fbpx

Série Micronutrientes – Qual é a importância da vitamina K para a saúde?

Postado em 26 de agosto de 2019 | Autor: Natália Lopes

Associada ao processo de coagulação sanguínea, redução do risco de doença cardiovascular e osteoporose, saiba tudo sobre a vitamina K

A vitamina K pode ser encontrada em alimentos de origem vegetal, na forma de filoquinona (vitamina K1), e em alimentos de origem animal, na forma de menaquinona (vitamina K2), sendo também sintetizada pelas bactérias intestinais. A vitamina K pode, ainda, ser encontrada na sua forma sintética, denominada menadiona ou vitamina K3.

O processo de absorção de vitamina K ocorre sempre na presença de lipídios. A filoquinona é comumente absorvida no jejuno e íleo, enquanto que as manaquinonas são absorvidas nas porções distais do intestino delgado e cólon. Na mucosa intestinal ligam-se a quilomícrons e são transportadas até o fígado por via linfática. São distribuídas pelo organismo ligadas a VLDL.

O organismo possui um estoque de cerca de 50 a 100µg de vitamina K e essa reserva pode ser reduzida em 75% em apenas três dias. Esta vitamina pode ser rapidamente catabolizada e excretada pelo fígado, principalmente através da bile.

A vitamina K é bastante associada ao processo de coagulação sanguínea, sendo, no entanto, também associada à redução do risco de doença cardiovascular e osteoporose. No processo de coagulação sanguínea, a vitamina K participa como cofator no processo de ativação de aminoácidos que participam da biossíntese de fatores de coagulação sanguínea, como a protrombina. A protrombina é precursora de trombina, enzima responsável pela transformação do fibrinogênio em fibrina insolúvel, que participa ativamente do processo de coagulação. A deficiência de vitamina K está associada a maior tempo de protrombina e eventos hemorrágicos. Na saúde óssea, a vitamina age sobre a osteocalcina, permitindo sua ligação ao cálcio. Portanto, a deficiência de vitamina K estaria associada a uma calcificação óssea prejudicada.

Nos alimentos, sua melhor biodisponibilidade é dependente da presença de óleos e gorduras. Vegetais folhosos verde-escuros, como espinafre, brócolis e alguns tipos de alface são consideradas as principais fontes de vitamina K, e em segundo lugar aparecem os óleos e gorduras. O conteúdo de vitamina K em alguns alimentos pode ser observado na tabela 1. E os valores de recomendação de ingestão diária encontram-se na tabela 2.

 

Tabela 1. Conteúdo de vitamina K nos alimentos (µg/100g)

Alimento Quantidade de vitamina K em µg por 100g
Couve-de-bruxelas cozida 590
Brócolis cozido 292
Couve-flor crua 300
Acelga cozida 140
Espinafre cru 400
Alface 211
Cenoura crua 144
Aspargos 57
Ovo cozido 50
Morango fresco 15
Abacate 20
Vagem 25
Alcachofra inteira cozida 14
Leite integral 4
Óleo de girassol 51

 

Tabela 2. Valores de recomendação de ingestão de vitamina K segundo as DRI’s.

Estágio de vida AI µg/dia
  Homens Mulheres
Recém-nascidos e crianças    
0 – 6 meses 2,0
7 – 12 meses 2,5
1 – 3 anos 30,0
4 – 8 anos 55,0
Adolescentes e adultos    
9 – 13 anos 60
14 – 18 anos 75
>19 anos 120 90
Gestantes e lactantes
≤ 18 anos 75
19- 50 anos 90

AI = ingestão adequada

 

Referências:

COZZOLINO, Silvia M. Franciscato. Biodisponibilidade de nutrientes. 5ed. São Paulo: Editora Manole, 2016.

Leia também