fbpx


O que é Ginkgo Biloba e para que serve? Confira os benefícios!

Postado em 30 de setembro de 2021 | Autor: Redação Nutritotal

Extrato à base da planta oriental deve ser administrado com cautela

Com formato de leque e símbolo da persistência, o ginkgo biloba é uma planta rica em benefícios para a saúde. No Brasil, uma das versões mais conhecidas desse fitoterápico é a em cápsulas ou comprimidos.

Se utilizado com cautela, sua ação fitoterápica pode ajudar desde pacientes com diabetes até na função cognitiva, auxiliando na memória. Mas é preciso ressaltar que seu uso precisa de acompanhamento nutricional, já que o extrato pode causar efeitos adversos e variados no organismo.

Benefícios do Ginkgo Biloba para sua saúde

Veja abaixo alguns dos potenciais benefícios do ginkgo biloba na saúde, de acordo com estudos científicos:

Ginkgo biloba com almofariz e pistilo em uma mesa preta

Imagem: Shutterstock

Proteção cardiovascular: 

Apesar de não existir um consenso científico sobre os principais fatores de proteção para doenças do coração associadas ao suplemento do fitoterápico, existem estudos que relacionam o uso à uma melhora no comprometimento cognitivo em pacientes que sofreram com acidentes vasculares cerebrais(AVC).

Auxílio na saúde cerebral:

Outras vertentes defendem que o uso do ginkgo biloba possa ser eficaz para a diminuição de fatores de risco associados à depressão, além de melhorar os sintomas comportamentais e psicológicos em pacientes com demência.

Contra a disfunção sexual: 

Combinado a outros nutrientes e minerais, o uso controlado do fitoterápico pode auxiliar no aumento do nível de desejo sexual em mulheres na pré-menopausa e pós-menopausa.

Leia também: Fitoterápicos nas disfunções sexuais funcionam?

Evita a vertigem: 

Pesquisadores observaram que o uso do ginkgo biloba pode ser assertivo para reduzir a intensidade, frequência e duração de episódios de vertigem e tontura

Benefícios oculares: 

Por fim, algumas evidências científicas sugerem que o suplemento da planta pode ajudar com um impacto benéfico no glaucoma, particularmente em termos de aumento do fluxo sanguíneo ocular e na interrupção da progressão da perda de campo visual.

Vale ressaltar que, em todos esses casos, ainda são necessários mais estudos científicos para entender os efeitos do ginkgo biloba.

4 mitos e verdades sobre os benefícios do Ginkgo biloba

A propaganda do ginkgo biloba é forte, mas será que todo mundo precisa consumir seu extrato?

Cápsulas de ginkgo biloba em colher de pau sobre bowl de bambu

Planta é muito consumida em cápsulas | Imagem: Freepik

Ele pode ajudar pacientes com diabetes

Parcialmente verdade. O extrato das folhas de Ginkgo biloba é conhecido por ser um suplemento dietético popular, e, de fato, estudos apontam que ele pode oferecer alguns benefícios terapêuticos no combate ao diabetes tipo 2. Mas a maioria das pesquisas são feitas em camundongos, e, portanto, faltam ainda mais estudos em seres humanos para entender essa possível relação benéfica à saúde.

O extrato da planta pode ser prejudicial à memória

Mito. Na verdade, ele pode ser benéfico para a saúde cognitiva. Pesquisadores apontaram que a administração do Ginkgo biloba em uma dosagem adequada e supervisionada ao longo de 24 semanas pode ser eficaz para melhorar a função cognitiva em pacientes que sofrem com demência leve. Porém, mais estudos são necessários para confirmar tal ação da planta.

Além do Ginkgo biloba, outros produtos naturais bioativos podem ser indicados para diabéticos

Verdade. Isso graças aos efeitos anti-inflamatórios, antioxidantes e às ações benéficas no perfil lipídico que esses produtos oferecem. Entre os exemplos, é possível citar o resveratrol, um polifenol presente em uvas, e a curcumina, que pode ser encontrada no açafrão-da-terra.

Não há efeitos colaterais ao consumir Ginkgo biloba

Mito. É preciso ter acompanhamento médico e nutricional antes de consumir qualquer medicamento ou fitoterápico à base de Ginkgo biloba. Isso porque o extrato costuma ser misturado a outras plantas, podendo chegar a uma variação acima de 70 espécies diferentes. Além disso, há um risco ao combinar o extrato com outros medicamentos, como aspirina e anti-hipertensivos.

Leia a seguir: Fitoterapia na terceira idade: o que pode e o que não pode ser usado

Este conteúdo não substitui a orientação de um especialista. Agende uma consulta com o nutricionista de sua confiança.

Referências bibliográficas:

Nyugen T. et al. Ginkgo Biloba. Statpearls, 2021.

Wei Z. et al. Advances in the Studies of Ginkgo Biloba Leaves Extract on Aging-Related Diseases. Agin Dis., 2017.

Helal F. Ginkgo biloba may aid in treating type 2 diabetes. University of Cincinnati, 2019.

Haolong L. et al. An Updated Review of Randomized Clinical Trials Testing the Improvement of Cognitive Function of Ginkgo biloba Extract in Healthy People and Alzheimer’s Patients. Front. Pharmacol., 2020.

Maria Fernanda N. et al. Chapter 5 – Bioactive natural products for the prevention and treatment of diabetes mellitus. Studies in Natural Products Chemistry, 2020.

Nan M. et al. Review of Ginkgo biloba-induced toxicity, from experimental studies to human case reports. J Environ Sci Health C Environ Carcinog Ecotoxicol Rev., 2019.

-

Assine nossa newsletter: