Cromo e resistência à insulina em pacientes com Síndrome do ovário policístico

Postado em 13 de março de 2018 | Autor: Marcella Gava Brandolis

Síndrome do ovário policístico(SOP) é a desordem endócrina mais comum em mulheres em idade reprodutiva e estáassociada a situações como câncer endometrial e de mama, dislipidemia, hipertensãoarterial, doença cardiovascular, diabetes, obesidade, e resistência à insulina.

 Heshmati e colaboradores pretenderam sintetizaros resultados de estudos que avaliaram os efeitos do cromo nos índices deresistência insulínica em pacientes com SOP. Para isso, os autores realizaramuma revisão sistemática e meta-analise de estudos randomizados controlados quecompararam o tratamento com cromo e com placebo em mulheres com SOP.

Foram elegíveis cinco estudos quesomaram 137 mulheres com SOP e 131 controles. Destes trabalhos, 3 avaliaram ocromo como suplemento único, um avaliou o cromo comparado à metformina, e umcomparou a suplementação de cromo versus cromo associado à metformina, versusmetformina isolada. Todos estes estudos avaliaram a efetividade do cromo namelhora dos parâmetros metabólicos e endócrinos comparados à placebos ou outrostratamentos.

Os trabalhos encontraram que osvalores de insulinemia de jejum não apresentaram alterações significativasantes e depois da suplementação com cromo (p = 0.45). Em dois trabalhos foramrealizados o QUICKI score, sem diferença entre o grupo cromo e o grupo placebo(p = 0.34). Outros doistrabalhos avaliaram HOMA-IR, encontrando um valor de HOMA significativamentemenor no grupo suplementado com cromo em comparação ao grupo placebo e outrostratamentos (p < 0.001). Um trabalho ainda reportou a análise de HOMA-B,encontrando diferença significativa entre o grupo cromo e o grupo placebo (p< 0.001). A dosagem de cromo utilizada para suplementação nos trabalhosestudados variou de 200µg e 500mg em um período de 8 semanas a 6 meses detratamento.

A partir da análise dos estudosselecionados, os autores concluíram que o cromo não apresentou efeito sobreinsulinemia de jejum e QUICKI score, mas melhorou significativamente HOMA-IR eHOMA-B, importantes marcadores de resistência insulínica. Vale ressaltar que pelonúmero da amostra as conclusões são incertas e necessitam de mais trabalhossobre o tema para atingir resultados mais precisos.

Referência:

Heshmati J,
Omani-Samani
R
, Vesali S,
Maroufizadeh
S
, Rezaeinejad M,
Razavi M,
Sepidarkish M.
The Effects of Supplementation with Chromium on Insulin Resistance
Indices in Women with Polycystic Ovarian Syndrome: A Systematic Review and
Meta-Analysis of Randomized Clinical Trials.
Horm Metab
Res.
2018 Mar;50(3):193-200.

Leia também