fbpx

Folhas do jambolão podem melhorar a fertilidade em mulheres obesas

Postado em 20 de julho de 2019 | Autor: Redação Nutritotal

Planta pode ainda ter efeito benéfico em outras áreas, segundo estudo

Jambolão

Pesquisas mostram que jambolão pode ajudar a saúde do ovário | Imagem: Shutterstock

Jambolão, jamelão, jambo, baguaçu… todos esses nomes se referem a uma mesma planta, a Syzygium cumini, que foi trazida para o Brasil na época das colonizações pelos portugueses e hoje, pode ser consumida in natura, em sobremesas e até chás.

E a folha do jambolão, segundo pesquisas recentes, pode estar associada à fertilidade. Um estudo feito na Universidade Federal do Maranhão em camundongos apontou que as disfunções reprodutivas das cobaias que estavam acima do peso tiveram uma melhora após o uso do extrato das folhas de jambolão.

Dentre as principais diferenças no que diz respeito à fertilidade dos animais durante o teste com o jambolão, foi possível notar que houve uma melhora nas funções metabólicas entre aqueles que receberam o extrato da folha, e isso pode ajudar na saúde do ovário nas mulheres.

Potência do jambolão em estudo

Outro dos efeitos no metabolismo dos camundongos observados pelo estudo, com foco nos benefícios do uso das folhas de jambolão, foi uma possível redução dos níveis de colesterol. Além disso, o uso das folhas da planta também foi associado a regulação dos ciclos de cio dos cobaias e melhora da saúde folicular, o que fez os autores concluírem que a Syzigium cumini pode ser interessante para ajudar a reverter alterações metabólicas e reprodutivas.

Entretanto, ainda faltam mais pesquisas científicas com o uso de fitoterápicos à base de Syzygium cumini em humanos para se afirmar com exatidão os efeitos que a planta pode oferecer à saúde de ambos os sexos.

 

Este conteúdo não substitui a orientação de um especialista. Agende uma consulta com o nutricionista de sua confiança.

Referência bibliográfica:

Benevides ROA et al. Syzygium cumini (L.) Skeels improves metabolic and ovarian parameters in female obese rats with malfunctioning hypothalamus-pituitary-gonadal axis. J Ovarian Res. Universidade Federal do Maranhão, 2019 Feb 4;12(1):13.

Leia também