fbpx


A avaliação subjetiva global (ASG) é um bom método para detecção de desnutrição na população?

Postado em 9 de novembro de 2020 | Autor: Nicole Perniciotti

Veja como o método ASG tem se mostrado uma ferramenta útil na prática clínica para diagnóstico de desnutrição

A avaliação subjetiva global (ASG) é um método simples de avaliação nutricional a partir de um questionário de perguntas fechadas com o objetivo de avaliar alterações no peso, ingestão alimentar, sintomas gastrointestinais e capacidade funcional.

O objetivo do método não é somente facilitar o diagnóstico da desnutrição, mas também possibilitar o prognóstico, identificando pacientes que apresentam maior risco de sofrer complicações associadas ao seu estado nutricional durante uma hospitalização e pode ser aplicada por qualquer profissional da equipe multidisciplinar de terapia nutricional (EMTN) devidamente treinado.

O método ASG consiste em 3 avaliações:
1) A primeira avalia dados da história do paciente, visando avaliar a perda de peso nos seis meses anteriores à avaliação e verificar alteração de peso nas últimas duas semanas (que permite identificar a velocidade de emagrecimento), além da perda da capacidade funcional.

2) Na segunda etapa, realiza-se o exame físico, objetivando avaliar a perda de gordura, de massa muscular e a presença de líquido no espaço extravascular. Nesta etapa, faz-se avaliação por meio de palpação e inspeção dos braços, ombros, costelas, medida da circunferência do braço (CB), espessura do músculo adutor do polegar (EMAP), assim como, cálculos do percentual de perda de peso (%PP), índice de massa corporal (IMC), área muscular do braço (AMBC), circunferência muscular do braço (CMB).

3) A terceira etapa é de classificação do estado nutricional do paciente através das respostas obtidas em bem nutrido, moderadamente desnutrido ou suspeito de desnutrição e gravemente desnutrido.

Classificação:
Para cada item é feita uma análise subjetiva e classificação “normal/sem mudança”, “mudança leve/ moderada” ou “mudança grave/intensa”. A análise de todos os itens forma em seu conjunto o diagnóstico nutricional final de: “normal”, ou seja, sem alterações, moderada ou grave.

Indicação:
O método ASG proposto por Detsky et al., tem se mostrado uma ferramenta muito útil na prática clínica, não somente para avaliação de pacientes cirúrgicos, como foi projetado inicialmente, mas também em pacientes de outras comorbidades clínicas, pois possui boa aplicabilidade, reprodutibilidade, além de ser uma avaliação gratuita e não invasiva. Sendo assim, até o presente momento, o método é recomendado pela American Society for Clinical Nutrition (ASPEN) e European Society of Clinical Nutrition and Metabolism (ESPEN).

Em base de estudos científicos, um estudo de revisão da revista Arquivos da Gastroenterologia, a ASG aplicada em pacientes com insuficiência renal, câncer e doenças hepáticas, teve bons resultados. Em pacientes com câncer, a ASG tem sido utilizada para identificar pacientes que estão em maior risco nutricional e precisariam de um apoio nutricional mais agressivo. Poucos estudos de intervenção em pacientes cirúrgicos utilizaram ferramenta para identificar o risco nutricional.

Outras ferramentas como a Triagem de Risco Nutricional (NRS)-2002, Instrumento Universal de Triagem de Desnutrição (MUST), podemser utiliados como triagem ao diagnóstico de desnutrição, além da Mini Avaliação Nutricional (MAN), Mini Avaliação Nuticional Reduzida (MAN- SF) e o Método AND-ASPEN, que também podem ser utilizados na prática clínica. Araujo AM et al. sugere que as ferramentas devem ser aplicadas em conjunto, tanto de triagem como de prognóstico de desnutrição, para um melhor diagnóstico e melhora na atenção ao paciente.

Referências

Métodos de trigem e avaliação nutricional – Ministério da Saúde

Avaliação do estado nutricional de pacientes com câncer em um hospital da cidade de Belém/Pará – BRASPEN 2018

Pimenta FS, Oliveira CM, Hattori WT, Teixeira KR. Acordo entre Avaliação Nutricional Global Subjetiva e avaliação nutricional da Organização Mundial da Saúde. J Pediatr (Rio J). 2018 Nov-Dez;94(6):602-608.

Silva MCGB. Avaliação subjetiva Global. In: Waitaberg DL, editor. Nutrição Oral, Enteral e Parenteral na Prática Clínica. 3 ed. São Paulo: Atheneu; 2000. p. 241-53.

Waitzberg DL, Caiaffa WT, Correia MI. Hospital malnutrition: the Brazilian national survey (Ibranutri): a study of 4000 patients. Nutrition. 2001;17(7-8):573-80.

Carniel MP, Santetti D, Andrade JS, Favero BP, Moschen T, Campos PA, Goldani HA, Dornelles CT. Validação de questionário de avaliação global subjetivo. J Pediatr (Rio J). 2015 Nov-Dez;91(6):596-602.

Araújo MAR, Lima LS, Ornelas GC, Logrado MHG. Análise comparativa de diferentes métodos de tria‑ gem nutricional do paciente internado. Com. Ciên‑ cias Saúde. 2011; (4):331-342.

Barbosa-Silva MC, de Barros AJ. Avaliação nutricional subjetiva: Parte 2 – Revisão de suas adaptações e utilizaçãos nas diversas especialidades clínicas Revisão de suas adaptações e utilização em diferentes especialidades clínicas]. Arq Gastroenterol. 2002 Out-Dez;39(4):248-52.

Cadastre-se e receba nossa newsletter