fbpx

Quanto tempo leva para o álcool sair do organismo? 4 informações sobre os efeitos da substância no corpo todo

Postado em 14 de setembro de 2020 | Autor: Redação Nutritotal

Diversos fatores podem influenciar na duração do álcool no organismo, e seus impactos podem ser nocivos

Quanto tempo leva para o álcool sair do organismo? Beber só uma latinha de cerveja ou uma taça de vinho faz mal? Essas são dúvidas comuns quando falamos sobre o consumo de bebidas alcoólicas e que merecem atenção, pois, por trás de cada gole dado, existem riscos.

Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) e do Ministério da Saúde apontam, por exemplo, que mais de 3 milhões de pessoas morrem todos os anos pelo uso nocivo de bebidas alcoólicas. E mais: segundo as autoridades de saúde, ao todo, 5% das doenças mundiais são causadas pelo álcool.

Além disso, o isolamento social causado pela pandemia de covid-19 pode ter aumentado ainda mais esse índice preocupante. E para saber quais são esses fatores de risco relacionados ao consumo de bebidas alcoólicas e outras dúvidas comuns como quanto tempo leva para o álcool para sair do organismo, listamos a seguir alguns mitos e verdades:

Veja quanto tempo leva para o álcool sair do organismo

E outras informações sobre o consumo da substância.

Homem servindo cerveja para outra pessoa

Embora seja comum, o consumo de bebidas alcoólicas pode trazer efeitos nocivos ao organismo | Imagem: Freepik

O efeito do álcool dura somente três horas no organismo

Mito. Um artigo publicado pelo American Addiction Center apontou que diversos fatores podem influenciar na duração do álcool no organismo, como idade, alimentação, gênero, teor alcoólico da bebida, peso e uso de medicamentos. Mas, em média, exames de sangue podem detectar o álcool na corrente sanguínea por até 6 horas. Em bafômetros e testes de saliva, a detecção pode durar entre 12 e 24 horas. Na urina, esse período aumenta entre 12 e 72 horas. Já em folículos capilares, o teste pode detectar até 90 dias após o consumo do álcool.

Leia também: 10 alimentos para curar a ressaca

O consumo excessivo de álcool pode afetar funções cardíacas

Verdade. Um estudo publicado pelo Journal of American Heart Association mostrou que o consumo excessivo de álcool pode ser nocivo para o coração, causando efeitos adversos nas funções da estrutura cardíaca.

Mesmo em poucas quantidades, o álcool pode causar muitos danos para a saúde cerebral

Mito. Uma pesquisa feita na Universidade da Geórgia destacou que beber álcool de forma leve a moderada pode preservar a função cerebral na idade avançada. O estudo examinou essa ligação entre adultos de meia-idade e idosos. Na análise, as pessoas que consumiam álcool em poucas doses tiveram um desempenho melhor em testes cognitivos. Mas os cientistas ressaltam que as análises não servem de incentivo para aumentar o consumo de álcool para quem não bebe e que mais estudos são necessários para entender esses achados. Além disso, o excesso de álcool está relacionado com a piora da saúde cognitiva.

Comer algo enquanto bebe pode fazer o efeito do álcool ser menos prejudicial

Verdade. Para quem só ingere bebidas alcoólicas com o estômago alimentado, o efeito do álcool pode ser de menor risco, segundo um artigo do National Health Service. Dentre as recomendações para reduzir os riscos à saúde ao tomar um drink, eles citam também beber de forma mais tranquila e com pausas, e também alternar copos de água e de bebidas não alcoólicas entre as doses.

 

Este conteúdo não substitui a orientação de um especialista. Agende uma consulta com o nutricionista de sua confiança.

Referências bibliográficas:

Ministério da Saúde, 2019.

Dan W. et al. How Long Does Alcohol Stay in Your System? American Addiction Center, 2020.

Olena I. et al. Evidence for a Direct Harmful Effect of Alcohol on Myocardial Health: A Large Cross‐Sectional Study of Consumption Patterns and Cardiovascular Disease Risk Biomarkers From Northwest Russia, 2015 to 2017. Journal of American Heart Association, 2019.

Zhang R. Light drinking may protect brain function. Universidade da Geórgia, 2020.

The risks of drinking too much. National Health Service, 2019.

Leia também



Assine nossa newsletter: