fbpx

Qual a alimentação adequada para o paciente com câncer de próstata?

Postado em 11 de novembro de 2019 | Autor: Redação Nutritotal

Veja mitos e verdades acerca da nutrição como prevenção à doença

De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (INCA), o câncer de próstata é o segundo mais comum entre os homens, ficando atrás apenas do câncer de pele. Mas uma ação que pode ajudar a afastar o risco de o tumor aparecer é investir desde cedo em uma alimentação adequada, com acompanhamento de um nutricionista.

Por isso, é importante nos atentarmos acerca das fake news que costumam ser compartilhadas nas redes sociais e aplicativos de mensagem e que dizem respeito à incidência de câncer de próstata no Brasil com o que os homens comem no seu dia a dia.

Câncer de próstata: mitos e verdades

Para saber o que é mito e o que é verdade, listamos alguns deles a seguir, confira:

Homem sorrindo sentado à mesa comendo prato cheio de legumes, que faz parte de uma alimentação adequada para prevenir e tratar o câncer de próstata.

A nutrição pode ajudar a prevenir o câncer de próstata | Imagem: Shutterstock

Comer mais tomate pode afastar o risco de ter câncer de próstata

Parcialmente verdade. O tomate é rico em licopeno, responsável por dar o tom avermelhado ao fruto. E, segundo um estudo feito pela McGill University (Canadá), o consumo dessa substância pode desempenhar um importante papel na prevenção do câncer de próstata. No entanto, os pesquisadores ressaltam que o efeito é modesto e restrito à ingestão de grandes quantidades de tomate.

Consumir vegetais crucíferos pode ajudar a prevenir o câncer de próstata

Verdade. Vegetais crucíferos como a couve-flor, a couve de Bruxelas e o brócolis possuem compostos chamados glucosinolatos que, de acordo com um estudo divulgado pelo Journal of the National Cancer Institute, são capazes de proteger as células do corpo contra danos no DNA, podendo até inibir a proliferação celular do câncer de próstata.

Leite e derivados são indicados para prevenir a doença

Mito. Os laticínios podem, na verdade, provocar o aumento do risco do câncer de próstata, segundo um estudo da Universidade Tufts (EUA). De acordo com os cientistas, a alta ingestão de laticínios e de cálcio pode estar associada a um pequeno aumento no risco de câncer de próstata.

É preferível comer peixe ao invés de carne bovina para prevenir o câncer

Verdade. Um estudo divulgado pela Universidade de Harvard (EUA) encontrou uma redução no risco de câncer de próstata em homens que consumiram peixe três vezes por semana. Em contrapartida, a carne vermelha cozida em altas temperaturas pode produzir agentes considerados cancerígenos, segundo outro estudo divulgado pelo periódico Carcinogenesis.

Uma dieta rica em gorduras saturadas não possui relação com o aumento do risco de câncer de próstata

Mito. Uma pesquisa feita no Northern California Cancer Center (EUA) apontou em seus resultados que a alta ingestão de gorduras pode aumentar o risco de tumores agressivos da próstata em homens mais velhos.

 

Este conteúdo não substitui a orientação de um especialista. Agende uma consulta com o nutricionista de sua confiança.

Instituto Nacional de Câncer, 2019.

Etminan M. et al. The role of tomato products and lycopene in the prevention of prostate cancer: a meta-analysis of observational studies. McGill University, 2004.

Kirsh V. et al. Prospective Study of Fruit and Vegetable Intake and Risk of Prostate Cancer. JNCI: Journal of the National Cancer Institute, Volume 99, Issue 15, 1 August 2007, Pages 1200, 2007.

Augustsson K. et al. A prospective study of intake of fish and marine fatty acids and prostate cancer. Universidade de Harvard, 2003.

Felton JS. et al. The isolation and identification of a new mutagen from fried ground beef: 2-amino-1-methyl-6-phenylimidazo[4,5-b]pyridine (PhIP). Carcinogenesis, 1986.

Gao X. et al. Prospective studies of dairy product and calcium intakes and prostate cancer risk: a meta-analysis. Tufts University, 2006.

West DW. et al. Adult dietary intake and prostate cancer risk in Utah: a case-control study with special emphasis on aggressive tumors. Northern California Cancer Center, 1991.

Leia também