fbpx

Como é feita a avaliação de satisfação da imagem corporal?

Postado em 9 de dezembro de 2019 | Autor: Natália Lopes

As escalas de silhuetas são uma boa ferramenta para identificar insatisfação corporal entre os indivíduos com tendência a transtornos alimentares

A imagem corporal é definida como um constructo multidimensional que afeta as percepções, pensamentos e sentimentos de um indivíduo a respeito de seu próprio corpo, sendo um fator que pode prejudicar sua saúde social, profissional, emocional e psicológica, aumentando, por exemplo, o risco de desenvolver distúrbios alimentares, ansiedade, depressão crônicas e suicídio.

Os distúrbios na percepção da imagem corporal resultam em uma sub ou superestimação do corpo como um todo ou partes dele, e podem ser avaliados através da aplicação de questionários e escalas de silhuetas, sendo estas mais indicadas devido à praticidade, eficácia e rapidez de aplicação em todos os públicos: crianças, adolescentes e adultos do sexo feminino e masculino.

Estas escalas são, em geral, constituídas por contornos de silhuetas do corpo humano, em uma variedade de tamanhos, pesos e formatos, desde desenhos muito magros a desenhos muito obesos que servem para o participante indicar a figura que melhor representa seu tamanho atual (medida que reflete seu corpo percebido) e a figura que melhor representa o corpo que considera ideal (também chamado de desejado). Entre os pontos negativos relacionados ao uso das escalas, podemos considerar imagens irreais do corpo humano e valores irreais de altura e peso corporal da população-alvo, o que ressalta a importância da ferramenta ser adaptada para a população em que está sendo aplicada, já que há muitas diferenças de composição corporal entre as populações do mundo.

A primeira escala de silhuetas foi desenvolvida por Stunkard, Sorensen, and Schlusinger (1983) (figura 1) e adaptada para o Brasil por Kakeshita e colaboradores (2009) (figura 2). Em ambas as escalas, a insatisfação corporal é definida pela diferença de pontuação entre as silhuetas percebidas e as desejadas, sendo que os valores diferentes de zero são iguais aos indivíduos insatisfeitos, valores positivos indicaram insatisfação por estar acima do peso e valores negativos indicaram insatisfação por estar abaixo do peso.

Figura 1: Escala de silhueta Stunkard, Sorensen, and Schlusinger (1983).

 

Figura 2: Escala de silhueta Kakeshita e colaboradores (2009).

 

Recentemente, De Castro e colaboradores propuseram uma nova ferramenta que, ao invés de desenhos, apresenta para o avaliado oito imagens fotográficas de seu próprio corpo, em posição padrão, sendo sete imagens distorcidas e uma imagem real. A nova ferramenta, chamada de Escala Brasileira de Classificação de Figuras Fotográficas, foi aplicada em homens e mulheres e apresentou boa correlação com as outras escalas já existentes. Assim, podemos considerar as escalas de silhuetas uma boa ferramenta para identificar insatisfação corporal entre os indivíduos com tendência a transtornos alimentares e distúrbios psicológicos relacionados à alimentação.

 

Referencias:

De Castro, M. R., Morgado, F. F. da R., & Junior, I. F. F. (2016). Brazilian Photographic Figure Rating Scale. Perceptual and Motor Skills, 124(1), 131–144.

De Castro, M. R., Morgado, F. F. R., & Freitas, I. F. (2018). Brazilian Photographic Figure Rating Scale for Men: Psychometric Investigation. Perceptual and Motor Skills, 003151251875735.

Kakeshita, I. S., Silva, A. I. P., Zanatta, D. P., & Almeida, S. S. (2009). Construção e fidedignidade teste reteste de escalas de silhuetas brasileiras para adultos e crianças. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 25(2), 263–270

Laus, M. F. et al (2013). Estudo de Validação e Fidedignidade de Escalas de Silhuetas Brasileiras em Adolescentes. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 29(4),403-409.

Stunkard, A. J., Sorensen, T., & Schlusinger, F. (1983). Use of the Danish adoption register for the study of obesity and thinness. In S. S. Kety, L. P. Rowland, R. L. Sidman & S. W. Matthysse (Eds.), The genetics of neurological and psychiatric disorders (pp. 115–120). New York, NY: Raven.

Zitzmann, J., & Warschburger, P. (2018). Psychometric Properties of Figure Rating Scales in Children: The Impact of Figure Ordering. Journal of Personality Assessment, 1–10.

Leia também