fbpx


Sal vermelho para diabetes? Veja se essa e outras receitas que estão circulando funcionam

Postado em 26 de abril de 2021 | Autor: Redação Nutritotal

Existem mesmo alimentos úteis no tratamento da doença?

Com apenas um clique, uma notícia é capaz de ser compartilhada para milhares de pessoas. Esse avanço na tecnologia, por mais que tenha seu lado positivo, também ajudou a espalhar as fake news, notícias com conteúdo falso e sem comprovação. A saúde é uma das principais áreas afetadas por esse fenômeno, e quando falamos de doenças que atingem boa parte da população então, as fake news prometendo curas e tratamentos milagrosos se espalham! Neste post vamos falar sobre o diabetes. Há quem diga, por exemplo, que sal vermelho para diabetes é uma boa opção de tratamento, ou que o quiabo pode ser usado contra o problema. Mas será que isso é verdade?

Uma das premissas do Nutritotal Para Todos é o combate às fake news em nutrição e saúde. E, por isso, fomos investigar em estudos científicos e com especialistas na área o que é verdade e o que não passa de mito quando o assunto é diabetes e alimentação. Veja, a seguir, o que já se sabe sobre essa relação.

4 mitos e verdades sobre diabetes e alimentação

Colheres com vários tipos de sal, como o sal vermelho para diabetes

Imagem: Freepik

Sal vermelho pode ajudar na cura do diabetes

Mito. O sal vermelho, também chamado de sal do Havaí, é rico em dióxido de ferro e minerais, e vem sendo associado a melhora e tratamento de diabetes. Porém, a nutricionista Ana Carolina Vicedomini explica que faltam estudos e evidências que comprovem essa associação.

Leia também: Descubra os mitos e verdades de cada tipo de sal

Quiabo pode ser usado para tratar o diabetes

Mito. De acordo com o Ministério da Saúde, existe uma grande preocupação e potencial maléfico na divulgação de formas “alternativas” de tratamento do diabetes sem qualquer base científica. Vale reforçar que a prevenção da doença é a adoção de hábitos saudáveis, como uma alimentação equilibrada e a prática de atividades físicas.

Trocar o açúcar pela canela no café pode ser uma estratégia eficaz para diabéticos

Verdade. Para quem não está acostumado com o amargor do café, trocar adoçantes e açúcares por uma opção mais saudável pode ajudar. Como sugestão, a canela pode ser usada, pois além de seu sabor aromático, há evidências que apontam que ela poderia colaborar com os resultados glicêmicos e lipídicos de pessoas com diabetes tipo 2.

Ginkgo biloba pode oferecer benefícios na prevenção da doença

Parcialmente verdade. O extrato das folhas de Ginkgo biloba é conhecido por ser um suplemento dietético popular, e, de fato, estudos apontam que ele pode ajudar no combate ao diabetes tipo 2. Mas a maioria das pesquisas são feitas em camundongos, e, portanto, faltam ainda mais estudos em seres humanos para entender essa possível relação benéfica à saúde.

Para saber mais

Existem ainda muitos outros mitos que rondam o tratamento do diabetes. Por exemplo: diabéticos estão proibidos de comer doces? E frutas? Pode consumir à vontade? A nutricionista Ana Carolina conta tudo isso no vídeo abaixo:

Sem tempo pra fake news! Inscreva-se no canal do Nutritotal Para Todos no YouTube e fique por dentro das últimas descobertas científicas sobre nutrição. Nosso time de nutricionistas e nutrólogos explica tudo de maneira descomplicada para você!

 

Este conteúdo não substitui a orientação de um especialista. Agende uma consulta com o nutricionista de sua confiança.

Referência bibliográfica:

Ana Carolina Vicedomini é nutricionista pós-graduada em Terapia Nutricional e Nutrição Clínica pelo Ganep Educação, mestranda em Ciências em Gastroenterologia com ênfase em composição corporal do idoso na Faculdade de Medicina da USP e tutora do Ganep Educação. É também colunista convidada do Nutritotal Para Todos e tem em sua trajetória a área clínica hospitalar, atendimento em homecare e consultório. Acredita que a nutrição através da alimentação é importante para promoção da saúde e da qualidade de vida!

Quiabo cura diabetes? Fake News! – Ministério da Saúde, 2018.

-

Assine nossa newsletter: