>


Poucas horas de sono aumenta a gordura localizada

Postado em 2 de janeiro de 2023 | Autor: Redação Nutritotal

A gordura localizada no tronco, nos braços e nas pernas foi maior naqueles com sono de curta duração.

O sono adequado é uma parcela essencial de uma vida saudável. Dentre seus diversos benefícios, uma boa noite de sono é capaz manter a homeostase do sistema imunológico e ter um efeito de feedback positivo no nosso metabolismo.

Poucas horas de sono aumenta a gordura localizada | Imagem: shutterstock

Noites maldormidas, entretanto, podem estar associadas ao desenvolvimento da obesidade e ao acúmulo da gordura localizada, segundo alguns estudos recentes.

Para investigar a associação entre a duração do sono e diferentes massas de gordura localizada, uma nova pesquisa transversal foi desenvolvida entre uma população adulta americana.

Metodologia: sono curto, normal e prolongado

O artigo foi realizado com base na Pesquisa Nacional de Saúde e Nutrição (NHANES), um grande estudo transversal que ocorreu de 2011 a 2018, e projetado para avaliar a saúde e o estado nutricional da população dos Estados Unidos. No total, foram inclusos 9.413 participantes entre 8 a 59 anos.

Para a análise de composição corporal,  foi utilizada a densitometria óssea (DXA), obtendo-se as medidas de gordura do tronco, dos braços e das pernas. Além disso, também foi calculado o IMC de todos os participantes. A obesidade foi definida como IMC ≥ 30 kg/m².

A duração do sono foi autorreferida. De acordo com o consenso de especialistas da Academia Americana de Medicina do Sono e da Sociedade de Pesquisa do Sono, a duração do sono foi dividida em:

  • Sono de curta duração: <7 h/dia;
  • Sono de duração normal: 7 a 9 h/dia;
  • Sono de longa duração: >9 h/dia.

Maior gordura localizada nos participantes de sono curto

Após a análise dos dados, os pesquisadores constataram que aqueles que dormiam menos possuíam maior gordura localizada no tronco, nos braços e nas pernas, em comparação com o restante do grupo. Esse resultado foi especialmente expresso em homens e participantes obesos.

Uma possível explicação para esta associação é que o sono ruim pode diminuir a secreção de leptina e a sensibilidade à insulina, levando ao desequilíbrio na ingestão e gasto de energia. Como consequência, o acúmulo de gordura se faz notar.

Leia mais em: Melatonina e perda de peso: existe relação?

Para explicar a associação entre obesidade e pouco sono, os autores também sugerem que o aparecimento da apnéia obstrutiva do sono (AOS) possa estar relacionado. Isso acontece, pois indivíduos com maior IMC estão mais propensos a desenvolver a AOS, que leva à fragmentação do sono, diminuindo sua duração.

Conclusão

Em resumo, o estudo forneceu evidências de que dormir pouco está independentemente relacionado ao aumento da gordura localizada em adultos americanos, especialmente em homens e naqueles com obesidade.

Tais achados demonstram a importância de considerar a rotina de sono na prevenção e no tratamento da obesidade ou sobrepeso, para que estes ocorram de forma holística e com maior efetividade.

Clique aqui para ler o artigo científico completo.

Leia também:

Referência:

XU, Chong et al. Short Sleep Duration Was Associated with Increased Regional Body Fat in US Adults: The NHANES from 2011 to 2018. Nutrients, v. 14, n. 14, p. 2840, 2022.

Leia também



Cadastre-se e receba nossa newsletter