Como deve ser a hidratação na atividade física

Postado em 29 de abril de 2019 | Autor: Redação Nutritotal

A relação entre os treinos e competições com a desidratação requer cuidados no organismo

Para atletas e praticantes de atividade física, é fundamental manter o corpo hidratado para aguentar o calor gerado pelo exercício e poder desenvolver uma boa performance, seja em competições ou treinos. Mas ainda há muitas dúvidas sobre como manter a hidratação na atividade física. E mais: como a reposição de líquidos pode afetar o desempenho esportivo?

Estudos científicos divulgados pelo periódico Biology Sport apontam que a desidratação pode, sim, influenciar o desempenho do exercício e até mesmo prejudicar certos processos cognitivos feitos pelo corpo. Veja a seguir outras revelações que pesquisas têm mostrado sobre essa relação.

6 mitos e verdades sobre hidratação na atividade física

Nem só de água o atleta se mantém hidratado. Aprenda como manter uma ingestão saudável de líquidos durante o treino

Homem vestido com roupas de ginástica sentado em escada tomando água em uma squeeze

Para atingir um bom desempenho o atleta deve se manter hidratado | Imagem: Shutterstock

A desidratação afeta o desempenho físico de um atleta

Verdade. Uma pesquisa feita pela revista E-Ciência evidenciou que um ótimo estado de hidratação é essencial para manter um bom desenvolvimento e desempenho atlético em diversos tipos de esportes, principalmente para atletas que realizam exercícios intensos e prolongados em ambientes quentes.

A sede durante atividades físicas não deve ser levada em conta

Mito. O estudo do Biology Sport comparou o consumo voluntário de água durante atividade física com um consumo ditado, ou seja, que só poderia ser feito em intervalos de tempo já determinados. Apesar de o consumo voluntário ter se desempenhado melhor nos exercícios, os pesquisadores chegaram à conclusão de que, nas situações em que a desidratação é provável, beber seguindo as recomendações, independentemente da presença do sinal de sede, é necessário para proteger os indivíduos da desidratação e de seus eventos negativos.

A água não é a melhor forma de hidratação na atividade física

Parcialmente verdade. A partir das referências estudadas, pode-se entender que a água nem sempre é o melhor recurso hídrico a ser utilizado pelo praticante de atividade física intensa, uma vez que as condições climáticas podem influenciar no estado de hidratação, sendo importante analisar qual líquido é mais adequado àquela prática – como o isotônico e bebidas esportivas, por exemplo. De qualquer forma, é vital que os esportistas se hidratem de forma correta e vale ressaltar que a necessidade de água ou de isotônicos dependerá sempre da duração e da intensidade da atividade física.

O suor frequente é sintoma de desidratação

Verdade. Em atletas que realizam provas de longa duração, o mecanismo de desidratação se dá principalmente pelo suor, que pode atingir até dois litros/hora, sendo que fatores como as condições ambientais, condicionamento físico, aclimatação, grau de intensidade de esforço e tempo de exposição influenciam seu volume.

A desidratação em atletas não gera problemas futuros

Mito. Um estudo publicado na Revista Brasileira de Medicina do Esporte mostra que a desidratação leve e moderada causa sinais como fadiga, perda de apetite, sede, pele vermelha, intolerância ao calor, tontura e aumento da concentração da urina. Já a desidratação grave resulta em pele seca e murcha, olhos afundados, visão fosca, delírio, espasmos musculares, choque térmico e coma, podendo evoluir para óbito.

Perder peso é sinal de que o corpo está desidratado

Mito. Nem sempre nas atividades de longa duração a perda de peso total reflete o verdadeiro grau de desidratação, pois as alterações de massa corporal do atleta representam uma soma de perdas hídricas e de fontes não hídricas. Dentre estas últimas, deve-se considerar, principalmente, a perda de peso decorrente de elementos que ajudam na preservação dos níveis satisfatórios de glicemia.

 

Este conteúdo não substitui a orientação de um especialista. Agende uma consulta com o nutricionista de sua confiança.

Referências bibliográficas:

TP Backes et ai. Fluid consumption, exercise, and cognitive performance. Biology Sport, 2016.

Carvalho T. et. ai. Hidratação e nutrição no esporte. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, 2010.

Bulhões C. et. ai. Exercício físico e hidratação na melhora da performance: uma revisão integrativa. Revista E-Ciência, 2018.

Leia também