>


Como funciona e qual é a relação entre vitamina D e proteção ao câncer?

Postado em 9 de novembro de 2012 | Autor: Rita de Cássia Borges de Castro

A vitamina D tem sido associada com a prevenção de várias doenças crônicas, incluindo diversos tipos de câncer, como colorretal, mama, próstata e pele, além da relação com a manutenção da homeostase do cálcio  a saúde óssea.

A exposição solar, através dos raios UVB (ultravioleta B), induz na pele a síntese vitamina D pela conversão de 7-deidrocolesterol em vitamina D3 (colecalciferol ou pré-vitamina D3). A vitamina D pode ser obtida pela dieta através do colecalciferol, de origem animal e o ergocalciferol (vitamina D2), de origem vegetal. As principais fontes naturais de vitamina D são peixes como salmão, atum e cavala, seguido de fígado, gema de ovo, queijo e cogumelos. Existem também diversos alimentos fortificados com vitamina D sintética, incluindo leite e produtos lácteos, suco de laranja, cereais matinais, barras de cereais, fórmulas infantis e margarinas.

A vitamina D proveniente da dieta é absorvida no intestino delgado na forma lipossolúvel incorporada a quilomícron. No fígado, esse complexo se liga a uma proteína-ligante de vitamina D e é metabolizado, juntamente com a vitamina D3 sintetizada pela pele. A vitamina D sofre hidroxilação na posição C-25 pela enzima hepática 25-hidroxilase, resultando na formação da 25-hidroxicolecalciferol (25(OH)D3 ou calcidiol), principal forma circulante da vitamina D. Nos rins ocorre uma segunda hidroxilação na posição C-1 do calcidiol através da enzima 1-alfa-hidroxilase (CYP27B1), formando o 1,25(OH)2D3, a forma mais ativa da vitamina D. Os níveis séricos de 25(OH)D é a principal forma circulante de vitamina D, pois sua meia vida é consideravelmente mais longa do que a da 1,25(OH)2D3 (15 dias contra 15 horas).

Diversos mecanismos moleculares têm sido propostos para os efeitos protetores da vitamina D no câncer. Muitos desses mecanismos estão relacionados com a produção de 1,25(OH)2D3 por tecidos que possuem a enzima CYP27B1, como a próstata, cólon, mama e pâncreas. Nas células destes tecidos, a 1,25(OH)2D3 liga-se ao receptor da vitamina D (VDR) em que, no núcleo celular formam um complexo para influenciar a expressão de genes envolvidos na regulação da inflamação, apoptose de células tumorais, diminuição da proliferação, diferenciação celular e imunomodulação. Estudos têm verificado que uma maior expressão do receptor de vitamina D está diretamente relacionada na modulação da proliferação e diferenciação celular, bem como na indução de apoptose em células tumorais.

Diversos estudos in vitro, in vivo e estudos epidemiológicos demonstram um papel importante da vitamina D especialmente na redução da incidência do câncer colo-retal. Pesquisadores verificaram em uma metanálise que indivíduos com os níveis séricos de 25(OH)D3 ≥ 82 nmol/l tiveram uma incidência 50% menor de câncer colorretal do que aqueles com níveis ≤ 30 nmol/l.

A relação entre os níveis séricos de vitamina D e o risco de desenvolver alguns tipos de câncer foi revisada em 2008 por Holick, no qual o autor sugere uma redução de 30 a 50% do risco de desenvolver câncer colorretal, mama e próstata, caso haja um aumento de vitamina D, através da ingestão diária de 1000 UI ao dia ou da exposição solar, elevando os níveis séricos de 25(OH)D3 para mais de 30 ng/mL.

Outro estudo verificou que a ingestão de alimentos enriquecidos com vitamina D, totalizando 400 UI/dia, foi associada à redução do risco de desenvolver câncer de mama. Pesquisas sugerem que os níveis séricos de 25(OH)D3 ou 1,25 (OH)2D3 parecem menores em pacientes com câncer de mama avançado ou metastático em relação àquelas pacientes com doenças em estágio inicial. Além disso, existem evidências que baixos níveis sérios de 25(OH)D3 ao diagnóstico estejam relacionados a um pior prognóstico, isto é, maior chance de recidiva da doença.

Em resumo, as evidências são bastante convincentes de que existe uma relação entre níveis inadequados de vitamina D com o aumento do risco de câncer e/ou a progressão do tumor. Entretanto, ainda são necessários mais estudos para essa afirmação e não é recomendada suplementação com altas doses de vitamina D com o intuito de prevenir o câncer. Os pesquisadores sugerem que a ingestão de vitamina D seja em torno de 600 UI (15 mcg) por dia, conforme as novas DRI (Dietary Reference Intakes), publicadas em 2010.

Leia mais

Novas recomendações para cálcio e vitamina D

Suplementação de vitamina D com cálcio diminui mortalidade em idosos

Quais pacientes podem se beneficiar do uso de suplementos de cálcio e vitamina D?

 

Bibliografia

Davis CD, Milner JA. Nutrigenomics, vitamin D and cancer prevention. J Nutrigenet Nutrigenomics. 2011;4(1):1-11.

Fleet JC, DeSmet M, Johnson R, Li Y. Vitamin D and cancer: a review of molecular mechanisms. Biochem J. 2012;441(1):61-76.

Toner CD, Davis CD, Milner JA. The vitamin D and cancer conundrum: aiming at a moving target. J Am Diet Assoc. 2010;110(10):1492-500.

McCullough ML, Bostick RM, Mayo TL. Vitamin D gene pathway polymorphisms and risk of colorectal, breast, and prostate cancer. Annu Rev Nutr. 2009;29:111-32.

Leia também



Cadastre-se e receba nossa newsletter