>


Diretriz ESPEN: Nutrição Clínica no Câncer

Postado em 24 de novembro de 2021

A diretriz aborda recomendações para o cuidado nutricional do paciente oncológico

Diretriz nutrição no câncer

Sabe-se que o câncer é uma das doenças crônicas (DCNT) mais prevalente no mundo, acometendo milhares de pessoas anualmente. No câncer, devido à própria etiologia da doença e o tratamento indicado, o estado nutricional do paciente tem relação direta com o seu prognóstico, devido à presença constante de desnutrição nesses indivíduos.

Em decorrência dessa alta prevalência, a nutrição é um dos fatores associados ao tratamento oncológico em que melhor contribuiu com desfechos clínicos positivos, tornado a terapia nutricional primordial.

A desnutrição nesta população ainda é, por vezes, negligenciada na prática clínica, com isso, se faz necessários diretrizes clínicas que tragam orientações a cerca dos cuidados nutricionais nesses pacientes.

A ESPEN (Sociedade Europeia de Nutrição Clínica e Metabolismo) publicou recentemente a diretriz prática sobre nutrição clínica no câncer, trazendo 43 recomendações baseadas em diretriz anteriores, sobre a triagem nutricional e orientações nutricionais, voltada a todos profissionais atuantes da área.

Apoio nutricional no câncer

Abaixo podemos conferir as principias orientações abordadas na diretriz:

Triagem nutricional e avaliação

Para detectar precocemente distúrbios nutricionais em sua forma inicial, é fortemente recomendado que devam ser monitoradas regularmente quaisquer mudanças de peso e IMC, além da ingestão alimentar desde o diagnóstico do câncer.

Para pacientes com risco nutricional identificado, a diretriz recomenda a utilização da avaliação objetiva e quantitativa de ingestão nutricional, de sintomas de impacto nutricional, massa muscular, desempenho físico e o grau de inflamação sistêmica.

Recomendações nutricionais

Uma dieta pobre nutricionalmente pode levar à desnutrição crônica, desta forma, promover a recuperação do estado nutricional, através da oferta de uma dieta adequada é essencial para minimizar riscos. A diretriz traz as seguintes recomendações:

  • Energia: 25 e 30 kcal/kg/dia;
  • Proteína: Ingestão superior a 1 g/kg/dia e, se possível, até 1,5 g/kg/dia;
  • Micronutrientes: Para o fornecimento de vitaminas e minerais a diretriz recomenda a ingestão de doses diárias já estabelecidas para pacientes saudáveis, desencorajando o uso de megadoses na ausência de deficiência.

Além disso, é orientado o uso de equações de predição padronizadas para estimativa do gasto energético, e em situações de aumento de catabolismo com resistência à insulina é recomendada aumentar a ingestão de gordura para fornecimento de energia em substituição ao carboidrato, com o intuído de reduzir a carga glicêmica e melhorar a densidade energética.

Intervenções nutricionais

Segundo a diretriz a via preferencial deve ser a oral, acompanhada de aconselhamentos dietéticos a fim de aumentar a densidade calórica da refeição oferecida e o uso de suplementos alimentares como completo a dieta usual.

Já no caso da impossibilidade ou ingestão inadequada via oral, é recomendado o uso de terapia nutricional enteral ou parenteral para garantir o adequado aporte nutricional.

Nos casos de ingestão oral prejudicada por longos períodos, é se orientado a administração e evolução gradual da terapia nutricional, a fim de minimizar o risco para síndrome de realimentação, recomendado à inclusão a fórmula e controle das seguintes vitaminas e minerais:

  • Vitamina B1: 200–300mg;
  • Potássio: 24 mmol/kg dia;
  • Fosfato: 0,3–0,6 mmol/kg/dia;
  • Magnésio: 0,2 mmol /kg/dia se administrado por via intravenosa ou 0,4 mmol/kg/dia se administrado por via oral.

Além disso, pacientes com má absorção incontroláveis e ingestão insuficiente o uso de Nutrição Enteral ou NP Nutrição Parenteral domiciliar é recomendado.

Demais recomendações

Além de orientações nutricionais, a diretriz conta com recomendações a cerca da prática de exercício, ingestão de farmaconutrientes e fármacos, além de orientações para diferentes opções de tratamento oncológico.

Veja também: I Consenso Brasileiro de Nutrição Oncológica

Cadastre-se e receba nossa newsletter