Série Micronutrientes – Qual é a aplicação do cromo na saúde?

Postado em 29 de julho de 2019 | Autor: Natália Lopes

A diferença entre a forma de apresentação do Cromo pode ser essencial ou tóxica para o organismo

O cromo é um mineral-traço encontrado no ambiente em diversas formas, mas principalmente na forma hexavalente, que é tóxica e cujo metabolismo leva a grande produção de espécies reativas de oxigênio, responsáveis por danos no DNA, morte celular e efeitos negativos sobre a saúde, como toxicidade pulmonar, asma brônquica e hepatotoxicidade; e a forma trivalente, mais estável, normalmente encontrada nas plantas, que parece ser cofator de proteínas, além de ser essencial ao metabolismo de carboidratos e lipídeos.

A participação no metabolismo dos carboidratos é o que dá destaque ao cromo, já que o mineral potencializa a ação da insulina. Estudos com pacientes com diabetes tipo 2, obesidade, síndrome do ovário policístico e com HIV demonstraram haver diminuição da resistência à insulina após a suplementação com picolinato de cromo. No entanto, sociedades médicas da área de diabetes ainda não recomendam a suplementação do mineral como tratamento da doença, além disso, trabalhos mostraram que a suplementação de cromo não proporcionou nenhum efeito positivo em indivíduos eutróficos ou que não apresentavam alteração de glicemia.

O cromo, como composto inorgânico, possui uma absorção baixa, porém na forma de composto orgânico, como nicotinato e picolinato, é melhor absorvido, motivo pelo qual a suplementação ocorre normalmente na forma de picolinato.  A taxa de absorção parece ser melhor quando ingerido em quantidades mais baixas, porém ainda não há um consenso na literatura sobre essa recomendação. Sua absorção de modo geral é de 0,5 a 2,5%, sendo maior na presença de ácido ascórbico e carboidratos complexos. Após a absorção, é transportado pela transferrina, competindo com o ferro pelos sítios de ligação. Assim, em situações de excesso de ferro (hemocromatose) pode haver deficiência de cromo, por este não conseguir se ligar a transferrina. A suplementação de cromo, no entanto, não afeta o transporte e reserva de ferro.

No corpo humano, suas reservas se encontram no fígado, baço, tecido moles e ossos, sendo que a maior parte do cromo consumido é excretada nas fezes sem ser absorvida. A excreção acontece através da urina, sendo mais alta em diabéticos após a administração de insulina. Estresse, traumas físicos e alta carga de exercício aeróbico também aumentam excreção do mineral.

Até o momento, ainda não foram encontradas maneiras adequadas de quantificar o cromo presente nos alimentos e a quantidade usualmente ingerida por dia, mas sabe-se que as suas principais fontes alimentares são: mariscos, ostras, carne, fígado, queijo, grãos integrais, frutas, feijão verde, espinafre e brócolis. A deficiência é mais prevalente em grupos de risco como idosos e gestantes e a recomendação de ingestão adequada para cada faixa etária pode ser observada no quadro abaixo. A toxicidade do cromo pode ser observada na presença do cromo hexavalente.

 

Ingestão adequada (AI) para cromo

Idade Homens Mulheres
Recém-nascidos
   0-6 meses 0,2 µg/dia
   7-12meses 5,5 µg/dia
Crianças
   1-3 anos 11 µg/dia
   4-8 anos 15 µg/dia
   9-13 anos 25 µg/dia 21 µg/dia
   14-18 anos 35 µg/dia 24 µg/dia
Adultos
   19-50 anos 35 µg/dia 25 µg/dia
   ≥ 51 anos 30 µg/dia 20 µg/dia
Gestantes
   ≤ 18 anos 29 µg/dia
   ≥ 19 anos 30 µg/dia
Lactantes
   ≤ 18 anos 44 µg/dia
   ≥ 19 anos 45 µg/dia

Referências

COZZOLINO, Silvia M. Franciscato. Biodisponibilidade de nutrientes. 5ed. São Paulo: Editora Manole, 2016.

VINCENT, John B; LUKASKI, Henry C. Chromium. Advances In Nutrition, [s.l.], v. 9, n. 4, p.505-506, 1 jul. 2018. Oxford University Press (OUP). http://dx.doi.org/10.1093/advances/nmx021.

Leia também