>


Alto consumo de bebidas alcoólicas aumenta risco de síndrome metabólica

Postado em 22 de fevereiro de 2013 | Autor: Rita de Cássia Borges de Castro

Estudo publicado na revista Clinical Nutrition concluiu que o consumo de pelo menos sete doses de bebidas alcoólicas por semana foi associado com maior risco de desenvolvimento de síndrome metabólica em indivíduos saudáveis.

Trata-se de um estudo prospectivo que avaliou 8.103 indivíduos saudáveis, com idade média 35,4 anos e acompanhados durante seis anos. Os hábitos alimentares e o consumo de bebidas alcoólicas foram avaliados através de um questionário semi-quantitativo de frequência alimentar, com 136 itens, previamente validados. As perguntas sobre o consumo de álcool incluíram o tipo de bebida alcoólica, e cada dose foi definida da seguinte maneira: vinho (uma dose = 100 mL), cerveja (330 mL) e destilados (50 ml).

O diagnóstico da síndrome metabólica foi definido pela presença de pelo menos 3 dos seguintes 5 critérios: circunferência da cintura elevada (CC) (≥94 cm em homens e ≥80 cm em mulheres), triglicerídeos elevados (≥150 mg/dL) ou presença de tratamento medicamentoso para hipertrigliceridemia, HDL-colesterol (lipoproteína de alta densidade) reduzido (<40 mg/dL em homens e <50 mg/dL em mulheres), pressão arterial elevada (sistólica ≥130 e/ou diastólica ≥85 mm Hg) ou a presença de tratamento anti-hipertensivo, glicemia de jejum elevada ≥100 mg/dL.

Ao longo dos seis anos de observação, os pesquisadores identificaram 341 casos de síndrome metabólica. Destes, os consumidores de bebidas ≥7 doses/semana, considerado um alto consumo, apresentaram um risco significativamente maior de desenvolver a síndrome metabólica, em comparação com aqueles que não consumiam bebidas alcoólicas. Além disso, o alto consumo de bebidas (≥7 doses/semana) foi associado com maior risco de hipertrigliceridemia e glicemia de jejum alterada. Ao separar por tipo de bebida alcoólica, os pesquisadores observaram que o consumo de cerveja foi o que esteve mais associado com maior risco de síndrome metabólica e maior risco de hipertrigliceridemia.

“Neste estudo de coorte prospectivo de uma população saudável, o consumo de pelo menos sete bebidas alcoólicas por semana foi associado a um maior risco de desenvolvimento de síndrome metabólica após pelo menos seis anos de acompanhamento. No entanto, mais estudos em outras populações são necessários para generalizar nossos resultados e confirmar a associação entre o consumo de álcool e a incidência de síndrome metabólica”, concluem os autores.

Leia mais:

O consumo leve a moderado de álcool protege do risco de doenças cardiovasculares?

Referência (s)

Barrio-Lopez MT, Bes-Rastrollo M, Sayon-Orea C, Garcia-Lopez M, Fernandez-Montero A, Gea A, Martinez-Gonzalez MA. Different types of alcoholic beverages and incidence of metabolic syndrome and its components in a Mediterranean cohort. Clin Nutr. 2012 Dec 12. doi:pii: S0261-5614(12)00273-7.

Leia também



Cadastre-se e receba nossa newsletter