fbpx

Consumo de ultraprocessados continua relacionado ao aumento da obesidade

Postado em 28 de setembro de 2020 | Autor: Roberta Ciudi

Consumo de dieta rica em ultraprocessados se associou positivamente com ganho de peso

O consumo de alimentos ultraprocessados têm aumentado significativamente no mundo todo ao longo dos anos, conferindo um total de 50 a 60% da ingestão energética da população no dia a dia. Ao mesmo tempo, a incidência de indivíduos com sobrepeso e obesidade também continua crescendo no século 21.

A obesidade por si só já é uma doença metabólica, podendo ser fator de risco para desenvolvimento de doenças cardiovasculares, diabetes tipo 2, câncer e outras. Um padrão alimentar saudável possui papel fundamental no manejo e prevenção da doença, sendo que estudos recentes evidenciaram associação positiva entre frequente ingestão de alimentos ultraprocessados e desenvolvimento de doenças crônicas.

Com o intuito de avaliar a relação entre dieta e saúde, foi criando o NutriNet, um estudo francês elaborado de modo eletrônico que coletou dados da população francesa sobre qualidade de sono, saúde mental, práticas e hábitos alimentares e outros mais através de questionários online.

Recordatório alimentar, classificação dos alimentos e dados antropométricos

Os participantes foram convidados a elaborar três recordatórios alimentares de 24 horas em dias não consecutivos, sendo dois recordatórios de dias da semana e um do fim de semana, descrevendo todos os alimentos e bebidas consumidas. As porções foram avaliadas através de fotos das refeições tiradas pelos participantes e os alimentos classificados em: In natura/minimamente processado, ingredientes culinários, processado e ultraprocessado.

Peso e altura foram auto reportados pelos participantes, através de questionário online de seis em seis meses, durante o período de maio de 2009 e junho de 2019. Esses dados foram utilizados para cálculo de IMC e identificação de obesidade.

Ultraprocessados e aumento de IMC

Após análise dos resultados, os autores observaram que o consumo de dieta rica em ultraprocessados levou ao aumento da ingestão energética (+508 ± 106 kcal/d), evidenciando associação positiva com o ganho de peso (0.8 ± 0.3 kg [P = 0.01]). Em contrapartida, os participantes que consumiram dieta baseada em alimentos minimamente processados resultaram na perda de 1.1 ± 0.3 quilos.

Os autores concluíram que o risco de desenvolver sobrepeso e obesidade está altamente relacionado a ingestão frequente e exacerbada de alimentos ultraprocessados, podendo ser parcialmente justificada pela baixa qualidade nutricional desses alimentos, além dos mesmos serem compostos, em sua maioria, por gorduras saturadas e açúcares.

 

Referência:

Beslay M, Srour B, Me ́jean C, Allès B, Fiolet T, Debras C, et al. (2020) Ultra-processed food intake in association with BMI change and risk of overweight and obesity: A prospective analysis of the French NutriNet-Sante ́ cohort. PLoS Med 17(8): e1003256.

Leia também