fbpx

Dieta ocidental promove alteração de microbiota e carcinogênese

Postado em 27 de novembro de 2019 | Autor: Marcella Gava

A Dieta Ocidental apresentou uma tendencia ao aumento da incidência de micrometastase hepática.

Estudo conduzido por Gaines investigou o mecanismo pelo qual a dieta ocidental promove recidiva tumoral, incluindo as alterações na microbiota.

Cobaias foram divididas em dois grupos. Um recebeu dieta padrão (DP) e outro dieta ocidental (DO), rica em gorduras, sem fibras, reduzida em vitaminas e minerais em comparação com a dieta padrão, durante quatro semanas antes da cirurgia de colectomia com realização de anastomose. Antibioticoterapia profilática foi realizada no pré operatótio. Após dieta e até o 21º dia após a cirurgia, as cobaias de ambos os grupos apresentaram peso semelhante. Foi administrado uma solução com Enterococcus faecalis no primeiro PO. Foram produzidas células carcinomatosas a partir de material dos próprios ratos e injetadas por enema após a cirurgia. Foi coletada amostra fecal antes e durante a cirurgia. No 21º dia do pós operatório, as cobaias foram sacrificadas. Foi avaliado ocorrência de metástase peritoneal e hepática, microbiota, análise histológica do colon e tumor, quando presente, e foi medida atividade de colagenase das bactérias.

As cobaias alimentadas com DO apresentaram o triplo da colonização por Enterococcus faecalis colagenolítica em comparação a DP. Das cobaias DO, 67% apresentaram formação tumoral perianastomótica em comparação a 10% das cobaias de DP (p<0,05). A exposição do tecido anastomizado à Enterococcus faecalis colagenolítica resultou num aumento significativo da formação tumoral (88% DO e 30% DP, p<0,05). As cobaias DO apresentaram uma tendencia ao aumento da incidência de micrometastase hepática. A E. faecalis co-agregou-se em tecidos perianastomóticos e estavam espalhados por todo o tumor e as alterações de composição da microbiota perianastomótica se associou com a formação de tumores em ratos DO, os quais apresentaram um aumento significativo das bacterias Proteus, Akkermansia e Trabulsiella e uma redução das Bacteroides, Roseburia e Ruminoccocus, em comparação aos ratos DP. Não houve diferença na formação tumoral ou microorganismos colagenolíticos entre os animais que receberam antibiótico ou não. No entanto, a administração deste reduziu a abundancia da microbiota.

Assim, os autores elucidam o mecanismo pelo qual a dieta ocidental e o uso de antibiótico podem promover a tumoregênese após cirurgia colorretal. Estratégias para evitar o surgimento dessas comunidades de micróbios ou suas atividades enzimáticas podem ser usadas para reduzir o risco de recorrência de tumores em pacientes
submetidos a cirurgia de câncer colorretal.

Referência:

Gaines S, et al. Western Diet Promotes Intestinal Colonization by Collagenolytic Microbes and Promotes Tumor Formation Following Colorectal Surgery. Gastroenterology. 2019 Oct 23.

Leia também