>


A importância da memória no controle do apetite e ganho de peso

Postado em 16 de outubro de 2018 | Autor: Marcella Gava

ilustração pensamentos Trabalho de revisão de literaturaavaliou estudos sobre a função da memória no comportamento alimentar e aassociação da memória com o ganho de peso.

Memória prejudicada pode reduzira habilidade de escolha de alimentos e, inclusive, aumentar sua ingestão,aumentando as reservas e levando ao sobrepeso/obesidade. Indivíduos com maiorcapacidade de memória saciam-se mais rapidamente do que indivíduos com menorcapacidade de memória.

Estudos mostraram correlaçãopositiva entre a memória trabalhada e a ingestão de frutas e vegetais ecorrelação negativa com a ingestão de lanches e de gorduras. A capacidade dememória trabalhada mostrou-se fator crítico para auxiliar as pessoas a manteremseus objetivos da dieta.

Alguns estudos confirmam que alembrança de uma refeição recente inibe ingestão posterior, mostrando que devehaver um esquecimento da refeição para que haja vontade de nova ingestão dealimentos. Este mecanismo também está presente em atividades distrativasdurante as refeições (como jogar vídeo game ou ver televisão), fazendo com quea memória da refeição ingerida seja prejudicada, levando, assim, a ingestãoaumentada na próxima refeição. O inverso também foi validado: indivíduos queprestaram mais atenção na refeição que realizaram ingerem menores quantidades emrefeições posteriores.

Revisão sistemática não encontrouassociação consistente entre IMC e prejuízo na memoria ou na função cognitiva.Em contrapartida, outros estudos mostraram associação entre alto IMC e reduçãode volume encefálico em áreas associadas à memoria, como hipocampo e córtexpré-frontal, áreas do sistema límbico e lobos temporal e frontal. Ainda, algunsestudos longitudinais sugerem que prejuízos cognitivos podem anteceder o ganhode peso, principalmente pela desregulação do apetite.

A melhora da função de memória pode ser útilcomo intervenção para o controle do apetite, e uma estratégia para isso seria autilização de diários alimentares.

A partir dessa revisão, Higgs& Spetter concluíram que comportamentos alimentares são sustentados por processosde decisões neuro-cognitivas que dependem de memória trabalhada e episódica.Estes sistemas são influenciados pelas informações do metabolismo relacionadoao armazenamento de energia, proporcionando, assim, mecanismo pelo qual necessidadesestão ligadas à motivação e controle comportamental. Ruptura de sistemas dememória está relacionada à desregulação do apetite e ganho de peso, o quesugere que processos de segmentação de memória podem ser benéficos emintervenções destinadas à promoção de hábitos alimentares saudáveis.

 

Referência:

Higgs S & Spetter MS. Cognitive Control of Eating: the Role of Memory in Appetite and Weight
Gain.
Current Obesity Reports (2018) 7:50–59.

 

Leia também



Cadastre-se e receba nossa newsletter