fbpx

Além dos alimentos lácteos, do ponto de vista tecnológico, outros produtos podem conter probióticos?

Postado em 11 de maio de 2016 | Autor: Tatiana Olivato Carvalho

São utilizados em alimentos, podem ser apresentados sob formas farmacêuticas (saches, cápsulas) e também podem compor a ração de animais, com diferentes finalidades.

Além de leites e iogurtes, a adição de culturas probióticas a outros produtos está sendo estudada. Em pesquisa realizada na Austrália, observou-se que algumas cepas probióticas podem ser acrescentadas ao salame tipo húngaro para inibir o crescimento de E. coli 0111 e Listeria monocytogenes. Outro grupo de estudiosos observou que Lactobacilus rhamnosus GG e E-97800 são culturas apropriadas para serem adicionadas em lingüiças desidratadas. Para Macedo e colaboradores, a utilização desses microorganismos na fermentação de produtos de origem animal apresentou resultados satisfatórios. Além dos produtos de origem animal, a literatura relata o uso de Lactobacilus rhamnosus em polpa de maçã congelada e em cereal matinal coberto com chocolate.

Um sorvete preparado com leite acidófilo foi considerado um alimento probiótico e durante sessenta dias de armazenagem apresentou a contagem mínima de microorganismos exigida. Em outro estudo, um sorvete padrão foi fermentado com L. acidophilus e B. bifidum e foi considerado pelos autores um veículo apropriado para adição de probióticos com boas características organolépticas. Há ainda relatos de probióticos usados em molhos, sopas, suplementos dietéticos, cereais, fórmulas infantis, maionese, suco de maçã, suco de cranberry congelado, suco de vegetais, biscoitos, além dos produtos lácteos.

Pesquisas mostram o uso das cepas probióticas também na alimentação animal. Culturas probióticas foram adicionadas à ração de rãs e camarões, com maior ganho de peso desses animais. Em frangos, os probióticos foram adicionados à ração com o objetivo de crescimento e ganho de peso, em substituição ao antibiótico usado anteriormente. O resultado foi promissor.

Bibliografia

Charalampopoulos D, Wang R, Pandiella SS, Webb C. Application of cereals and cereal components in functional foods: a review.Int J Food Microbiol. 2002:79 (1-2):131-41.

Pidcock K, Heard GM, Henriksson A. Application of nontraditional meat starter.cultures in production of Hungarian salami. Int J Food Microbiol. 2002;76(1-2):75-81.

Klingberg TD, Axelsson L, Naterstad K, Elsser D, Budde BB. Identification of potential probiotic starter cultures for Scandinavian-type fermented sausages.

Int J Food Microbiol. 2005;105(3):419-31.

Muthukumarasamy P, Holley RA. Microbiological and sensory quality of dry fermented sausages containing alginate-microencapsulated Lactobacillus reuteri.

Int J Food Microbiol. 2006 ;111(2):164-9.

Macedo R, Planzer SB, Terra NN, Freitas RJJ. Características de culturas lácteas probióticas para uso em produtos cárneos fermentados e sensibilidade dos sais de cura e uso dde antibióticos para contagem seletiva. Boletim Centro Pesquisas de Processamento de Alimentos. 2005;23(1):1-5.

Saarela M, Virkajärvi I, Nohynek L, Vaari A, Mättö J. Fibres as carriers for Lactobacillus rhamnosus during freeze-drying and storage in apple juice and chocolate-coated breakfast cereals. Int J Food Microbiol. 2006;112(2):171-8.

Reid AA Champagne CP, Gardner N, Fustier P, Vuillemard JCSurvival in food systems of Lactobacillus rhamnosus R011 microentrapped in whey protein gel particles. J Food Sci. 2007;72(1):31-7.

Tapia MS, Rojas-Graü MA, Rodríguez FJ, Ramírez J, Carmona A, Martin-Belloso O.Alginate- and gellan-based edible films for probiotic coatings on fresh-cut fruits.

J Food Sci. 2007;72(4):190-6.

Correa GSS, Gomes AUC, Correa AB. Effect of antibiotic and probiotic on the performance and carcass yied of broilers. Arq Bras Med Vet Zoot. 2003;55(4): 467-473.

Leonel Ochoa-Solano J, Olmos-Soto J.The functional property of Bacillus for shrimp feeds. Food Microbiol.. 2006;23(6):519-25.

Leia também