fbpx

Ingestão dietética de fitoestrógenos pode melhorar fecundabilidade?

Postado em 30 de janeiro de 2020 | Autor: Marcella Gava

A ingestão de isoflavonas mostrou alguma evidencia de associação com melhora de fecundabilidade em mulheres acima de 30 anos

Estudo prospectivo avaliou a associação entre a ingestão de fitoestrogênio dietético (encontrados na soja, em crucíferas, nozes e sementes) e fecundabilidade (probabilidade de concepção por ciclo) em duas coortes de mulheres com idade entre 18 e 45 anos que planejavam engravidar e não estavam realizando tratamento para fertilidade. As participantes responderam a um questionário demográfico, de qualidade de vida, comportamental com fatores médicos e reprodutivos a cada 8 semanas durante 12 meses ou até a concepção. Elas também responderam a um questionário alimentar 10 dias após o inicio do estudo com informações alimentares do último ano para cálculo da quantidade de fitoestrogênio consumido.

7778 mulheres foram recrutadas em dois centros de estudos, e tinham idade média de 29-30 anos, IMC médio de 24,1-27,2 kg/m², e ingestão média de isoflavonas de 482-1060μg/d, provenientes de carne a base de soja, leite de soja, entre outros. O total de isoflavona ingerida não foi associado à fecundabilidade. Ainda, a isoflavona formononetina foi associada à redução da fecundabilidade.

A ingestão total de lignana, presente na linhaça, foi associada de maneira geral a uma melhor fecundabilidade, sendo que o aumento da ingestão de lignana de 50 para 400 μg/d aumentou esse padrão nas pacientes de um dos centros de estudos e no outro a lignana foi associada à redução da fecundabilidade em mulheres com peso normal.

A ingestão de isoflavonas mostrou alguma evidencia de associação com melhora de fecundabilidade em mulheres acima de 30 anos, com ciclo menstrual regular e sem síndrome do ovário policistico nas duas coortes.

Dessa forma, os autores concluíram que houve apenas uma ligeira associação entre o
consumo de fitoestrogênio e fecundabilidade, restrito a determinados grupos de mulheres.

Referência:

Wesselink AK et al. Dietary phytoestrogen intakes of adult women are not strongly related to fecundability in 2 preconception cohort studies. J Nutr. 2020 Jan 14.

Leia também