GLIM é efetivo para detectar risco em pacientes cirúrgicos

Postado em 21 de outubro de 2019 | Autor: Marcella Gava

Entenda como o diagnóstico de desnutrição pode estar associado a complicações pós operatórias

Estudo retrospectivo realizado por pesquisadores noruegueses investigou a prevalência de desnutrição de acordo com o segundo passo do GLIM e a associação desse diagnóstico com complicações pós operatórias severas em 6110 pacientes maiores de 18 anos  submetidos a cirurgias gastrointestinais. Para isso, foram analisados registros de dados como peso 6 meses antes da cirurgia, resultado da aplicação do GLIM, IMC, perda de peso, complicações em 30 dias de pós operatório, e escore ASA, ECOG e mE-PASS no pré-operatório.

Dos participantes, 53,9% eram homens, com média de idade de 68 anos e de IMC de 25,2kg/m² e 73,6% tinham diagnóstico de câncer. No momento da cirurgia, 2161 (35,4%) dos pacientes apresentavam desnutrição e 955 (15,6%) estavam desnutridos grave; baixo peso foi observado em 216 (3,5%) dos indivíduos. Os pacientes que foram submetidos a cirurgia pancreática, esofágica ou gástrica tenderam a ser mais desnutridos (52,9%, 44,6% e 37,3%, respectivamente). Pacientes desnutridos (moderados e graves) desenvolveram mais complicações cirúrgicas graves e morrerem mais (desnutridos graves) em 30 dias quando comparados aos não desnutridos (OR 1,29 e 2,15). Pacientes com baixo peso apresentaram maior risco de morte que os com peso normal. Não foi encontrada relação entre IMC < 18,5 ou 20kg/m² (de acordo com a idade) e a incidência de complicações cirúrgicas graves e mortalidade em indivíduos menores de 70 anos. Entretanto, em pacientes com mais de 70 anos o IMC para desnutrição moderada e severa se correlacionou com complicações (OR 1,47 e 1,25) e em indivíduos com IMC<20kg/m² o risco de morte aumentou 2,46 vezes.

Nos 6 meses que antecederam a cirurgia, 45,7% dos pacientes apresentaram perda de peso, o que se associou a complicações e mortalidade (OR 1,28 e 1,7). Pacientes com perda de peso ≥5% apresentaram um aumento de risco para ambos (OR 1,27 e 2,35) e pacientes com perda de peso >10% apresentaram risco de mortalidade 2,23 vezes maior. Em indivíduos obesos (IMC>30kg/m²) o risco de complicações também aumentou com a perda de peso em comparação aos que não perderam peso (OR 1,42). Somente pacientes que mantiveram seu peso antes da cirurgia apresentaram redução do risco de complicações (OR 0,75), o que não foi observado nem para os que perderam peso nem para os que ganharam peso nesse período.

Assim, os autores demonstraram que a perda de peso pré operatória e a desnutrição são comuns em pacientes submetidos a cirurgias do trato gastrointestinal e que essas condições são associadas ao aumento do risco de complicações cirúrgicas graves.

Referência:

Eli Skeie et al. Weight loss and BMI criteria in GLIM’s definition of malnutrition is associated with postoperative complications following abdominal resections e Results from a National Quality Registry. Clinical Nutrition, 2019.

Leia também