fbpx


O que funciona para reduzir a fragilidade em mulheres com mais de 60 anos?

Postado em 8 de março de 2021 | Autor: Redação Nutritotal

Entenda como a alimentação pode ajudar na prevenção da síndrome da fragilidade

Conforme os anos passam, o corpo começa a apresentar sinais do envelhecimento, como perda de peso abrupta e aumento da vulnerabilidade até o surgimento de doenças e dificuldades nas funções físicas. Esse conjunto de fatores é conhecido entre os médicos como síndrome da fragilidade.

Até os dias atuais, a ciência tenta entender quais hábitos podem levar o organismo a esse desgaste. Entre o que já se sabe até agora, destaca-se um cuidado diário: a alimentação. Nossas escolhas alimentares desde a juventude podem impactar na intensidade com a qual sentiremos a síndrome da fragilidade.  Quer saber quais são elas? Elencamos algumas em mitos e verdades a seguir.

4 mitos e verdades sobre a alimentação e a síndrome da fragilidade

Idosos sorrindo e preparando alimentos no míxer

Imagem: Freepik

Comer mais frutas e verduras ajuda a reduzir a fragilidade entre as mulheres mais velhas

Verdade. Um estudo científico examinou a associação entre a ingestão de frutas e verduras, a prática de exercício físico e a incidência de fragilidade em mulheres com idade superior a 60 anos. O grupo de idosas que consumiu sete ou mais porções de frutas e vegetais ao dia apresentou menor risco de desenvolvimento da síndrome de fragilidade quando comparado ao grupo de participantes que ingeriu menos que três porções dos mesmos alimentos diariamente.

A dieta mediterrânea e a dieta DASH podem aumentar o risco de fragilidade entre as mulheres

Mito. Dietas como a DASH e a mediterrânea possuem fatores considerados saudáveis por profissionais de saúde, contanto que sejam supervisionadas. E uma pesquisa apontou que aderir a essas dietas pode estar associado à redução do risco de fragilidade em mulheres idosas.

Beber suco de laranja causa fragilidade em mulheres idosas

Mito. De fato, o consumo de bebidas açucaradas como refrigerantes e sucos industrializados pode estar associado a um maior risco de fragilidade. No entanto, o consumo de suco de laranja, especificamente, apresentou uma associação inversa com o risco de fragilidade. Mas vale ressaltar que mais estudos são necessários para entender a relação entre a bebida e a síndrome.

Falta de vitamina D pode ser um fator de risco para a fragilidade entre mulheres mais velhas

Verdade. Um estudo de revisão avaliou que, entre as mulheres, fatores como a idade, a obesidade, a ingestão diária de macronutrientes, a insuficiência de vitamina D, a inatividade física, uma menor duração do sono e a terapia de reposição hormonal estão relacionados a um maior risco de fragilidade.

O que mais impacta na síndrome da fragilidade

Além de manter uma alimentação equilibrada, ter uma rotina de exercícios físicos e dormir bem também contribuem para o envelhecimento de qualidade. Por fim, manter uma microbiota saudável desde cedo é mais um ponto a favor do bem-estar na terceira idade. A médica Maria de Lourdes explica essa relação no vídeo a seguir:

No nosso canal no YouTube você confere dicas de alimentação saudável para todas as idades. Inscreva-se aqui e não perca as novidades!

 

Este conteúdo não substitui a orientação de um especialista. Agende uma consulta com o nutricionista de sua confiança.

Referências bibliográficas:

Teresa T. et al. Fruit and vegetable intake and risk of frailty in women 60 years old or older. The American Journal of Clinical Nutrition, 2020.

Ellen A. et al. Diet quality and risk of frailty among older women in the Nurses’ Health Study. Am J Clin Nutr., 2020.

Ellen A. et al. Sweetened beverages and risk of frailty among older women in the Nurses’ Health Study: A cohort study. PLOS Medicine, 2020.

Qin Z. et al. Gender-associated factors for frailty and their impact on hospitalization and mortality among community-dwelling older adults: a cross-sectional population-based study. PeerJ. 2018.

Assine nossa newsletter: