5 mitos e verdades sobre o açúcar nos alimentos industrializados

Postado em 6 de maio de 2019 | Autor: Redação Nutritotal

Com nomes que você talvez não conheça, o açúcar se esconde nos sucos, bolos e outros alimentos processados

O açúcar é um vilão oculto na alimentação diária. Isso porque ele não está presente somente nos sachês que colocamos no café – o ingrediente também compõe muitos alimentos industrializados, especialmente aqueles que encontramos no supermercado prontinhos para o consumo, como biscoitos recheados, refrigerantes, salgadinhos e sucos de caixinha.

E quando não há um controle na dieta e acontece o consumo excessivo desses alimentos industrializados ricos em açúcar, pode ser alta a chance de a pessoa desenvolver doenças crônicas sérias, como a obesidade e o diabetes mellitus.

Por esse motivo, o Ministério da Saúde assinou em 2018 o primeiro acordo com a indústria para reduzir o teor de açúcar em produtos como bebidas adoçadas, bolachas com recheio, bolos prontos (e misturas), achocolatados em pó e produtos lácteos. O acordo faz parte do Plano Nacional de Redução do Açúcar em Alimentos Industrializados e atende uma recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS), cuja meta é diminuir o uso de açúcar na produção de alimentos industrializados em 144,6 mil toneladas até 2022.

Para desvendar o que há por trás do açúcar presente nos alimentos industrializados em comparação aos alimentos naturais, confira alguns mitos e verdades.

Consumo de açúcar em alimentos industrializados x naturais

O ingrediente está presente nesses dois tipos de alimentos, e é preciso cautela para manter uma alimentação equilibrada

Mesa com diversos alimentos ricos em açúcar, como bolos, pedaços de gelatina, bolachas, chocolates e sucos

A recomendação diária de açúcar é 10% do total de calorias consumidas | Imagem: Shutterstock

O brasileiro segue a meta da OMS quanto ao consumo de açúcar por dia

Mito. Dados da OMS sugerem que o consumo de açúcar não ultrapasse 10% das calorias consumidas durante o dia, o equivalente a mais ou menos 50 g/dia. Mas, no Brasil, o Ministério da Saúde afirma que o consumo médio chega a 16,3% do total de calorias diárias. Isso significa que em uma dieta de 2.000 kcal ao dia, 326 kcal são provenientes de açúcar, o que corresponde a aproximadamente 82 g/dia.

Alimentos industrializados sempre têm mais açúcar que os naturais

Mito. A nutricionista Iara Waitzberg Lewinski explica que os produtos industrializados podem ser classificados em diversas categorias:

  • Ultraprocessados: que foram extremamente modificados pela indústria (como a salsicha, presunto, algumas bolachas, pães e alguns pratos congelados);
  • Minimamente processados: que ainda mantêm sua forma e sabor originais e sofreram pouca interferência da indústria (como o milho e o atum enlatado);
  • Aqueles que não sofreram alteração em sua composição, a não ser pela embalagem (como grãos e cereais).

Por isso, a quantidade de açúcar  presente no alimento pode variar de acordo com o tipo de manuseio da indústria. Lembrando ainda que mesmo alimentos naturais também possuem açúcar, como é o caso das frutas.

Atenção! O açúcar pode estar presente nos alimentos industrializados com outros nomes, como sacarose, frutose, maltodextrina, xarope de milho, xarope de malte e açúcar invertido. Portanto, é importante ler o rótulo do produto antes de consumir!

Açúcar pode ter outro nome nas embalagens dos produtos

Verdade. Além do nome açúcar, Iara cita que o ingrediente pode aparecer como sacarose, frutose, maltodextrina, xarope de milho, xarope de malte e açúcar invertido. Portanto, é importante ler no rótulo do produto  se o açúcar ou suas variações estão entre os primeiros nomes que aparecem na lista de ingredientes. Isso porque os ingredientes aparecem na ordem da quantidade em que estão presentes no produto, sempre do maior para o menor.

Se o alimento industrializado não tiver açúcar, ele é saudável

Mito. Apesar de o consumo de açúcar em excesso ser um grande problema de saúde, há outros ingredientes que precisam ser evitados em prol de uma alimentação saudável. Dentre eles, Iara destaca o sal, que pode estar presente nos produtos disfarçado como sódio, glutamato, ciclamato, caseinato, citrato e propionato. Outros componentes que devemos ficar de olho são os corantes e aditivos químicos que também prejudicam o organismo.

Quanto maior a lista de ingredientes, pior será a sua qualidade nutricional

Parcialmente verdade. Iara explica que alguns produtos possuem muitos conservantes, aromatizantes e estabilizantes e, portanto, quanto mais ingredientes com nomes desconhecidos você encontrar na lista, pior o alimento será do ponto de vista nutricional. A recomendação da nutricionista é que você opte por produtos que tenham menos de cinco componentes. E vale lembrar também que, sempre que possível, o melhor é investir em uma alimentação equilibrada, que priorize o consumo de alimentos naturais.

 

Este conteúdo não substitui a orientação de um especialista. Agende uma consulta com o nutricionista de sua confiança.

Referências bibliográficas:

Iara Waitzberg, nutricionista e membro do Comitê Científico Nutritotal.

Conselho Federal de Nutricionistas, 2018.

Leia também