por trás dele, como, por exemplo, comer mesmo quando não estiver com fome, ficar constantemente desconfortável depois de se alimentar, comer em segredo, sentir vergonha de comer em público e fazer dietas com frequência.

2. Atividade física ajuda a enfrentar o TCAP

VERDADE. O exercício físico faz bem não só para o corpo, como também para o cérebro. E se, usado corretamente, com uma frequência que não seja nem pouca e nem excessiva durante o tratamento de pacientes com transtornos alimentares, pode ser benéfico, contanto que seja orientado e supervisionado por um profissional.

3. Quem tem compulsão alimentar pode ter doenças psicológicas

VERDADE. Um estudo feito na Universidade do Alabama em 2016 mostrou que, em comparação com indivíduos obesos sem o TCAP, pessoas obesas com TCAP são mais propensas à depressão, ansiedade, insatisfação corporal, baixa autoestima, isolamento social, entre outros transtornos psicológicos.

4. Pessoas com a condição são sempre obesas

MITO. Essa doença ocorre principalmente em indivíduos com sobrepeso e obesidade, mas não está limitada somente a este grupo, podendo ocorrer em pessoas com peso normal ou até abaixo dele. O que resulta no aumento do peso é que, ao contrário da bulimia, no TCAP não há uma indução de vômito para a eliminação das calorias ingeridas em excesso.

5. Bebidas alcoólicas podem piorar o quadro

VERDADE. Uma pesquisa da Escola de Medicina da Universidade de Washington, em St. Louis, EUA, descobriu uma conexão entre o TCAP e o abuso de álcool, na qual os indivíduos com risco genético para dependência de álcool podem estar sob maior risco de desenvolver transtorno da compulsão alimentar periódica e vice-versa.

6. Não há cura para o TCAP

MITO. Atualmente, a terapia cognitivo-comportamental, ou TCC, é o melhor tratamento para a compulsão alimentar. No entanto, é importante ressaltar que a terapia não é perfeita, e há muitos pacientes que podem vir a recair após o tratamento, por isso, é importante consultar também um nutricionista de confiança durante as sessões.

7. A família pode ajudar a amenizar os sintomas

VERDADE. Alguém que sofre com essa condição pode achar difícil se libertar da vergonha que é frequentemente associada à compulsão alimentar. No entanto, se você ou um ente querido estiver passando por algum dos sintomas da TCAP, é importante procurar ajuda e cuidados médicos e contar com o encorajamento e o auxílio de familiares e amigos para não sentir vergonha e nem cair no isolamento.

 

Este conteúdo não substitui a orientação de um especialista. Agende uma consulta com o nutricionista de sua confiança.

Referências bibliográficas:

PADDOCK, C. PhD. Transtornos Alimentares e Abuso de Álcool Compartilham Fatores Genéticos. Journal of Studies on Alcohol and Drugs. 2013

University of Alabama at Birmingham. Researchers find potential breakthrough in binge-eating disorder treatment.

Paula Costa Teixeira, Roberto Fernandes da Costa; Sandra M. M. Matsudo; Táki Athanássios Cordás. A prática de exercícios físicos em pacientes com transtornos alimentares. 2009.

Leia também