fbpx

Como determinar o gasto energético em pacientes queimados?

Postado em 6 de abril de 2020 | Autor: Ana Paula Prudêncio

Padrão de referência para determinar o gasto energético em pacientes queimados é a calorimetria indireta

O indivíduo considerado grande queimado é aquele que apresenta superfície corporal queimada acima de 20%. Os grandes queimados apresentam alterações metabólicas importantes, como estresse oxidativo, resposta inflamatória intensa, tempo prolongado de resposta hipercatabólica e hipermetabólica. Todas estas alterações são proporcionais à gravidade da lesão – profundidade e extensão da queimadura.

Neste contexto, o gasto energético total do grande queimado é significativamente aumentado em relação ao de repouso, sendo o tempo decorrido da lesão uma variável importante. Desta forma, é imprescindível a determinação do gasto energético do indivíduo a fim de evitar tanto a hiper como hipoalimentação.

Segundo o Guideline da ASPEN de Terapia Nutricional no Doente Crítico (2016), o gasto energético em pacientes queimados deve ser determinado por calorimetria indireta, devendo ser repetida semanalmente. Caso este recurso não esteja disponível, deve-se utilizar equações preditivas, apesar da acurácia para estes pacientes ser baixa.

A ESPEN publicou em 2013 recomendações específicas para a terapia nutricional de pacientes queimados. Neste documento, também é indicado o uso de calorimetria indireta na determinação do gasto energético destes pacientes. No entanto, na ausência deste recurso, recomenda-se a utilização da equação de Toronto para adultos e de Schofield para crianças. Estas equações são consideradas as mais adequadas de acordo com a literatura.

As variáveis necessárias para a equação de Toronto são: superfície corporal queimada total (%), consumo energético (kcal), gasto energético de repouso por Harris Benedict (kcal), temperatura corporal (ºC) e tempo de lesão (dias). Por outro lado, a equação de Schofield depende apenas do peso (kg) e estatura (cm) do paciente. Estas equações estão apresentadas na Figura abaixo.

Figura: Equações preditivas adequadas para grande queimados.

Fonte: ESPEN, 2013.

Referências:

MCCLAVE, S. A. et al. Guidelines for the Provision and Assessment of Nutrition Support Therapy in the Adult Critically Ill Patient. Journal of Parenteral and Enteral Nutrition, v. 40, n. 2, p. 159–211, 2016.

ROUSSEAU, A.-F. et al. ESPEN endorsed recommendations: nutritional therapy in major burns. Clinical Nutrition (Edinburgh, Scotland), v. 32, n. 4, p. 497–502, ago. 2013.

Leia também