fbpx


Gordura trans: como saber se o que você come tem ou não tem

Postado em 8 de dezembro de 2021 | Autor: Aline Palialol

Confira 3 dicas para identificar se tem gordura trans ou não em um alimento

As gorduras, diferente do que se pode pensar, não são todas iguais. Já vimos que podem ser saturadas e insaturadas e que elas têm efeitos diferentes sobre a nossa saúde. Agora vamos entender um pouco mais sobre as gorduras trans.

As gorduras trans são um tipo de gordura insaturada que podem ser encontradas, em pequena quantidade, naturalmente em animais ruminantes como vacas, carneiros, búfalos e cabras. Nos óleos de origem vegetal, no entanto, não é possível encontrar naturalmente esse tipo de gordura.

Porém, as gorduras trans podem ser artificialmente produzidas a partir de óleos vegetais através de um processo industrial conhecido como hidrogenação parcial que altera a estrutura química desses óleos e permite, por exemplo, que eles sejam transformados em substâncias sólidas.

Até aí tudo bem, não é mesmo? Sabemos que a tecnologia de alimentos é capaz de desenvolver muitos produtos e processos. Mas, com certeza você já ouviu falar que as gorduras trans podem ser ruins para a nossa saúde e agora vamos te contar o porquê:

Saúde do coração

Salgadinhos fontes de gorduras trans

Imagem: Shutterstock

Estudos indicam que o consumo de gordura trans industrial está associado ao aumento de LDL, o colesterol ruim, o que pode provocar o entupimento dos vasos sanguíneos e aumentar o risco de doenças cardiovasculares como infartos e derrames.

Mais doenças

Além da saúde do coração, o consumo de alimentos com gorduras trans pode elevar os riscos de desenvolvimento de doenças crônicas não transmissíveis como diabetes e obesidade, as quais se sabem hoje que podem dificultar o enfretamento de doenças virais como a COVID-19.

E onde estão as gorduras trans que devemos evitar?

As gorduras trans estão presentes em diversos produtos industrializados como biscoitos sorvetes cremosos e tortas, e podem ser encontradas em produtos de panificação, como pão francês, folhados, pão de batata…

Mas, com a descoberta dos malefícios que citamos, muitos dos produtos que possuíam gorduras trans em sua composição foram modificados para que pudessem ter a mesma durabilidade, textura e outros aspectos sensoriais sem a presença da gordura trans.

Este é o caso, por exemplo, da categoria de margarinas, que antes eram conhecidas por terem gordura trans. Elas sofreram ajustes e hoje não contêm gordura trans, informação que pode ser observada em seu rótulo.

Então, antes de se deixar levar pelo senso comum, vamos te mostrar como reconhecer um alimento que possui gordura trans:

  1. Leia o rótulo: a leitura dos rótulos permite que você saiba o que tem dentro daquele produto e veja se os ingredientes são condizentes com o que você busca para a sua alimentação
  2. Não se esqueça da tabela nutricional: na tabela nutricional é obrigatória a declaração de gorduras trans. Verifique se o produto possui gordura trans e lembre-se que a recomendação da Anvisa e da Organização Mundial da Saúde é de um consumo máximo de 2 g por dia para uma dieta de 2.000 calorias
  3. Preste atenção na porção: segundo a legislação de rotulagem de alimentos, para um produto ser ZERO TRANS, ele não pode ultrapassar 0,1 g de gordura trans na porção e também precisa ser baixo em gordura saturada. Mas lembre-se, essa porção pode ser inferior à quantidade de consumo habitual, então se o consumo for superior a porção determinada na embalagem, você pode estar ingerindo gordura trans, mesmo que em pequenas quantidades.

 

BÖSCH, Simone et al. Trans Fat Free by 2023—A Building Block of the COVID-19 Response. Frontiers in Nutrition, v. 8, p. 52, 2021.

DESGAGNÉ, Véronique et al. Changes in high-density lipoprotein-carried miRNA contribution to the plasmatic pool after consumption of dietary trans fat in healthy men. Epigenomics, v. 9, n. 5, p. 669-688, 2017.

SARMENTO, Caio de Vasconcelos et al. Gordura trans: mecanismos bioquímicos e patologias associadas. Revista Uningá, [S.l.], v. 57, n. 2, p. 63-82, jun. 2020. ISSN 2318-0579.

-

Assine nossa newsletter: