>


Obesidade Infantil: estratégias para prevenção e cuidado

Postado em 5 de agosto de 2021 | Autor: Aline Palialol | Tempo de leitura: 6 min

A obesidade infantil é uma condição que vai além da dieta da criança

obesidade infantil De desnutrição à obesidade infantil, não só o Brasil como outros países do mundo passaram por uma importante transição epidemiológica nutricional. O ganho de peso excessivo nas crianças é uma mudança preocupante e necessita de um cuidado especial para garantir a saúde da criança e do futuro adulto.

Além de hábitos alimentares e estilo de vida não saudáveis, a obesidade é uma condição influenciada pela cultura, situação socioeconômica, políticas e ambiente. Por exemplo, se o ambiente em que a criança está inserida promove uma alimentação baseada em ultraprocessados, se ela não tem acesso e incentivo à prática de atividade física e se não existem políticas de subsídio fiscal a alimentos in natura ou minimamente processados, há um contexto nítido que provoca o ganho de peso e a ampliação da obesidade infantil.

Fatores que influenciam na obesidade infantil

Logo, para deter o avanço do número de crianças obesas, é preciso adotar estratégias efetivas, como as sugeridas no e-book Policy Brief do Projeto Nutrir:

Estratégias efetivas para obesidade infantil

Promoção da saúde nas escolas – combate a Obesidade Infantil

A escola é o ambiente em que a criança passa boa parte do seu tempo diário, então, atividades voltadas para a educação nutricional e alimentar, visitas de profissionais da saúde para acompanhamento da criança, programas de alimentação saudável nas escolas, restrição de alimentos ultraprocessados em cantinas e em comércios próximos, acesso à água potável e promoção de atividade física diária são estratégias que podem resultar em crianças mais saudáveis e conscientes, além do controle de ganho de peso.

Campanhas de comunicação em saúde

Comunicar é uma estratégia básica para promover uma população mais consciente e autônoma no cuidado com a sua saúde. Por isso, utilizar campanhas de incentivo ao consumo de frutas e hortaliças e que promovam mudanças comportamentais sem provocar discursos preconceituosos também afetam positivamente a redução da obesidade.

Medidas fiscais e protetivas

Implementar políticas de tributação que encareça os produtos não saudáveis ou incentivo fiscal que reduza o custo dos alimentos in natura ou minimamente processados, regular o marketing infantil para menor exposição das crianças a publicidades agressivas que induzem a compra de produtos não saudáveis e a rotulagem visível e esclarecedora sobre a composição e classificação (processado ou ultraprocessado) do alimento, também contribuem para minimizar os casos de crianças com sobrepeso ou obesas.

Ações na atenção primária à saúde (APS)

A aquisição ou melhoria de equipamentos como balança e estadiômetro, além da capacitação e qualificação dos profissionais de saúde são imprescindíveis para o monitoramento do estado nutricional e do consumo alimentar. A equipe multiprofissional da APS também tem um importante papel no incentivo ao aleitamento materno que é apresentado em diversos estudos como um dos fatores capazes de prevenir a obesidade infantil.

Ambientes alimentares saudáveis

O ambiente tem grande influência nas escolhas e hábitos dos indivíduos, como já mencionado. Por isso, iniciativas que garantam sistemas alimentares sustentáveis (produção, processamento, distribuição, acesso, comercialização, consumo, preparo e descarte residual adequado) e que assegurem os direitos à alimentação e nutrição, promovem espaços que melhoram comportamentos e escolhas alimentares.

Atividade física nas cidades

O sedentarismo é uma realidade no mundo contemporâneo e para ter saúde a combinação ideal está em uma alimentação saudável com a prática de atividade física. Portanto, o incentivo deve estar pautado nas políticas públicas de saúde com a inserção e manutenção de espaços com infraestrutura e segurança para a prática, além de programas que ofereçam atividade física nas escolas e em espaços públicos de forma gratuita.

Essas estratégias têm um papel que ultrapassa a prevenção e redução da obesidade infantil. Elas são capazes de promover mudanças maiores que interferem na saúde e qualidade de vida da população como um todo.

Clique abaixo para fazer download dos e-books utilizados na produção desse conteúdo:

Obesidade em crianças e adolescentes: uma responsabilidade compartilhada

Policy Brief “Obesidade Infantil – estratégias para prevenção e cuidado

Referência

LARA, Roberta Soares; NATACCI, Lara Cristiane. Nutrição: visão atual e do futuro. 1ª ed. Barueri, SP: Manole, 2018. p. 114-117.

Leia também



Cadastre-se e receba nossa newsletter