fbpx

Dieta mediterrânea e risco de mortalidade: efeitos sobre pessoas obesas

Postado em 1 de outubro de 2020 | Autor: Marcella Gava

Estudo reafirma a associação entre dieta mediterrânea e menor mortalidade

Um estudo avaliou os efeitos da associação entre o IMC e a aderência a dieta mediterrânea (dMed) sobre a mortalidade global e por doença cardiovascular (DCV). Para isso, foram utilizados dados de duas grandes coortes suecas. Os participantes foram divididos de acordo com seus IMC em estrófico, sobrepeso e obeso, sendo excluídos indivíduos com IMC<20kg/m². Foi utilizado um questionário de frequência alimentar para classificar o tipo de alimentação que estes realizavam. Também foram coletados dados sobre estilo de vida, status socioeconômico e comorbidades.

Desenvolvimento do estudo

Fizeram parte do estudo 79.003 indivíduos, sendo 56% homens e 44% mulheres. A idade média foi de 61 anos, sendo que 10% eram obesos e 46% possuíam IMC normal, 44% reportaram hábitos alimentares consistentes com dieta mediterrânea. Indivíduos com sobrepeso/obesidade reportaram menor nível educacional, maior prevalência de diabetes e menos atividade física que indivíduos com IMC normal. Os indivíduos com maior escore para dieta mediterrânea apresentaram nível de escolaridade superior, maior nível de atividade física e ingestão de calorias. Durante os 21 anos de seguimento, 38% dos participantes foram a óbito. As mortes se relacionaram com o IMC e inveresamente com a adesão a dieta mediterrânea. Ao associar o IMC com a dMed, os autores encontraram a menor mortalidade em indivíduos com sobrepeso (IMC de 27kg/m²) e alta adesão a dMed. Indivíduos obesos com alta aderência a dMed não tiveram HR significativamente elevada de mortalidade global, enquanto ter IMC mais baixo não compensou uma baixa adesão a dMed. Independente do IMC, os participantes com um baixo escore de aderência a dMed mantiveram um elevado risco de mortalidade. Os achados foram semelhantes para a mortalidade por DCV, exceto pela menor mortalidade encontrada, que foi em indivíduos com IMC normal ou sobrepeso e alto escore de adesão a dieta mediterrânea.

O que os autores concluíram

Esses achados indicam que tanto para homens quanto para mulheres a qualidade da dieta pode modificar a associação entre o IMC e todas as causas de mortalidade, e obesos que aderiram a uma dieta mediterranea não apresentaram aumento da mortalidade em comparação com indivíduos mais magros.

Referência

Michaëlsson K, Baron JA, Byberg L, Höijer J, Larsson SC, Svennblad B, et al. (2020) Combined associations of body mass index and adherence to a Mediterranean-like diet with all-cause and cardiovascular mortality: A cohort study. PLoS Med 17(9): e1003331.

Leia também