Nova equação para estimar o gasto energético em obesos graves

Postado em 28 de janeiro de 2011 | Autor: Rita de Cássia Borges de Castro

Pesquisadores da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, desenvolveram uma nova equação para estimar o GER (gasto energético de repouso), no qual oferece resultados mais precisos do que as equações disponíveis atualmente para indivíduos com obesidade grave.

A pesquisa fez parte do projeto de mestrado da nutricionista Lilian Mika Horie, sob orientação do professor doutor Dan Linetzky Waitzberg, em que inicialmente compararam as equações preditivas existentes com a calorimetria indireta e, em seguida, tiveram o objetivo de desenvolver uma nova equação com base em compartimentos da composição corporal.

Foram avaliados 120 pacientes gravemente obesos (37 homens [30,8%] e 83 mulheres [69,2%]), com IMC (índice de massa corporal) de 34,4 a 61,0 kg/m2 e idade entre 18 e 62 anos.

Os participantes foram submetidos à avaliação antropométrica, composição corporal e gasto energético de repouso durante duas semanas. As medidas antropométricas incluíram avaliações do peso corporal e altura para determinação do IMC, que foi calculado através do peso dividido pela altura ao quadrado.

A avaliação da composição corporal foi realizada pelo aparelho de bioimpedância elétrica (BIA) multifrequencial, sendo estimada através de equação específica para pacientes com obesidade grave.

O gasto energético de repouso foi medido por calorimetria indireta e calculado de acordo com a equação de Weir (1949):

Taxa metabólica basal (TMB) = 3,9[VO2(l/min)] + 1,1[VCO2 (l/min)]
VO2 = volume de oxigênio
VCO2 = volume de dióxido de carbono
GER (kcal / dia) = TMB x 1,440 min

As equações preditivas para GER utilizadas para comparação foram: Harris-Benedict (1919), Ireton-Jones (2002), Owen (1986-1987) e Mifflin (1990).

Quando calculado pela equação de Harris-Benedict (1919), o GER foi superestimado em +185 kcal para homens e subestimado em -114 kcal entre as mulheres. A equação de Ireton-Jones apresentou valores que variaram de -699 a +435 kcal. As equações de Owen e Mifflin superestimaram em +273,2 kcal e +166,5 kcal, respectivamente.

A partir dos resultados obtidos, uma nova equação de predição do GER foi proposta utilizando dados da massa magra (MM), obtida pela BIA, e peso corporal.

Assim, a nova equação, denominada Horie-Waitzberg & Gonzalez,  foi expressa em:

GER = 560,43 + (5,39 × peso atual) + (14,14 × massa magra)

A equação Horie-Waitzberg & Gonzalez foi testada em uma subamostra para validação (n = 60) e mostrou uma diferença insignificante (± 43 kcal) quando comparada ao GER calculado pela calorimetria indireta, proporcionando melhores resultados, como maior exatidão e precisão do que as outras equações preditivas.

“Em nosso estudo, a nova equação foi desenvolvida para estimar o GER especificamente de obesos graves, utilizando variáveis de peso e massa magra como os principais contribuintes para o gasto energético. Surpreendentemente, as variáveis de idade e sexo não foram preditores significativos para o GER desses pacientes”, comentam os autores.

“Nossa nova equação parece promissora e útil para os nutricionistas durante o planejamento nutricional de pacientes com obesidade grave. No entanto, serão necessários mais trabalhos de validação para confirmar a sua utilidade na prática clínica”, concluem.

 

Referência (s)

Horie LM, Gonzalez MC, Torrinhas RS, Cecconello I, Waitzberg DL. New Specific Equation to Estimate Resting Energy Expenditure in Severely Obese Patients. Obesity (Silver Spring). 2011 Jan 13. [Epub ahead of print]

Cadastre-se e receba nossa newsletter