O que é a dieta paleolítica?

Postado em 4 de abril de 2014 | Autor: Rita de Cássia Borges de Castro

A dieta paleolítica baseia-se nos ancestrais pré-históricos, sendo o nome da dieta referente ao período paleolítico (Idade da Pedra Lascada, período da pré-história que vai de cerca de 2,5 milhões antes de Cristo). Embora existam diversas adaptações da dieta paleolítica, de uma maneira geral, trata-se de uma dieta hiperproteica, rica em fibras, em que há consumo preferencial de carnes magras, peixes frescos, frutas, vegetais e gorduras saudáveis, restringindo totalmente o consumo de alimentos industrializados.

De acordo com os autores, o fato de que os nossos ancestrais eram caçadores, e não agricultores, a dieta paleolítica restringe o consumo de trigo, leite e derivados, bem como não pode haver o consumo de outros cereais e leguminosas (incluindo feijão e soja). Outros alimentos evitados nessa dieta são o açúcar refinado, batatas, sal e óleos vegetais refinados.

A dieta paleolítica ganhou destaque em 1985, a partir de uma publicação científica dos pesquisadores Eaton & Konner. Atualmente vem sendo extensivamente estudada por seus potenciais efeitos para a saúde, incluindo a prevenção e tratamento de doenças crônicas, como obesidade, diabetes, doenças cardiovasculares e câncer.

Em estudos mais recentes, quase trinta anos após a primeira publicação, os pesquisadores Eaton & Konner demonstraram que a dieta paleolítica é eficaz em produzir menores níveis sanguíneos de hemoglobina glicada (marcador do controle da glicemia) e triacilglicerois, além de promover a perda de peso, redução da circunferência da cintura e da pressão arterial diastólica.

Os estudos relatam que a distribuição energética de macronutrientes da dieta no período paleolítico, tinha a seguinte estimativa: carboidratos de 35 a 40%; proteínas de 25 a 30%; lipídios de 20 a 30% e fibras >70g/dia.

Entretanto, devido ao seu aspecto limitante, diversos pesquisadores questionam a dieta paleolítica como uma abordagem eficiente para a promoção da saúde. Entre os questionamentos estão a exclusão de grãos ricos em nutrientes, como o feijão, restrição de laticínios com baixo teor de gordura e as deficiências de nutrientes potencialmente associados com as demais restrições propostas.

Com base nisso, embora estudos possam demonstrar efeitos benéficos da dieta paleolítica, as pesquisas clínicas devem ser mais específicas quanto à composição da dieta e em relatar possíveis efeitos adversos em longo prazo. A sua aplicação deve ser realizada de maneira individualizada, conforme as necessidades nutricionais, bioquímicas e aceitação do paciente.

 

Bibliografia

Turner BL, Thompson AL. Beyond the Paleolithic prescription: incorporating diversity and flexibility in the study of human diet evolution. Nutr Rev. 2013;71(8):501-10.

Konner M, Eaton SB. Paleolithic nutrition: twenty-five years later. Nutr Clin Pract. 2010;25(6):594-602.

Eaton SB, Konner M. Paleolithic nutrition. A consideration of its nature and current implications. N Engl J Med. 1985;312(5):283-9.

Lindeberg S. Paleolithic diets as a model for prevention and treatment of Western disease. Am J Hum Biol. 2012;24(2):110-5.

Lindeberg S, Jönsson T, Granfeldt Y, Borgstrand E, Soffman J, Sjöström K, Ahrén B. A Palaeolithic diet improves glucose tolerance more than a Mediterranean-like diet in individuals with ischaemic heart disease. Diabetologia. 2007;50(9):1795-807.

Jönsson T, Granfeldt Y, Lindeberg S, Hallberg AC. Subjective satiety and other experiences of a Paleolithic diet compared to a diabetes diet in patients with type 2 diabetes. Nutr J. 2013;12:105.

Jönsson T, Granfeldt Y, Erlanson-Albertsson C, Ahrén B, Lindeberg S. A paleolithic diet is more satiating per calorie than a mediterranean-like diet in individuals with ischemic heart disease. Nutr Metab (Lond). 2010;7:85.

Cunningham E. Are diets from paleolithic times relevant today? J Acad Nutr Diet. 2012;112(8):1296.

Cadastre-se e receba nossa newsletter