fbpx

Sonda Nasoenteral é viável e benéfica para pacientes com câncer gastrointestinal

Postado em 21 de outubro de 2019 | Autor: Marcella Gava

Aceitação e vantagens da terapia nutricional via sonda nasoenteral por pacientes diagnosticados com câncer gastrointestinal

Estudo prospectivo intervencional avaliou a aceitabilidade da sonda nasoenteral (SNE) e a viabilidade de sua auto inserção em pacientes oncológicos. Foram elegíveis pacientes maiores de 18 anos recém diagnosticados com câncer do trato gastrointestinal, que realizariam cirurgia e/ou quimioterapia, e que não atingiam suas necessidades nutricionais e com perda de peso >10% ou albuminemia <30g/L ou IMC <18,5kg/m² antes da cirurgia ou uma perda de peso >5% durante quimioterapia. Foram avaliados estado nutricional por IMC, perda de peso em 6 meses, índice de ingestão alimentar, e albumina plasmática. Também foram avaliados qualidade de vida, aceitabilidade e complicações relacionadas a SNE.

Foram selecionados 308 pacientes, com idade média de 66,8 anos sendo 61% homens. O IMC médio antes do diagnóstico foi de 23,8kg/m² e a perda de peso média em 6 meses foi de 12,7kg. A maioria dos pacientes apresentavam desnutrição grave (59,7%), com perda de peso >10% e com redução da ingesta alimentar >30% (p=0,0002). A aceitabilidade da SNE foi de 78,9%, sendo que as características clínicas e localização do tumor não diferiram entre os que aceitaram ou não a SNE. No grupo de pacientes que realizou somente cirurgia, a aceitabilidade foi de 71%, no grupo que realizou somente quimioterapia foi de 87,5% e no grupo que realizou ambos foi de 83%. A análise multivariada revelou que a aceitabilidade foi significativamente maior em pacientes com perda de peso >10% e menor em pacientes em quimioterapia somente ou associada à cirurgia.

Entre os pacientes que tinham indicação para SNE, a aceitabilidade e a viabilidade da auto inserção da SNE foi de 80% e 45,5%, respectivamente. O questionário de qualidade de vida foi aplicado nos indivíduos que concluíram a terapia nutricional ou ao final do estudo (6 meses). A qualidade de vida melhorou significativamente, principalmente em relação a funcionalidade física e saúde mental (p<0,05 ambos) com o uso da terapia nutricional. Parâmetros como saúde social, saúde geral, saúde percebida, disfunção de saúde (ansiedade, depressão, dor e disabilidade) também melhoraram.

Dessa maneira, os autores concluíram que a introdução da nutrição enteral em pacientes com câncer digestivo é viável quando não é possível aumentar a ingestão alimentar ou quando há perda de peso >5% em quimio e >10% antes da cirurgia. A auto inserção foi realizada com sucesso em 45,5% e ainda precisa ser mais discutida.

Referência:

Quilliot D et al. Feasibility, acceptability of enteral tube feeding and self-insertion of a nasogastric tube in the nutritional management of digestive cancers, impact on quality of life. Clin Nutr. 2019 Jul 26.

Leia também