Impacto do déficit nutricional e estado clínico na evolução de crianças críticas

Postado em 14 de agosto de 2019 | Autor: Marcella Gava

Equipe treinada, protocolos definidos e uso de indicadores de qualidade são importantes para diminuir o déficit calórico em crianças

Estudo conduzido por Carvalhal avaliou o impacto do déficit energético durante a hospitalização e dos marcadores albumina e PCR no prognóstico de crianças e adolescentes admitidos na unidade de tratamento intensivo pediátrica (UTIP). Para isso, foi realizado um estudo retrospectivo longitudinal com crianças entre um mês e 16 anos de idade internadas na UTIP e que receberam terapia nutricional enteral (TNE) exclusiva, sendo coletados dados de até 60 dias de internação.

Para o cálculo das necessidades calóricas foi utilizada a equação de Holliday e Segar e para as necessidades proteicas as recomendações da ASPEN.  A avaliação clínica foi realizada através do escore pediátrico de risco de mortalidade (EPRM), dias de ventilação mecânica (VM), tempo de internação (TH) e diagnóstico principal.

Fizeram parte do estudo 93 pacientes com idade média de 32 meses, sendo que 70,3% receberam diagnóstico de falência respiratória. O tempo médio de início da dieta foi de 21 horas e 2,8 dias para alcançar a meta dietética. A média calórica estimada foi de 1024,5 kcal/dia e a média ofertada foi 809,3 kcal/dia, o que representou um déficit energético de 21%. A TN foi mais frequentemente administrada por via nasoenteral, continuamente, sendo as fórmulas poliméricas as mais utilizadas. Houve interrupções na dieta em 23,7% dos pacientes e complicações associadas à terapia nutricional em 31,4% da amostra. A albumina e a PCR da admissão associaram-se ao tempo de internação hospitalar (p<0,01 e p=0,02) e duração de ventilação mecânica (p<0,01 e p=0,03) e o déficit energético aumentou significativamente o tempo de internação hospitalar (p<0,01).

Esses achados reforçam a importância da existência de protocolos definidos, uso de indicadores de qualidade e equipe treinada a fim de diminuir o déficit calórico, e a necessidade de medição de parâmetros laboratoriais como albumina e PCR pelo fato destes valores estarem associados ao prognóstico de crianças em estado crítico.

Referência:

Carvalhal et al. Impact of energy deficit during hospitalization and biomarkers at admission on clinical outcomes in critically ill children: A longitudinal study. Clinical Nutrition ESPEN: 32 (2019) 70-75

Leia também